Cidade conectada

Lucro do Facebook cresce 101%, mas CFO alerta queda até o fim do ano

Avatar of bruno martinez
Grande parte do lucro vem da publicidade dentro da plataforma, mas é justamente esse tópico que entra em conflito com a nova política de privacidade da Apple

Com resultados satisfatórios, lucro do Facebook cresce 101% e ultrapassa as expectativas dos investidores. Assim como outras representantes, a empresa de Mark Zuckerberg divulgou sua receita dos últimos três meses e trouxe números positivos mesmo em meio a diversas polêmicas em seu nome.

Resultados financeiros do Facebook destacam a publicidade

Com a previsão de R$ 27,9 bilhões dos especialistas, a receita total gerada pelo Facebook neste último trimestre foi de R$ 29,1 bilhões. Mas o destaque está no lucro. R$ 10,4 bilhões foram ganhos, consequência dos 12% de aumento no número de usuários no Facebook, WhatsApp e Instagram.

A receita provinda da publicidade no Facebook, que acontece dentro das marcas da empresa, teve crescimento de 47%, além de 6% ano a ano. Os outros resultados estão relacionados a produtos e serviços prestados pelo Facebook, como, por exemplo, as vendas do Oculus Quest VR, que vendeu 36% a mais no fechamento do primeiro semestre de 2021.

Grande parte do lucro vem da publicidade dentro da plataforma, mas é justamente esse tópico que entra em conflito com a política de privacidade da apple
Grande parte do lucro do Facebook no último trimestre vem da publicidade inserida em suas plataformas. (Imagem: Reuters/Reprodução)

Os dados positivos representam um impulso na política da empresa e complementam o bom momento em que ela está. Recentemente, a grande companhia entrou na lista exclusiva de marcas trilionárias mesmo sob os holofotes da polêmica envolvendo o processo judicial da lei antitruste norte-americana, que se refere à quebra de normas tarifárias e eliminação da concorrência em função a um monopólio.

Mesmo estando em ascensão, a equipe do Facebook comentou em sua conferência que a companhia deve sofrer desaceleração no próximo semestre por conta dos bloqueios causados pela pandemia e uma mudança regulatória envolvendo a Apple. O CFO do Facebook, David Wehner, acrescenta que o impacto deve acontecer na taxa de crescimento da receita total ano a ano.

Facebook e a política de privacidade da Apple

Grande parte do lucro vem da publicidade dentro da plataforma, mas é justamente esse tópico que entra em conflito com a política de privacidade da apple
Nova política de privacidade da Apple deve prejudicar lucro em cima de anúncios no Facebook no próximo semestre. (Imagem: Anthony Quintano/Reprodução)

Um dos tópicos que entrou em conflito com o Facebook — e que, segundo a equipe, deve causar a queda no crescimento da receita em breve — é a questão sobre a política de privacidade da Apple, atualizada no iOS 14.5. Nessa versão, a empresa de Tim Cook implementou a transparência no rastreamento de aplicativos, o que obriga desenvolvedores a solicitarem permissão antes de acessar os dados.

Tal caso atrapalhou os planos do Facebook, uma vez que ele utiliza a publicidade e anúncios dentro de sua plataforma como um dos principais meios de lucro. Mark Zuckerberg chegou a se pronunciar a respeito em março, apaziguando a atitude da Apple, mas o caso incomodou outros membros da corporação. A Apple chegou a ser taxada de “inimiga das pequenas empresas” em forma de rejeição à nova política.

De qualquer forma, a questão foi citada na conferência por David Wehner, que deixou claro o impacto que a atualização causará nas ações do Facebook, mesmo que esteja otimista.

Continuamos esperando um aumento na segmentação de anúncios em 2021 com as mudanças regulatórias e de plataforma, uma vez notadas as atualizações recentes do iOS, que esperamos ter um impacto maior no terceiro trimestre em comparação com o segundo trimestre.

David Wehner, CFO do Facebook, sobre o impacto do caso de política de privacidade da Apple nos lucros do próximo semestre.

Outro ponto de referência dentro do Facebook é o fato de Zuckerberg querer transformar a empresa em uma espécie de “metaverso“, isto é, expandir o Facebook para além do que é hoje em um projeto de realidade aumentada, cujas interações sociais a partir de tecnologia de ponta fossem possíveis. Esse tópico vem sendo reiterado pelo CEO a investidores. Zuckerberg quer implementar a nova transformação de cinco a dez anos.

O celular é a plataforma de hoje e agora também estamos nos preparando para as plataformas de amanhã”, disse o CEO em um de seus discursos a respeito.

Veja também

Acesse também outras notícias similares no Showmetech, como a recente revelação dos lucros da Microsoft no último trimestre, que surpreenderam os especialistas.

Fontes: Business Insider | The Verge | MacRumors | TechCrunch

Inscreva-se para receber nossas notícias:

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados