Microsoft Edge usará o mesmo motor do Google Chrome, chegará ao macOS

Microsoft Edge usará o mesmo motor do Google Chrome, chegará ao macOS 3

No dia 7 de dezembro a Microsoft anunciou que pretende abandonar o desenvolvimento do mecanismo de renderização EdgeHTML – usado no Microsoft Edge – e aderir ao Projeto Chromium, iniciativa de código aberto criada pelo Google para desenvolver o motor de renderização do navegador Google Chrome.

Isso significa que, em breve, Chrome e Edge usarão a mesma estrutura para renderizar páginas web, mas continuarão a se direfenciar pelo design e recursos disponíveis. No Edge, por exemplo, o Bing continuará sendo a ferramenta de busca padrão.

Microsoft Edge no Surface Pro
Imagem: Microsoft

A notícia é uma admissão de derrota por parte da empresa liderada por Satya Nadella, que lançou o Microsoft Edge há três anos como substituto ao infâme Internet Explorer e com o objetivo declarado de estancar o crescimento Chrome no mercado de navegadores. Apesar desses esforços, menos de 5% dos usuários de computadores desktop navegam na internet usando o Edge, enquanto mais de 60% usam Chrome, segundo números da NetApplications.

Mesmo assim, a mudança foi bem recebida. A maioria das páginas na internet hoje é desenvolvida com o navegador do Google em mente, o que está longe de ser uma situação ideal em termos de competição e adoção de padrões Web, mas é a realidade do mercado e agora o navegador do Windows sairá de fábrica com essa compatibilidade. Bom para os usuários e para desenvolvedores – ao menos no curto prazo.

Além disso, a Microsoft poderá contribuir com a evolução do Chromium no Windows em áreas que possui mais expertise como a compatibilidade com processadores ARM64, recursos de acessibilidade e gerenciamento de bateria.

A Microsoft tem falado pouco sobre o suporte às extensões do Chrome – um grande diferencial do navegador do Google – mas deixou escapar em uma discussão no Reddit que isso está nos planos.

O Microsoft Edge com Chromium também estará disponível para macOS e para os Windows 7 e 8 (o atual só é compatível com Windows 10). Segundo o The Verge, a Microsoft não espera que o Edge seja amplamente adotado entre usuários da Apple, mas sabe que muitos desenvolvedores usam Macs e poderão testar a compatibilidade com o Edge mais facilmente, sem precisar de máquinas virtuais Windows.

Microsoft Edge adere ao Chromium Project

A reação menos entusiasmada ficou por conta da Mozilla, desenvolvedora do navegador Firefox, também de código aberto. O CEO da empresa escreveu (em tradução livre) que “a decisão da Microsoft oferece ao Google mais capacidade de decidir, sozinho, quais possibilidades estão disponíveis para cada um de nós” e que a Mozilla “compete com o Google porque a saúde da internet e da vida online dependem da competição e liberdade de escolha”. O Firefox é o único navegador que goza de alguma popularidade que não está ligado a uma gigante de tecnologia (Microsoft, Google e Apple).

O Google, por sua vez, estendeu a mão à concorrente: “O Chrome tem sido um defensor da web aberta desde o início e nós damos as boas vindas à Microsoft à comunidade de colaboradores do Chromium. Estamos ansiosos para trabalhar com a Microsoft e a comunidade de padrões da Web para promover a Web aberta, oferecer escolha ao usuário e proporcionar excelentes experiências de navegação”.

Os primeiros testes públicos do Microsoft Edge com o motor do Chromium devem ser liberados no início de 2019, mas a princípio não haverá mudanças visuais, apenas por debaixo dos panos. Os aplicativos da Windows Store, que são obrigados a usar o motor EdgeHTML, também poderão migrar para o novo mecanismo.

Fonte: Microsoft

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar um comentário

Deixe uma resposta

Receba notícias por e-mail