Logo da marvel studios

Marvel se opõe à lei anti-LGBT da Flórida

Avatar of victor pacheco
A Marvel se pronunciou abertamente contra a lei anti-LGBT que está em estágio de aprovação final na Flórida. Entenda toda a situação

Uma polêmica que está girando em torno do nome da Disney nos EUA é que a casa do Mickey estaria financiando campanhas de políticos que apoiam a lei anti-LGBT no estado da Flórida. A polêmica foi duramente criticada, e após muita pressão e denúncias de funcionários da Pixar, o CEO da companhia anunciou que estará atuando para que as produções tenham uma maior representatividade.

Durante a noite de ontem, o perfil oficial da Marvel Studios no Instagram se pronunciou diretamente e sem rodeios contra a lei que está prevista para entrar em vigor em julho, caso seja sancionada. Entenda a polêmica e como cada um dos estúdios está envolvido nisso.

O que é a lei-anti LGBT

Chamada popularmente de Don’t Say Gay (SB 1834 Parental Rights in Education, que pode ser traduzido para “Direitos Parentais em Educação”), a lei foi aprovada pela Câmara dos Representantes da Flórida e também no Senado do estado da Flórida. O passo final é a sanção pelo governador republicano Ron DeSantis, que já se pronunciou a favor da nova regra.

Em uma breve explicação, a nova lei da Flórida proíbe qualquer menção à orientação sexual e identidade de gênero em escolas da série primária (sem especificar qual seria a idade ou etapa de desenvolvimento dos corpos dos alunos).

Cartaz de pessoa contra a lei anti-lgbt
Assim que foi aprovada, lei foi duramente criticada nos EUA (Foto: Reprodução/Internet)

Os políticos que apoiam o projeto de lei possuem o argumento de que estes assuntos devem ser discutidos apenas pelos pais e os professores não podem perguntar a uma criança quais são seus pronomes ou identidade de gênero sem a presença dos responsáveis.

Os professores de distritos da Flórida que identificarem qualquer mudança relacionada à saúde, bem estar mental, emocional ou físico de uma criança devem entrar em contato com os pais em vez de agirem no âmbito escolar.

A polêmica envolvendo a Disney

A casa do Mickey foi duramente criticada após a notícia da doação de US$ 5 milhões (cerca de R$ 25 milhões) para campanhas de políticos que apoiam a lei anti-LGBT. Mesmo que de forma indireta, a Disney estaria incentivando o trabalho que pode causar problemas para toda uma comunidade.

Entrada de parque da disney
Disney se envolveu em polêmica ao financiar campanhas de políticos que aprovaram lei anti-LGBT (Foto: Reprodução/Internet)

A história ficou mais séria durante uma reunião com investidores, quando Bob Chapek, CEO da Disney, se pronunciou dizendo que a opinião da empresa não é de tanta importância e “declarações corporativas fazem muito pouco para mudar os resultados ou as mentes. Em vez disso, eles são frequentemente armados por um lado ou outro para dividir e inflamar ainda mais”.

Um documento interno também chegou ao conhecimento do público e confirma que a regra de não se pronunciar publicamente sobre a lei Don’t Say Gay existia nos corredores da companhia. O problema é: como estava apoiando a lei de forma indireta, a casa do Mickey também estava se opondo a todos os seus funcionários que fazem parte da comunidade LGBTQIA+.

Mickey e minnie na frente de bandeira lgbtqia+
CEO precisou se pronunciar após polêmicas expostas por funcionários da Pixar (Foto: Reprodução/Internet)

Pessoas que trabalham na Pixar, que faz parte do conglomerado da Disney, também vieram a público para dizer que seus projetos e ideias com representatividade LGBTQIA+ eram barrados ou descontinuados. Depois de toda a polêmica, Bob Chapek precisou se pronunciar novamente:

Obrigado a todos que me procuraram compartilhando sua dor, frustração e tristeza pela resposta da empresa ao projeto de lei ‘Don’t Say Gay’ da Flórida. Falar com você, ler suas mensagens e me encontrar com você me ajudou a entender melhor o quão doloroso foi nosso silêncio. É claro que esta não é apenas uma questão sobre um projeto de lei na Flórida, mas mais um desafio aos direitos humanos básicos. Você precisava de mim para ser um aliado mais forte na luta por direitos iguais e eu te decepcionei. Sinto muito.

Bob Chapek, CEO da Disney

O posicionamento da Marvel

Apesar de fazer parte do conglomerado, a opinião da Marvel Studios sobre a lei anti-LGBT foi mais direta. Via Instagram, a empresa que é comandada por Kevin Feige postou um posicionamento que foi bastante elogiado por toda a comunidade. Confira a publicação e tradução logo abaixo:

Nós fortemente denunciamos TODA e qualquer legislação que infrinja o básico dos direitos humanos da comunidade LGBTQIA+. A Marvel Studios se posiciona pela esperança, inclusão e força, e nós orgulhosamente estamos com a comunidade. Hoje, nos comprometemos a continuar nosso forte compromisso como aliados que promovem os valores da igualdade, aceitação e respeito.”

Você acha que mais empresas devem se pronunciar contra a lei para que a aprovação não aconteça? Diga pra gente nos comentários!

Veja também

Conheça os personagens LGBTQIA+ mais famosos dos jogos

Fontes: Variety l The Guardian l The Wrap l Marvel Studios

Inscreva-se para receber nossas notícias:

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Posts Relacionados