Golpe do WhatsApp que simula liberação do 14º salário já afetou mais de 320 mil brasileiros

whats 1 - Golpe do WhatsApp que simula liberação do 14º salário já afetou mais de 320 mil brasileiros
A trapaça ainda exige o compartilhamento com 10 amigos para que o suposto saque possa ser realizado

whats 720x402 - Golpe do WhatsApp que simula liberação do 14º salário já afetou mais de 320 mil brasileiros

Infelizmente um novo golpe está sendo repassado via WhatsApp no Brasil. Semana passada noticiamos sobre a trapaça que prometia um cupom de desconto de R$ 150 nas lojas O Boticário, dessa vez a proposta é ainda mais surpreendente: uma suposta liberação do 14º salário pelo governo.

De acordo com a PSAfe, empresa de segurança que reportou o problema, a ameaça já infectou mais de 320 mil brasileiros.

Como funciona esse novo golpe?

golpe - Golpe do WhatsApp que simula liberação do 14º salário já afetou mais de 320 mil brasileiros

Disseminada via WhatsApp, a armadilha promete ao usuário que já tenha trabalhado conforme a Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT) a possibilidade de conferir se ele tem o direito a receber, por meio da Caixa Econômica Federal, o valor de um salário mínimo (R$ 937,00). Para fazer a consulta, bastaria acessar um link e responder três perguntas (“Você já possui o cartão cidadão? ”, “Trabalhou algum mês registrado em 2016/2017?” e “Atualmente está registrado?”).

Independentemente das respostas fornecidas, o internauta é encaminhado para uma nova página que sinaliza um benefício disponível a ser resgatado. Porém, para realizar o suposto saque, é necessário que ele compartilhe o link com dez amigos ou dez grupos de conversa via WhatsApp. Desta forma, o cibercriminoso consegue disseminar com maior velocidade o seu golpe, atingindo um maior número de vítimas.

Emilio Simoni, Gerente de Segurança da PSafe diz que o diferencial desse golpe é que em meio ao passo a passo, ele solicita permissão do usuário para enviar notificações por push. Isso acontece para que o hacker consiga envolvê-lo em outros golpes no futuro, sem precisar enviar links.

“Nos testes realizados pelo nosso time de pesquisadores, algumas horas após o acesso ao golpe, o cibercriminoso enviou uma outra armadilha, via notificação direta para o celular das vítimas”

Como se prevenir?

Para não cair em armadilhas no mundo digital, a PSafe reforça a importância de desconfiar de qualquer tipo promessa exagerada que chega por mensagens, checando sempre se é algo real, ao entrar em contato diretamente com a empresa ou órgão do governo citado no endereço web.

Além disso, é imprescindível que o smartphone tenha instalado um software de segurança com a função ‘antiphishing’.

Comentários do Facebook

Receba Notícias por E-mail:

Share via