CRÍTICA: O Esquadrão Suicida ressuscita franquia de vilões, mas falta coesão e polidez

Versão de James Gunn é um quebra-cabeças sanguinário que traz elementos interessantes e, ao mesmo tempo, não os aproveita por completo