Conecte-se conosco
Como a Apple, Google e Microsoft estão construindo um futuro AR

Android

Como a Apple, Google e Microsoft estão construindo um futuro AR

ARKit, Tango e HoloLens são apostas das três empresas que já estão mirando forte num futuro em que o mundo virtual invadirá ainda mais o real

Como a Apple, Google e Microsoft estão construindo um futuro AR

Pokémon GO é o exemplo mais famoso de tecnologia AR

Ano passado, a tecnologia VR (Realidade Virtual, em português) estava repleta de esperanças, mas este ano já notamos um freio. A Sony, que vendeu mais de um milhão de unidades do PlayStation VR, apresentou menos de cinco jogos para a plataforma na E3 2017, sendo um deles de pesca. Ainda na E3 2017, pela primeira vez a empresa Oculus não esteve no evento.

O mercado não perde tempo e começa a investir em outra “realidade”, a AR (Realidade Aumentada, em português). Em 2017, está havendo um crescimento no interesse desse tipo de interação. Até a Apple anunciou apoio à Realidade Aumentada e pretende tomar a dianteira dessa tecnologia ainda tão pouco explorada. Porém, a Maçã não está sozinha, acompanhada do Google e da Microsoft. Já temos indícios prematuros de competição. É nesse cenário que perguntamos o que cada empresa está fazendo com o AR e como isso deve melhorar o mundo no futuro.

Google e Tango

Como a Apple, Google e Microsoft estão construindo um futuro AR

Tango é o projeto AR da Google

Como a Apple, Google e Microsoft estão construindo um futuro AR. Entre as três grandes empresas, a primeira a anunciar planos AR foi a Google. A iniciativa se chama Tango. A tecnologia funciona com um smartphone, a tela será uma janela para um mundo AR. Apesar do projeto ter sido apresentado em 2014, ele só chegou ao mercado em setembro de 2016 com o Lenovo Phab2 Pro.

Para usar o AR da Google é necessário um dispositivo Android, mas não qualquer um. O aparelho precisa ter três câmeras e sensores especiais, tudo para interpretar o ambiente. Atualmente, só o Lenovo Phab2 Pro suporta o Tango.

Como a Apple, Google e Microsoft estão construindo um futuro AR

Somente celulares com três câmeras e sensores especiais suportam o Tango. ZenFone Ar na imagem.

Esse é o maior problema do Google Tango, pois ele depende bastante de outras fabricantes, além de uma aceitação do público. O único próximo smartphone pronto para o Tango é o ASUS ZenFone AR, que deve ser lançado ainda esse ano. Os mais atuais aparelhos Android, S8 e G6, não suportam o Tango; e nem mesmo o suposto próximo Pixel XL da Google deve apoiar. Se o projeto demorou dois anos para receber um único smartphone com suporte, talvez seja preciso mais tempo para surgir pelo menos mais opções para o consumidor.

A Google destaca alguns aplicativos para o Tango, mas eles não são muito chamativos. “Domino World” apresenta um dominó com personalizações, isso é: ovnis, dinossauros, vacas em pastos. Ok… Há outros aplicativos mais úteis, como o da loja americana Lowe’s, ele permite que o consumidor visualize virtualmente alguns produtos no mundo real. É possível selecionar uma mesa, apontar para onde deseja colocá-la na casa e ver se ficará bom. Há também o jogo de terror PHANTOGEIST, em que o jogador enfrenta criaturas extraterrestres. Entretanto, a variedade de apps é pouca. São muitos programas com o mesmo objetivo; outros são diferentes mas pouco úteis, exemplo de um para mapear a cobertura Wi-Fi dentro de casa. A biblioteca da Play Store para o Tango está bastante fraca.

A Google fez parceria com alguns museus para suportarem Tango. Apontar para um fóssil com o celular pode revelar mais informação detalhadas em pontos específicos. A empresa também pretende ajudar escolas a tornarem o ensino mais intuitivo. Já pensou em viajar pelo sistema solar dentro da sala de aula? Seria realmente muito bom ter experiências assim.

É inegável, o Tango da Google precisa de mais um bom tempo até que se torne atraente de verdade. No momento é uma tecnologia que pede celulares caros para oferecem uma experiência AR de pouca utilidade.

Apple e ARKit

Como a Apple, Google e Microsoft estão construindo um futuro AR

ARKit foi uma das novidades da Apple para o iOS 11

A Apple demorou, mas anunciou sua proposta AR na WWDC 2017. O SDK ARKit é uma ferramenta para desenvolvedores produzirem apps de realidade aumentada. A grande sacada que abalará fortemente o Tango da Google é que qualquer iPhone e iPad com A9 ou A10 e iOS 11 poderá ter experiências AR. Mesmo com somente uma câmera e sem sensores especiais, os dispositivos da Apple também poderão ter noção de profundidade e interpretar o ambiente.

Como a Apple, Google e Microsoft estão construindo um futuro AR

Desenvolvedores já estão criando diversos aplicativos com o ARKit

A Apple é adorada por desenvolvedores e eles estão curtindo o ARKit. Existem vários vídeos no YouTube de projetos AR com iPhone e iPad. Assim como o Tango, o ARKit não tem muitos aplicativos realmente interessantes hoje. É algo natural. No começo da App Store um dos apps mais populares não era o Facebook, mas sim o iBeer. Vergonha do passado, eu sei.

Enquanto a Google está há anos trabalhando publicamente no Tango, a Apple se aproveitou justo da maior fraqueza da oponente lançando o ARKit. Isso é ótimo, pois a partir de agora devemos ver a corrida da Google para tentar compensar seus pontos fracos. As duas gigantes dos sistemas operacionais móveis já começam a competir, e no final quem deve ganhar mesmo somos nós com grandes experiências AR.

