A busca por um óculos de Realidade Aumentada

A busca por um óculos de Realidade Aumentada 2
A Realidade Aumentada é o futuro da tecnologia, mas o quão próximo dela nós realmente estamos?

Bem que a Google tentou nos levar a um mundo de Realidade Aumentada com o Google Glass, mas o projeto não avançou, ficando apenas em protótipos caros que não agradaram o mercado. Porém, muitos ainda estão interessados nesse próximo salto tecnológico. “Nós sabemos o que realmente queremos: óculos AR“, disse o cientista-chefe da Oculus, Michael Abrash, na conferência de desenvolvedores F8 do Facebook no início de 2017.

O futuro dos Smart Glasses

Ele previu que no futuro próximo “em vez de transportar smartphones elegantes em todos os lugares, estaremos vestindo óculos elegantes”. E acrescentou que “esses óculos oferecerão AR, VR e todo o resto, e nós os usaremos o dia todo e em todos os aspectos das nossas vidas”.

Isso pode parecer otmista até demais para aqueles que se lembram do tropeço humilhante do Google Glass. O headphone epicamente atrasado do Magic Leap e as vendas iniciais decepcionantes dos próprios fones de ouvido de realidade virtual da Oculus.

A busca por um óculos de Realidade Aumentada 3

Mas podemos imaginar que tudo isso foram apenas passos de bebê, porque todas as grandes empresas estão passando por um processo de adoção da realidade aumentada. Estas são apenas as primeiras tentativas de uma nova plataforma de tecnologia que eventualmente terá seu lugar fixo de destaque muito em breve em nossas vidas digitais.

A “Quarta Plataforma” digital

Houve um crescente consenso de que a realidade artificial – a tecnologia que engana os sentidos para ver, ouvir e interagir com objetos e cenários digitais como se fossem tão reais quanto os móveis em que nos sentamos e as pessoas em frente a nós – se tornarão a “Quarta Plataforma” em computação.

Cada uma das três plataformas anteriores – chegando aproximadamente a cada 15 anos – foi um evento de época, oferecendo uma oportunidade para reorganizar os rankings de poder das empresas de tecnologia. E cada uma ameaçou a existência de líderes da indústria que viviam o “Dilema do Inovador”, que afirma que os vencedores em uma rodada de progresso tecnológico estão muito trancados em suas vitórias para apostar na próxima onda.

No início da década de 1980, a computação pessoal destruía empresas de mini-computadores e lançou a Apple e a Microsoft. Em meados dos anos 1990 vimos a explosão da internet, criando indústrias infinitas e gigantes como Google e Amazon. Por fim, o iPhone de 2007 iniciou a era móvel. A realidade aumentada é essa nova plataforma.

Nem todas as empresas que trabalham com smart glasses compartilham uma visão idêntica; alguns têm opiniões diferentes sobre o quão imersivo esse dispositivo deve ser. Mas todos adotaram silenciosamente a suposição implícita de que uma realidade artificial persistente e portátil é a próxima “grande coisa”. Infelizmente, a pressão da concorrência obrigou-os a começar a lançar produtos intermediários, agora.

É preciso arriscar

Quando algo não funciona, as empresas não podem se dar ao luxo de desistir. O Google é um exemplo disso. Um dos erros mais humilhantes de sua história foi o Google Glass , que começou como um projeto de paixão geek e acabou como um aparelho ridículo. Em vez de enterrar o incidente, a empresa persistiu.

A busca por um óculos de Realidade Aumentada 4

No momento o Google Glass está sendo utilizado em “jogos sérios” por muitas empresas, como manufatura e cuidados de saúde, dando à Alphabet, uma aparente vantagem em testar o conceito de óculos no campo.

A Microsoft também não fica para trás. A empresa já lançou seu próprio smart glass, o HoloLens (mesmo que sem muito alarde). E novas empresas dedicadas à realidade aumentada, como o Magic Leap (alimentado em parte por um investimento de US$ 350 milhões), estão empurrando os limites da ciência atual de realidade aumentada.

A busca por um óculos de Realidade Aumentada 5

 

Amazon e Apple também estão na corrida da “Quarta Plataforma”. Basta verificar algumas das patentes da Apple. E recentemente, a Amazon juntou-se à briga, apresentando um novo serviço AWS para ajudar os desenvolvedores a criar aplicativos na realidade aumentada e virtual.

Disponível agora na visualização, ele permite que se criem “cenas” em VR que funcionam em uma variedade de dispositivos, incluindo Oculus, Gear e Daydream do Google. Chamado de Amazon Sumerian, ele sinaliza a crença de Amazon de que seu domínio no comércio se estenderá a um mundo artificial.

A busca por um óculos de Realidade Aumentada 6

O cenário atual

Enquanto esperamos os óculos de realidade aumentada, a versão de 2018 da realidade aumentada envolve a colocação de informações em camadas nas imagens ao vivo fornecidas pela sua câmera de celular. A Apple, a Microsoft, o Google e o Facebook estão fornecendo conjuntos de ferramentas profundas para os desenvolvedores criar aplicativos para essa abordagem.

Todos esses esforços são apenas um teste para a busca da visão final: um conjunto de óculos digitais que estará no limite entre real e virtual. O impacto na sociedade será incompreensível e, em alguns aspectos, preocupante e até perigoso. Mas talvez tenhamos entre 5 e 15 anos para começar a discutir sobre as consequências desses efeitos.

Enquanto isso, em laboratórios secretos ao redor do mundo, oligarquias e adeptos tecnológicos estão trabalhando duro inventando uma onda de computação que literalmente estará em seu rosto. Goste ou não, o próximo campo de batalha na tecnologia será em seu campo de visão.

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Receba Notícias por E-mail:

Share via