Facebook, LinkedIn e Twitter lançam recursos para proteger afegãos contra o Talibã

Proteger afegãos contra o talibã
Redes sociais estão lançando iniciativas para proteger afegãos contra o Talibã, que assumiu o poder no país em 15 de agosto

Com a crise no Afeganistão após a retomada do poder pelo Talibã, redes sociais estão vendo métodos para proteger afegãos contra o Talibã. Facebook, LinkedIn e Twitter já começaram a lançar iniciativas para proteger usuários.

A necessidade de proteger afegãos contra o Talibã

Proteger afegãos contra o talibã
Tropas dos EUA estão batendo em retirada após 20 anos de guerra no Afeganistão.

As redes sociais podem mostrar conexão de usuários com os EUA ou com o governo anterior do Afeganistão, fazendo com que essas pessoas se tornem alvos do Talibã e de sua intolerância a opositores. As mulheres correm ainda mais riscos, já que além dos problemas com opositores, elas até 2001 eram proibidas de frequentarem escolas, além de serem tratadas de forma violenta e misógina, sob a justificativa de “tornar as mulheres puras e dignas”.

Para tentar manter a segurança dos habitantes do Afeganistão, as redes sociais vêm criando métodos de proteção. O Facebook, por exemplo, lançou uma nova ferramenta de segurança na região, que temporariamente remove a possibilidade de pesquisar ou visualizar lista de amigos no país. A plataforma também liberou uma opção que torna a conta mais privada somente com um clique, onde usuários que não forem amigos da conta fechada não podem baixar a imagem de perfil da pessoa e nem ver seus posts.

Outras redes sociais também estão implementando medidas de segurança. O LinkedIn está escondendo temporariamente todas as conexões de usuários no Afeganistão. O Twitter está acelerando os pedidos para deletar tweets arquivados, com ajuda do Internet Archive, e o Clubhouse está deletando dados das bio de usuários do país, além de estar aceitando que eles usem pseudônimos caso o nome real os coloque em risco.

A startup afegã Ehtesab, responsável por um aplicativo que emite alertas e crises, indicando bloqueio de estradas, tiroteios e demais riscos na região de Cabul, também está tomando providências para proteger suas funcionárias. Fotos, vídeos e postagens com informações que poderiam ajudar a identificar alguma mulher que trabalha na empresa foram deletadas.

Esperamos que a crise passe da forma mais rápida possível.

Fonte: The Verge, Business Insider

Para mais informações sobre o Afeganistão e como a Internet está lidando com a crise, fique de olho no Showmetech.

Receba notícias como essa no seu email. Inscreva-se aqui:

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar um comentário