Cientistas criam pele robótica que se cura sozinha

Cientistas criam pele robótica que se cura sozinha 6
Cientistas estão desenvolvendo um robô com metal líquido em seu corpo resistente a desgastes. Essa pele robótica pode se reparar sozinha e funciona mesmo danificada!

Já pensou viver em um futuro onde partes cibernéticas irão auxiliar os humanos a ficarem mais resistentes? Pois bem, pense então apenas num robô com capacidade de ter um corpo fluído e resistente a desgastes. Alguns cientistas estão colocando esse plano em prática. Assim, começaram a criar uma pele robótica que funciona mesmo danificada. Coisa de filme, não é mesmo?

A mitose robótica

Vamos à aula de biologia. A disciplina é corpo humano. Assim, quando alguém leva um corte, uma série de fenômenos acontece para estancar o sangramento e reconstruir a pele da pessoa. Uma das reações é chamada de edema. Este, causado pela vasodilatação e aumento de vasos capilares, o que permite maior circulação de sangue.

Assim, pensando nessa lógica, cientistas da Carnegie Mellon University desenvolveram uma pele artificial com recuperação semelhante. Porém, não é uma cura perfeita que reconstrói todo o material. O objetivo é restabelecer as conexões perdidas.

O grande responsável é um metal líquido. Gotas desse material ficam suspensas dentro de um recipiente flexível, prontas para serem acionadas quando necessário. Ao sinal de dano mecânico, as gotas se abrem e são enviadas ao local danificado. O líquido possibilita que a corrente de energia não seja interrompida, mesmo que a pele sofra cortes ou perfurações.

Cientistas criam pele robótica que se cura sozinha
O visor mostra o número de circuitos flexíveis criados

Mais um passo para o futuro

Esse tipo de pele não é exatamente uma novidade. Existe uma categoria de materiais soft, que são flexíveis e deformáveis. A diferença dessa pele apresentada é justamente sua auto recuperação. A inovação garante um novo leque de possibilidades para a indústria.

Se nós queremos construir máquinas que sejam mais compatíveis com o corpo humano e ambiente natural, precisamos começar com novos tipos de materiais.

Majidi Carmel, professor de Engenharia Mecânica da Carnegie Mellon University

É uma notícia ótima para robôs com foco em cuidados humanos. Usando um pouco a imaginação, um robô bombeiro poderia entrar em um prédio em chamas e restaurar-se de prováveis danos. Além disso, uma máquina de exploração em Marte não possui assistência caso quebre. Porém, esse material soft auto reparável suportaria as condições extremas do planeta e garantiria maior durabilidade. Assim, até mesmo os aparelhos wearables poderiam tirar proveito da pele reconstrutiva.

Fonte: Futurism

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar um comentário

Deixe uma resposta

Receba Notícias por E-mail:

Receba notícias no seu e-mail
Holler Box