Conecte-se conosco
MileHi

Android

MileHi: o Tinder dos céus?

Viagens de avião de longas distâncias podem ser tediosas. Um aplicativo chamado MileHi quer acabar com isso, conectando os passageiros de um mesmo voo.

milehi 720x480 - MileHi: o Tinder dos céus?


Viagens de avião de longas distâncias podem ser tediosas. Mas um aplicativo chamado MileHi quer acabar com essa monotonia, conectando os passageiros de um mesmo voo. Inserindo o número, horário do voo e os aeroportos de partida e chegada, o app passa a mostrar quem são os outros passageiros conectados.

A partir daí, é possível trocar mensagens em um chat aberto ou privado. De acordo com os criadores, o aplicativo tem potencial para atender diversos interesses, como encontrar um possível parceiro de negócios, uma companhia para um evento em comum no destino ou até mesmo uma paquera.

O MileHi faz algumas pesquisas com os usuários para saber se eles estão viajando a negócios ou a lazer e inclui também páginas de perfis, que exibem o nome, ocupação e estado civil dos passageiros.
milhehi app 720x480 - MileHi: o Tinder dos céus?

A ideia por trás do app pode ser boa, mas ele esbarra em grandes obstáculos para decolar. Uma vez que você estiver voando, ele só funcionará com uma conexão Wi-Fi e, mesmo nos Estados Unidos (onde o número de aviões com conexão à internet é maior), as pessoas não costumam usá-lo.

De acordo com o Yahoo Travel, apenas 6% dos passageiros utilizam do Wi-Fi quando ele está disponível durante o voo. Aqui no Brasil, por exemplo, a Gol é a primeira companhia aérea a oferecer essa opção. E, se não bastasse isso, é necessário que outros passageiros tenham o aplicativo instalado. As probabilidades de encontrar alguém não são lá tão grandes; de qualquer forma, ainda é o início da jornada do MileHi.

O aplicativo é gratuito e pode ser baixado para iOS ou Android.

Conte pra gente o que você achou dele!

Continue lendo
Advertisement

19, estudante de Comunicação e Multimeios na PUC-SP. Curioso e apaixonado por tecnologia, escreve sobre o tema há cinco anos.

Comentários
Subir