Microsoft e HoloLens

Como a Apple, Google e Microsoft estão construindo um futuro AR

HoloLens é um avançado óculos AR

A parte menos interessante do Tango da Google e ARKit da Apple é que eles se limitam ao dispositivo de mão. Imaginem uma partida de cartas em AR, são vários minutos segurando o celular como visor, o que não muito confortável. É assim que começaremos a falar do HoloLens, a aposta da Microsoft para um mundo AR.

Anunciado com grande surpresa em janeiro de 2015, o HoloLens é um óculos com design e funcionalidade dignas de ficção científica. O aparelho é equipado de diversas câmeras e sensores, possibilitando o controle através de gestos manuais no ar. O dispositivo tem alto-falantes posicionados acima das orelhas do usuário, para som espacial. O projeto é encabeçado pelo brasileiro criador do Kinect, Alex Kipman.

Como a Apple, Google e Microsoft estão construindo um futuro AR

Esse é o Iniciar do HoloLens

Um dos grandes destaques do HoloLens é sua independência, ele não precisa de conexão com computador ou celular para funcionar. Rodando Windows 10, o aparelho holográfico da Microsoft tem a capacidade de ser um dispositivo único.

Como a Apple, Google e Microsoft estão construindo um futuro AR

É possível mudar o ambiente com janelas flutuantes

O acesso à Windows Store é um dos pilares do HoloLens. Desenvolvedores podem facilmente publicar seus aplicativos para o Windows Mixed Reality (nome próprio do sistema). Hoje há uma gama de apps com suporte: Twitter, VLC, Xbox, Candy Crush e até a suíte Office. Esses programas não funcionam inteiramente em AR. Eles abrem como janela e ficam fixadas no ar ou paredes. Deixe o Edge aberto com uma receita na cozinha, o VLC com um filme pausado na sala, o escritório com janelas do Excel, OneNote e Skype. Esse é um dos modos do HoloLens mudar o mundo real com objetos virtuais.

Como a Apple, Google e Microsoft estão construindo um futuro AR

Minecraft no HoloLens dá uma nova percepção ao jogo

Outros programas são especialmente desenvolvidos para o HoloLens. Minecraft possui uma versão alternativa em que os blocos tomam o mundo real. É possível até explodir as paredes de casa! O Skype para HoloLens é totalmente remodelado, com a possibilidade de anotações em chamadas de vídeo. Desenvolvedores independentes fizeram Pokémon GO para HoloLens, Yu-Gi-Oh também, além de Mario Bros em que você é o próprio encanador italiano. Hoje há cerca de 300 aplicativos na Windows Store produzidos especialmente para o AR do HoloLens.

Entretanto, o HoloLens não é um aparelho AR para o mundo atual, é para o futuro. Não, não estamos puxando o saco da Microsoft. Até o momento, só foi lançada uma versão do aparelho, especial para desenvolvedores, e ela custa US$ 3.000; além disso a venda ocorre somente em uns poucos países selecionados. Outro problema é a área de visão do HoloLens, ela não é completa como imaginado, é um retângulo no centro. Virar um pouco a cabeça faz os hologramas sumirem antes do esperado, comprometendo a imersão.

O HoloLens não é um aparelho para consumidor, não hoje. No começo, a Microsoft estava com várias apostas para o dispositivo, mas atualmente sua atuação está focada em empresas. Companhias de design, manufatura, transporte, exposições e varejistas de grande nível são as mais propícias a usar o aparelho hológrafico, assim como ricos hospitais e universidades. Levando em consideração a forte presença da Microsoft no ramo empresarial, é capaz que o HoloLens fique bastante tempo nesse ramo até passar a ser atraente para os consumidores.

Como a Apple, Google e Microsoft estão construindo um futuro AR

Uso do HoloLens em negócios e comércio é o atual foco da Microsoft

Phil Spencer, chefe da divisão Xbox, diz acreditar que deve demorar de 5 a 10 anos para surgir um aparelho holográfico popular de preço acessível para consumidores. Portanto, o HoloLens é um dispositivo de grande tecnologia e potencial, mas ele corre em outra via, diferente da Google com o Tango e Apple com o ARKit.

Em agosto, os primeiros dispositivos de OEM com Windows Mixed Reality chegarão ao mercado, a partir de US$ 299. Acer e HP são as primeiras, seguidas por ASUS, Dell e Lenovo. Os dispositivos se assemelham mais à tecnologia VR, mas com uma ideia semelhante à do HoloLens. Os óculos criarão uma casa virtual interativa que pode ser customizada. Por sorte, já existe alguns aparelhos holográficos que estão em desenvolvimento e apresentação para concorrer com o HoloLens.

AR ainda é uma tecnologia crua

Os investimentos em AR estão aumentando, com o início de uma concorrência. O Tango está concorrendo com o ARKit, o HoloLens tem rivais advindos de empresas menores. O futuro do AR está chegando em passos cada vez mais largos. A Microsoft tem planos para os outros anos, a Google mostra-se paciente e a Apple está imediatista.

No momento a realidade aumentada tem poucas utilidades no cotidiano, além de um alto preço. O quanto usaremos essa tecnologia e quando, essas três empresas podem responder. Enquanto isso, a febre AR que moveu milhões de pessoas, Pokémon GO, completou um ano. Será que o futuro AR reserva outros acertos assim?

Um garoto sul-americano do Nordeste que finalizou o ensino médio e aguarda o início de seu semestre na UFAL em 2018. Até lá acha que pode pelo menos produzir algo útil à humanidade através do SMT, assim para de gastar horas de sua vida em Dota 2.

Comentários

Mais de Android

Dica

Advertisement

Mais Lidas

Reviews

Cultura Geek

Tutoriais

Recomendado para você



Subir