Conecte-se conosco
Hotel-RoboDino

Ciência e Tecnologia

Henn-na Hotel: o hotel operado por robôs

O Henn-na Hotel é um hotel no Japão praticamente todo operado por robôs. Eles estão na recepção, fazem o serviço de quarto, entre várias outras atividades.

hotel robodino 720x480 - Henn-na Hotel: o hotel operado por robôs


O Henn-na Hotel no Japão é bem diferente dos hotéis que estamos acostumados. Ele fica na cidade de Sasebo e é praticamente todo operado por robôs. Desde o check-in até o pedido de serviço de quarto são feitos pelas máquinas.

Situado num parque de diversões, Henn-na Hotel pode ser traduzido para “hotel estranho” e foi aberto no dia 17 de julho. O objetivo inicial era cortar custos operacionais, mas acabou se tornando uma grande estratégia de marketing.

Na recepção há um velociraptor que fala inglês e uma humanóide que fala japonês. Robôs carregam as malas e outros executam outras tarefas. Eles servem café, são responsáveis pelo o serviço de quarto que pode ser pedido via tablets e entretem os hóspedes. Além disso, as portas se destrancam por meio de reconhecimento facial.

hotel robo 720x480 - Henn-na Hotel: o hotel operado por robôs

Dentro dos quartos, um robô do tamanho de um abajur responde perguntas simples como “Que horas são?” e “Como estará o tempo amanhã?”. Você pode pedir também para desligar ou ligar as luzes, já que não há interruptores nas paredes. Na parte de fora, drones entregam aperitivos para os hóspedes.

hotel robotuly 720x480 - Henn-na Hotel: o hotel operado por robôs


De acordo com Hideo Sawada, responsável pela gerência do local, o uso dos robôs não é um truque, mas um esforço real de utilizar a tecnologia para obter mais eficiência.

Funcionários humanos estarão a disposição para assegurar que os serviços funcionem corretamente. Os quartos custam de 7,000 ienes (R$ 180) a 9,000 ienes (R$ 230) por noite.

O que você achou do hotel?

Continue lendo
Advertisement

19, estudante de Comunicação e Multimeios na PUC-SP. Curioso e apaixonado por tecnologia, escreve sobre o tema há cinco anos.

Comentários
Subir