Conecte-se conosco

CULTURA GEEK

Crítica: Rua Cloverfield, 10

Rua-Cloverfield-10

Monstros se revelam de várias formas

Depois de sofrer um acidente de carro, uma mulher é trazida para um bunker, já habitado por dois homens, que afirmam que o mundo exterior sofrera um ataque químico.

Rua Cloverfield 10” é um sucessor espiritual do filme “Cloverfield – Monstro” de 2008. Mas não vou me aprofundar na conexão entre os filmes para não dar spoilers.

Poster_2008

O filme de 2008 lançou o diretor Matt Reeves que hoje comanda a franquia Planeta dos Macacos.

A premissa, no entanto, é absolutamente diferente. No filme de 2008, temos uma abordagem em primeira pessoa, no formato “found footage” (quando uma suposta gravação amadora é encontrada e seu conteúdo revelado), este é completamente diferente, com uma narrativa em terceira pessoa e com traços de thriller psicológico.

O projeto recebeu esse formato, depois que fora oferecido para a Bad Robot Productions, comandada por J.J. Abrams – realizador de sucessos como as séries “Lost“, “Alias“, “Fringe” e dos reboots de “Star Trek” e “Star Wars“.

Produtora de J.J. Abrams se tornou uma das mais requisitadas em Hollywood

Produtora de J.J. Abrams se tornou uma das mais requisitadas em Hollywood

O filme — até então chamado The Cellar” — passou por re-trabalhos sugeridos por Abrams, que contratou Damien Chazelle  antes de ter estourado com o fantástico “Whiplash – Em Busca da Perfeição para “polir” o roteiro e conectar ao universo Cloverfield – o produtor notara diversas similaridades no universo criado e acreditou na conexão.
Mas Chazelle conseguiu financiamento para seu filme de estréia, abandonou o barco e o roteiro caiu nas mãos de outro novato: Dan Trachtenberg – que aqui faz um trabalho excepcional.

O diretor – que até a pouco fazia somente curtas-metragens – é muito inteligente em criar tensão, claustrofobia e deixar todos na ponta da cadeira até o minuto final. E, ainda, faz uma homenagem à Hitchcock – os primeiros minutos do filme, embalados pela expressiva trilha de Bear McCreary, remetem a diversos filmes do diretor inglês.

O elenco está absolutamente fantástico. Mary Elizabeth Winstead, uma atriz relativamente desconhecida, que tem em sua filmografia filmes da franquia “Premonição“, surpreende com a heroína. O veterano John Goodman cria um personagem complexo e assustador, em uma das suas melhores performances e o ator John Gallagher Jr, mais conhecido por seu trabalho na televisão, completa o elenco como um personagem cheio de nuances.

O trio principal em um raro momento relaxado

O trio principal em um raro momento relaxado

Como é bom ser surpreendido nos dias de hoje, já que somos bombardeados por lançamentos inexpressivos, franquias arrastadas e sequências mal feitas, então é um verdadeiro alívio assistir algo original. Além disso, o filme é uma nova fronteira para o formato de franquia, possibilitando gerar conteúdo de forma inovadora – algo que as salas de cinema precisam urgentemente.

Felipe vive e respira a sétima arte, e chega ao Showmetech para avaliar em detalhes os grandes lançamentos do cinema mundial.

Comentários

Mais de CULTURA GEEK

Dica

Advertisement


Mais Lidas

Advertisement

Reviews

Cultura Geek

Tutoriais

Recomendado para você



Subir