Minecraft: Conheça a história do jogo para PC mais vendido de todos os tempos

10 anos depois de sua idealização, Minecraft fecha 2019 sendo um dos jogos para PC mais populares da década

Minecraft completou dez anos de existência e, depois de uma década, detém o título de jogo para PC mais rentável de todos os tempos. De interface simples e uma verdadeira febre entre adolescentes e pré adolescentes, é difícil acreditar que um jogo de blocos seja capaz de tamanha comoção.

Para se ter uma ideia, canais no YouTube voltados para o conteúdo do game tornaram-se a opção favorita entre as crianças e não se espante caso uma delas trocarem televisão por gameplays de Minecraft.

Mas não pense que a sua popularidade seja qualquer impedimento, independente da faixa estária. Apesar da simplicidade qualquer pessoa pode jogar Minecraft, existem vários modos e a liberdade para deixar o jogo mais complexo, o que explica tamanha comoção. Criado na Suécia, em 2009, o game já estendeu seus domínios a 105 países e é jogado atualmente por mais de 100 milhões de pessoas.

Minecraft é um jogo eletrônico, que tem por objetivo básico construir e quebrar blocos. O jogo foi criado pelo sueco Markus Persson, lançado em 2011, inicialmente para PC e posteriormente para outras plataformas como Playstation 3, Playstation 4, Xbox 360 e Xbox One.

Os jogadores construíam apenas estruturas simples para se protegerem contra monstros noturnos, mas com o passar do tempo o jogo cresceu e os jogadores começaram a trabalhar em conjunto para criar coisas maravilhosas e surreais.

Markus Persson, o criador do Minecraft

Markus Persson, criador de Minecraft não se vê como um homem de negócios
Markus Persson, criador de Minecraft não se vê como um homem de negócios

Toda a magia de Minecraft tem um grande mente por trás: Markus Persson, mais conhecido como Notch, um homem sueco que desde a infância encontrou na programação de jogos sua verdadeira paixão.

A Mojang, assim que percebeu o potencial do Minecraft, abraçou a causa. Em um único dia, em 2011, logo depois da versão Beta ter sido lançada, a companhia vendeu cerca de um milhão de cópias do Minecraft. O jogo, por sua vez, não tinha nada de muito extraordinário, mas era extremamente divertido e interativo.

Em 2014, Carl Manneh, diretor da Mojang, e Notch, além do programador Jakob Porser, anunciaram que deixariam a empresa e a venderiam à Microsoft por US$ 2,5 bilhões. O segredo talvez seja que Notch não se veja como um grande homem de negócios.

Hoje, depois de algumas atualizações, o game ainda continua no mesmo formato: cheio de blocos, só esperando por um jogador criativo que transformará uma pilha de figuras geométricas em um novo mundo. E não pense que os jogadores não são capazes de fazê-lo.

Herobrine, a lenda sombria de Minecraft

Como toda febre mundial, Minecraft também possui sua cota de lendas urbanas, necessário para manter o interesse vivo e a adrenalina presente. Neste caso, ele atende como Herobrine, uma espécie de mob, um fantasma que foi adicionado ao jogo como uma homenagem ao falecido irmão de Notch, criador do game.

Claro que existem muitos relatos, e cada vez mais aparecem testemunhas. De acordo com os relatos de quem já se deparou com o tal monstro, ele possui a mesma aparência do Steve (personagem original usado pelo irmão de Notch), contudo, com uma diferença: Herobrine tem olhos totalmente brancos, grandes e brilhantes, que podem ser vistos facilmente à noite.

A lenda existe desde o lançamento do Minecraft Alpha e muitas histórias giram em torno dela. Alguns dizem que, para o Herobrine aparecer, é necessário ter pelo menos 200 horas de jogo em um mesmo mapa no modo Sobrevivência no nível Difícil sem morrer.

Depois deste período, coisas estranhas começam a acontecer. Relatos afirmam que as tochas de suas casas e cavernas são trocadas por tochas de redstone, os vidros e os blocos são quebrados e, o mais aterrorizante, o fantasma passa a fazer breves aparições pelo mapa.

Alguns dizem que o irmão de Notch havia morrido afogado e teria sido adicionado ao jogo como uma homenagem. Embora a Mojang negue a existência do Herobrine, sempre que há alguma atualização grande, eles colocam na lista de modificações que o Herobrine foi removido, apenas para manter a expectativa dos jogadores viva.

Ray Tracing e a magia do Minecraft

Uma das grandes novidades do Minecraft para esse ano com certeza fica com a implementação da técnica de Ray Tracing em sistemas com placas de vídeo NVidia GeForce RTX. O que ele significa na prática é que, com o uso do Ray Tracing, um algoritmo faz com que seja possível simular a incidência de luz em objetos como no mundo real, resultando em algumas melhorias gráficas como iluminação direta do sol, sombras mais realistas e reflexos e efeitos de refração em materiais transparentes, como vidro e água.

A implementação do Ray Tracing é central ao que pensamos para o futuro de Minecraft. Na versão atual, um bloco de ouro parece amarelo, mas com essa melhoria ativada, você consegue ver brilho, reflexos, e até inimigos refletidos. O game está dando largos passos para conquistas novas, sem abandonar aquilo que o fez famoso em primeiro lugar.

Como o gráfico é simplório, inteiramente pixelado, é possível construir, recriar e navegar por esse ambiente durante anos sem o risco de ocorrência de bugs, os chamados erros técnicos que costumam surgir em jogos eletrônicos. Mais do que isso: sem deparar com fronteiras. O Ray Tracing só reforça ainda mais essas possibilidades e com a atualização dá passos largos para criar universos ainda mais interativos.

Há, é verdade, quem tente percorrer todo o planeta Minecraft, como o americano Kurt Mac, que já compartilhou sua experiência em vídeos no YouTube. Desde 2011 ele se empenha em chegar à borda do universo virtual do game, tendo completado quase 2.100 quilômetros digitalizados pelo jogo. No entanto, matematicamente a fronteira final está longe demais para fazer alguma diferença para os jogadores.

Na prática, Mac teria de continuar caminhando por mais 12.000 quilômetros, ao longo de 22 anos (de sua vida fora do jogo) para atingir o máximo que o algoritmo conseguiria produzir. O limite para Minecraft parece distante, assim como sua popularidade.

Minecraft já conquistou prêmios importantes da indústria como o VGX: Melhor Jogo Independente e o Spike Video Game Awards, ambos em 2011. No mesmo ano, Markus Persson também foi premiado em duas categorias no Game Developers Choice Awards: Best Debut Game e Best Downloadable Game.

Já em 2012, ele garantiu outro troféu, desta vez o BAFTA Video Games Award: Prêmio Especial. Inclusive, o Minecraft conquistou outro troféus em outros anos na mesma premiação, sendo vencedor do BAFTA Kids Vote – Game em 2014 e o BAFTA Video Games Awards: Jogo para a Família em 2015. No mesmo ano, levou para casa o troféu Nickelodeon Kids’ Choice Award: Videogame Favorito, depois de outras três indicações em anos anteriores na premiação.

Vale lembrar que Minecraft está disponível para sua plataforma favorita, seja ela no PC, no console ou até mesmo em seu celular. Para desktop, o game está disponível para os sistemas: Windows, Mac, Linux e Windows 10. Já para consoles, o Minecraft roda tranquilamente para: Xbox One, Xbox 360, PlayStation 4, PlayStation 3, PlayStation Vita, Wii U, Switch e New 3DS. Por fim, os chamados devices também não ficam de fora: iOS, Android, Kindle Fire, Gear VR e Fire TV.

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar um comentário

Deixe um comentário: