Moto G: os segredos do sucesso

Moto G: os segredos do sucesso 3
Comentamos as principais características que contribuíram para o sucesso absoluto de vendas, crítica e público do smartphone mid end da Motorola.

Imagem1

Desde seu anúncio, em novembro do ano passado, o smartphone intermediário da Motorola com jeitão de topo de linha está sob os holofotes de toda a mídia especializada em smartphones. O aparelho é sucesso absoluto de crítica, vendas e público. Se me permitem a analogia, o Moto G está para o mercado de 2014 como o Nokia 1100 estava para o mercado em meados de 2004.

O Moto G custa menos de R$ 800 e pode ser encontrado nas principais lojas de varejo e nos sites de comércio eletrônico como SubmarinoFast Shop e Walmart.

Então… o que torna o produto tão especial? Comentamos as principais características que contribuíram para o sucesso do aparelho.


Design

Seguindo a linha de design do seu irmão mais velho, Moto X, o Moto G traz traços simples, porém elegantes. Mesmo com a capa traseira em plástico, o aparelho é bem desenhado e não transparece ser barato. A pegada também é boa: o aparelho tende a se encaixar em todos os tamanhos de mãos devido ao design levemente curvo.

A unificação do estilo dos aparelhos da marca é uma jogada bem inteligente. Os clientes logo associam aquele visual característico do aparelho como referência aos demais produtos Motorola.


Personalização e acessórios

Ah, a personalização… Se tem algo que as pessoas adoram em um aparelho são as possibilidades de torná-lo algo único, que reflita sua própria personalidade. O Moto G é excelente nesse quesito: são muitos os acessórios disponíveis oficialmente (e não oficialmente) no mercado.

Dos acessórios oficiais, temos as Moto Shells. Elas nada mais são do que a tampa traseira do aparelho. Existem três variantes de Shells: a Shell comum, que é apenas a tampa; as Grip Shells, que funcionam como bumpers, acrescentando uma borda emborrachada aos lados do aparelho; e as Flip Shells, que oferecem proteção extra para a tela. Os modelos Grip e Flip estão disponíveis para compra no site da Motorola, custando respectivamente R$79,00 e R$110,00 – valor bem salgado, se consideramos o apelo popular do dispositivo. O kit padrão do Moto G acompanha a Shell na cor preta e o Kit Colors acompanha Shells nas cores preta, branca, amarela e vermelha.

Dos acessórios não oficiais, temos capas dos mais variados tipos, com estampas de personagens e times de futebol; bumpers e os interessantíssimos adesivos de vinil que simulam texturas como fibra de carbono, madeira e kevlar. Esses, com preço geralmente bem mais acessível. A oferta abundante de acessórios para o dispositivo é, sem dúvidas, um fator que atrai uma boa parcela de potenciais consumidores.


Tela

A tela é um dos grandes trunfos do Moto G. Pra quem saiu de um aparelho com tela pequena e resolução ruim, o choque é grande. 4,5’’ com resolução 1280×720 (HD) e densidade de pixels por polegada absurda pra um dispositivo da categoria (329 ppi), nunca ouvi reclamações sobre a qualidade da tela. Até mesmo pra quem veio de um dispositivo mais robusto, a diferença é facilmente notada. Eu, por exemplo: meu antigo smartphone, um Galaxy SII, possuia uma tela de 4,3’’ Super AMOLED+ com resolução de 400×800 pixels, o que, cá pra nós, não era nada mal. Assim que coloquei as mãos no Moto G, pude perceber que a naturalidade das cores e a densidade de pixels por polegada destacavam a superioridade da tela. Com o brilho no modo automático, o Moto G não ficou devendo nada pro Galaxy II no quesito visibilidade em ambientes externos.

Em contrapartida, uma grande polêmica acerca do dispositivo é sobre a resistência dela. No post Moto G – dicas para aproveitar melhor seu smartphone, alguns leitores relataram que seus aparelhos tiveram a tela rachada após pequenas quedas e que isso era um absurdo, afinal, a tela do aparelho é uma Gorilla Glass. Tenho duas observações sobre isso: a primeira, é que em nenhum momento é dito que o Moto G tem tela resistente a quedas. Ele tem tela resistente a riscos, e é isso que a tecnologia Gorilla Glass embarcada na tela do dispositivo faz. A segunda é que esses relatos surgiam com mais frequência logo quando o post foi publicado, o que me faz acreditar que a Motorola corrigiu (ou pelo menos amenizou) esse problema nos lotes mais recentes do produto. Se você não quer arriscar, o melhor é utilizar uma Bumper ou uma Grip Shell, que podem ajudar a absorver impactos que pequenas quedas.

