Cientistas criaram metal líquido que pode ser programado

Fluid dynamics liquid metal CGI 002
Agora é possível programar metal líqudo para assumir formas específicas e realizar tarefas especiais.

Você se lembra do T-1000, o ciborgue exterminador feito de metal líquido de O Exterminador do Futuro 2? Talvez a tecnologia da ficção não esteja tão longe da nossa realidade, pois em uma descoberta aterradora cientistas da Universidade de Sussex e da Universidade de Swansea descobriram uma maneira de aplicar cargas elétricas ao metal líquido e coaxial para criar formas 3D, como letras e até mesmo um coração.

Cientistas criaram metal líquido que pode ser programado

A “mágica” do metal líquido

Esta descoberta foi chamada de um “novo tipo de material” extremamente promissor que pode ser programado para alterar sua forma.

Yutaka Tokuda, um dos pesquisadores que trabalha neste projeto na Universidade de Sussex, diz: “Esta é uma nova classe de materiais programáveis em um estado líquido que pode transformar dinamicamente de uma forma de gotícula simples para muitas outras geometrias complexas de forma controlável .”

“Embora esse trabalho esteja nos estágios iniciais, a evidência convincente de um controle 2D detalhado de metais líquidos nos leva a explorar mais aplicações potenciais em computação gráfica, eletrônica inteligente, robótica e displays flexíveis”.

Cientistas criaram metal líquido que pode ser programado

Os cientistas usaram campos elétricos para moldar o líquido, essas áreas são criadas por um computador, o que significa que a posição e a forma do metal líquido podem ser manipuladas dinamicamente.

O professor Sriram Subramanian, chefe do Laboratório INTERACT da Universidade de Sussex conta que, “Os metais líquidos são uma classe extremamente promissora de materiais para aplicações deformáveis e transição de fase à temperatura ambiente.”

“É mais do que controle digital para criar objetos inteligentes, habilidosos e úteis que excedem a funcionalidade de qualquer exibição atual ou robô”.

A pesquisa foi apresentada no mês passado na conferência ACM Interactive Surfaces and Spaces 2017 em Brighton.

A liga de metal da Carnegie Mellon

Existem outros centros de pesquisa pelo mundo que exploram as propriedades do metal líquido, como os engenheiros de pesquisa da Universidade Carnegie Mellon.

Eles criaram uma nova liga de metal que existe em estado líquido à temperatura ambiente e pode capacitar transistores de metal líquido, circuitos flexíveis e talvez até auto-reparação de circuitos no futuro distante.

Cientistas criaram metal líquido que pode ser programado

Criada no Laboratório de Máquinas Suaves da Carnegie Mellon pelos pesquisadores Carmel Majidi, Michael Dickey e James Wissman, ela é o resultado de uma união entre os elementos índio e gálio.

Seria preciso duas gotas desse metal líquido para formar ou quebrar um circuito. Portanto, abrindo ou fechando uma entrada, semelhante a um transistor tradicional. O melhor de tudo é que ele requer apenas uma tensão de 1 a 10 volts para ser ativado.

O sangue eletrônico

Estes metais líquidos ou “sangue eletrônico” estão configurados para mudar a própria forma de sustento elétrico desde 2013 no REPCOOL ou a eletroquímica de fluxo Redox para entrega e resfriamento de energia. Dessa forma, os pesquisadores acreditam que o mesmo efeito pode ser aplicado no cérebro humano.

A equipe de pesquisa acredita que sua abordagem poderia reduzir o tamanho de um computador de uma performance de 1 petaflop/s das dimensões de uma sala de aula escolar para a de um PC médio, ou seja, em um volume de cerca de 10 litros, segundo o Dr. Bruno Michel da IBM Research.

As primeiras aplicações deste “Sangue Eletrônico” devem ocorrer em 2030.

Receba notícias como essa no seu email. Inscreva-se aqui:

1 Comentário

Clique aqui para postar um comentário

Assine nossa Newsletter