Conecte-se conosco
Uber VTOLs Jetsons

Ciência e Tecnologia

Junto da Embraer, Uber quer criar táxis aéreos até 2020

Referência no segmento de transportes privados, Uber planeja implantar veículos elétricos de decolagem vertical nos próximos anos

Uber VTOL

Na imagem, o CEO da Bell Helicopter, Mitch Snyder, posa ao lado do conceito de VTOL das companhias

O Uber anunciou esta semana que realizará acordos com diversas companhias do setor aeroespacial, inclusive com a brasileira Embraer: batizada como ‘Uber Elevator Network’, a iniciativa por trás das negociações é desenvolver veículos elétricos de decolagem e aterrissagem vertical (VTOLs). Depois de prontas, as máquinas seriam utilizadas para o transporte urbano em curtas distâncias.

Embora o projeto envolva a Embraer como um todo, a pauta será encabeçada pelo Centro de Inovações de Negócios da empresa, que tem sede no estado norte-americano da Flórida. De acordo com as declarações dadas pelo mais novo CPO da Uber, Jeff Holden, a intenção da empresa é tornar o “toque aqui e pegue um voo” uma realidade no mais literal sentido da palavra.

“No exercício dessa parceria, vamos desenvolver novas tecnologias, novos produtos e novos modelos de negócios que podem gerar oportunidades de crescimento para a Embraer no futuro.” – Paulo Silva, CEO da Embraer

A brasileira Embraer é, hoje, a terceira maior fabricante de aeronaves comerciais, mas não é só ela quem está envolvida nas ambições da Uber: companhias como a norte-americana Aurora Flight Sciences, especializada em drones, e a Pipstrel, de origem eslovena e focada em aviões leves, também estão na jogada.

Pouco depois de listar as atuais parceiras, a Uber ainda anunciou que a Mooney, outra fabricante de aeronaves leves, e a Bell Helicopter, envolvida na produção de veículos militares, devem ser integradas à iniciativa em breve.

Testes nos próximos 2 anos

Mark Moore Uber VTOLs

Mark Moore, ex-NASA, será o chefe da empreitada pelos próximos anos

Apesar de não ter dado muitos detalhes sobre o funcionamento dos VTOLs (sigla em inglês para Decolagem e Aterrissagem Vertical), as companhias esperam que as primeiras unidades de teste sejam implantadas até 2020, na cidade de Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, e no condado de Dallas-Forth Worth, no Estado norte-americano do Texas. A tecnologia deve ficar pronta em 2023.

Também segundo os envolvidos, a adoção deste tipo de veículo reduziria uma viagem 77 quilômetros, que de carro dura pouco mais de uma hora, conforme diz o Google Maps, a instantâneos 15 minutos – tudo sobre um lucro que hoje seria pouco menor que o do UberX, ou seja, US$ 1,32 a cada 1,6 quilômetros. Para Jeff Holden, o ganho a longo prazo seria ainda maior.

 

Continue lendo
Advertisement

19 anos, brasiliense, acadêmico de Direito e apaixonado por tecnologia, informação e entretenimento.

Comentários
Subir