Moto G - SMT 7


Sistema Operacional Limpo

Até os menos ligados no mundo tecnológico sabem da fama dos dispositivos Nexus, que são desenvolvidos sob a supervisão do Google e trazem o sistema operacional Android na sua forma mais pura – como é entregue originalmente às fabricantes e aos desenvolvedores de ROMs personalizadas. Isso permite que o Google lance atualizações com muito mais facilidade e frequência, já que não é necessário que a fabricante do dispositivo faça todas as alterações necessárias na interface e acrescente os bloatwares – aplicativos da marca ou de empresas parcerias que quase sempre são inúteis.

Assim como seus irmãos, X e E, o Moto G traz o Android numa forma muito próxima da qual nos é apresentado nos dispositivos Nexus. Alguns recursos extras são acrescentados ao sistema, mas a interface e demais recursos visuais são exatamente os mesmos dos dispositivos Nexus ou de ROMs como a CyanogenMod. Isso também permite que a Motorola lance atualizações para o dispositivo de forma muito mais rápida que outras fabricantes. E nós definitivamente adoramos: sem bloatwares e customização da fabricante, o aparelho funciona melhor: há mais espaço disponível para instalação de aplicativos, e o sistema fica mais rápido, limpo e eficiente.


Open Source

Todos os códigos utilizados na construção do software do aparelho foram liberadas para desenvolvedores e curiosos que desejam explorar todo o potencial do dispositivo. Os sources (fontes, ou códigos fonte) são muito bem documentados e permitiram que os desenvolvedores prontamente desenvolvessem ROMs alternativas para o aparelho. Por incrível que pareça, até mesmo os sources específicos do suporte dual sim foram abertos a público (geralmente dispositivos com tecnologia dual sim possuem código proprietário, que nunca é disponibilizado para os desenvolvedores). Isso permitiu que o Moto G se tornasse o primeiro dispositivo dual sim a receber suporte oficial da CyanogenMod, a maior custom ROM do cenário Android.

CM11 - Moto G Dual Sim (SMT)


Desempenho Geral

Oferecendo desempenho de ponta a um preço acessível (falamos mais sobre preço no tópico seguintes), o Moto G chamou a atenção de usuários de smartphones simples, com versões defasadas do Android e que não aguentavam mais as constantes travadas e a impossibilidade de atualização dos aplicativos. Memória RAM, armazenamento interno e processamento são escassos nesses dispositivos.

Devido ao desempenho excelente, o aparelho da Motorola é sucesso total com esses usuários, e essa satisfação se transforma em marketing involuntário. É difícil não encontrar alguém empolgado em utilizar um dispositivo relativamente barato e que funciona bem.


Preço, Disponibilidade e Pesquisa De Mercado

O Moto G é um aparelho bem versátil. Em mercados como Brasil, Índia e China, a presença de modelos com dois cartões SIM (popularmente conhecidos como chips), é algo necessário – e lançar uma versão dual sim do aparelho é uma jogada muito inteligente. Os modelos dual sim (8 e 16GB) não são tão mais caros que os modelos single sim, e quem optar pelo modelo dual com 16GB ainda leva pra casa três capas coloridas extras. A maioria esmagadora dos donos do aparelho que conheço tem a versão dual sim. Mesmo que não utilizem o segundo slot, ter um extra não faz mal algum.

A novidade fica por conta da versão 4G do Moto G, anunciada no evento de lançamento do Moto E. O Moto G 4G traz conectividade com as redes 4G brasileiras, além do tão solicitado slot para cartão MicroSD, já que a ausência deste na versão original do aparelho foi duramente criticada. O preço sugerido é de R$799,00, e deve ser comercializado em breve por aqui. Ah, só pra lembrar: segundo a assessoria de imprensa da Motorola, o Moto G 4G está disponível somente em modelo single SIM.

O preço, sem dúvidas é um fator determinante na escolha dos brasileiros. Smartphones com bom desemepnho costumam chegar no mercado com valores overpriced, custando o dobro ou triplo do que é cobrado no exterior. Não vamos entrar a fundo na questão de impostos ou importação, mas é fato que antes do Moto G, era impossível adquirir um Android de alto desempenho por menos de 900 reais. A chegada do G mudou completamente esse cenário: com as diversas variantes (single ou dual SIM, 8 ou 16GB, Colors ou Music Edition), é possível escolher qual versão melhor te atende e pagar proporcionalmente a sua escolha.

O melhor de tudo, é que – exceto obviamente o Slot 2 de cartão SIM e a memória interna – o hardware do aparelho não muda com as variantes. Ou seja, se seu amigo possui a versão single 16GB e você a versão dual 8GB, o desempenho dos aparelhos será idêntico. Essa homogenização, além de criar uma experiência uniforme para todos os usuários do aparelho, independente da versão, acaba por facilitar o lançamento de atualizações para o smartphone.

É possível encontrar frequentemente promoções de grandes lojas online oferecendo a versão mais básica (single SIM, 8GB de memória interna) por cerca de R$550,00. Chega a ser surreal a possibilidade de se adquirir um dispositivo com hardware tão bom quanto o G por esse valor. Claro, há também versões mais caras, com acessórios extras. Os valores dessas versões podem chegar até R$999,00.


Considero esses os pontos fundamentais que colaboraram para o sucesso do dispositivo. E você, concorda? Acredita que exista algum fator não citado que foi decisivo para o sucesso do aparelho? Participe da discussão, deixe sua opinião nos comentários!

20 Comentários

Clique aqui para postar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

    • Achei burrada a Motorola não lançar o Moto G 4G em versão Dual Sim. Num mercado como o nosso (onde nem todos podem se dar ao luxo de ter apenas um número), seria sucesso sem dúvidas.

      • Acontece que 4g ainda é novidade, e o ZéPovão não liga muito. São poucos os que se importariam mesmo com o 4g neste primeiro momento. Claro que, havendo disponível, usariam, mas na falta, também não deixariam de comprá-lo. Outra: este modelo seria bem mais caro, fugindo da regra que a própria Motorola estipulou, de que “aparelho bom não precisa ser caro”…

    • Então, Diego… como disse, observei que esses comentários sobre a resistência da tela eram mais frequentes logo após o lançamento do aparelho. Acredito que a Motorola tenha corrigido esses problemas nos lotes mais recentes. O de uma amiga sempre vai pro chão e tá intacto!

  • Uso dois aparelhos, ambos com planos pós-pagos. Um acesso profissional (Galaxy Ace Plus) e outro pessoal (XPERIA SP – 4G). Esperava ansioso pelo lançamento do Moto G 4G Dual SIM, mas a assessoria de imprensa da Motorola me frustou.

    Alguma chance de um Nexus Dual SIM? Um Nexus 4 foi o melhor celular que já tive. Imbatível!

    • Como o Android stock não possuiu suporte nativo a multi sim, acredito que (por agora) o Google não tenha intenção de produzir um Nexus dual sim. Isso pode mudar numa versão futura do sistema operacional, já que dispositivos multi sim são tendência em grandes mercados (Brasil, China e India, por exemplo).

  • Então Marcus li seu artigo sobre o Moto G, muito show! Então, acha q a Motorola vai voltar atrás e lançar uma versão com suporte a Dual-Sim? Sabe de algum rumor sobre isso? Abraço

    • Oi, gell! Então… não duvido de nada. A Motorola mostrou que tá ouvindo (muito) o feedback dos usuários. Se a galera pedir muito uma versão dual sim do G 4G, pode ser que ela considere. Vamos torcer!

    • Eu acredito que 4G e Moto G Dual SIM não combinam muito para o mercado brasileiro atual. Afinal a aposta da Motorola é um aparelho financeiramente acessível, coisa que um plano 4G ainda não é!

  • Tenho um Moto G dual e realmente o aparelho é excelente. Compete com os topo de linha em vários quesitos. Minha única frustração é não funcionar com a TV via HDMI, mesmo com adaptador. Tudo que li até agora diz que não funciona mesmo.

    • Carlos, se você tem uma SmartTV, instale o aplicativo iMediaShare e seja feliz. Eu achei fantástico, qualquer video do seu celular vai se exibido na TV sem configuração ou complicação nenhuma. Nem precisa parear.

  • Gostaria de perguntar se alguem já percebeu que o moto g dual de 16 ele fica o tempo todo ocupando entre H+ e E tem hora que e preciso retirar o segundo chip fazer procura da rede para voltar H+

  • Adorei o moto g, mas estou com uma dúvida cruel a respeito e se vocês puderem me ajudar serei grata… O problema é que ao instalar o aplicativo “perguntados” na hora em que gira o circulo de cores fica falhando muito passando umas listras grossas acinzentadas, como estava na garantia troquei e o segundo estar com o mesmo problema e tenho ainda 2 dias de garantia, vocês acham que o problema é o aplicativo ou o telefone? me ajudem por favor!!!!!! olhem como fica!!!!

Receba Notícias por E-mail:

Share via