Por que explorar o espaço enquanto pessoas morrem de fome?

marte espaço
O investimento na exploração espacial é comumente criticado por quem considera os gastos altos demais enquanto ainda há pessoas sem necessidades básicas atendidas aqui na Terra. Mas, será que a ciência espacial é a vilã?

A perspectiva de chegar em Marte traz de volta um clima de inovação para a exploração do espaço inexistente desde a ida à Lua. Depois de um longo período, a NASA não está sozinha na tarefa, contando com ajuda privada de empresas como SpaceX e Blue Origin. Stephen Hawking deixou uma mensagem encorajadora para uma geração que já consegue vislumbrar o pouso na superfície do planeta vermelho. Ainda assim, há quem siga rejeitando a ideia de investir bilhões em projetos do tipo.

Em um mundo com crescentes conflitos e desigualdade, a cobrança é clara. Afinal, por que devemos, como sociedade, apoiar gastos em programas de exploração do espaço? Principalmente enquanto ainda existem pessoas morrendo de fome e sem saneamento básico aqui em embaixo?

Por que explorar o espaço enquanto pessoas morrem de fome? 5

A rejeição a programas espaciais vem de longa data. Uma história sozinha é capaz de ilustrar esse conflito de ideias tão bem-intencionadas. Era o ano de 1970 quando uma freira do Zâmbia, até hoje um dos 50 países mais pobres do mundo, cobrou uma resposta da comunidade científica. A irmã Mary Jucunda enviou uma carta à NASA questionando o investimento de bilhões em uma missão tripulada para Marte.

A carta foi respondida pelo Dr Ernst Stuhlinger, então diretor do Marshall Space Flight Center. Ele aproveitou a oportunidade para defender a exploração espacial. Sua ideia parte do pressuposto de que o esforço em grandes projetos leva a inovações que, no fim, melhoram a vida humana na Terra. Em longo prazo, descobertas feitas por cientistas espaciais podem inclusive ajudar a combater a fome.

Mas, ele não para na simples defesa da ciência como ente abstrato. Ele vai afundo nos exemplos. Os argumentos do cientista são a base das quatro razões listadas abaixo para continuar a investir em programas espaciais.

Dr Ernst Stuhlinger explicou nos anos 1970 porque a explorar o espaço é importante
Dr Ernst Stuhlinger explicou nos anos 1970 porque a explorar o espaço é importante

Porque precisamos entender melhor as ciências naturais

Stuhlinger destaca a importância de estender o conhecimento em ciências básicas para lidar com problemas da vida terrena. Avanços em física, química e biologia, além de ramificações como fisiologia e medicina podem representar a descoberta de novas formas de enfrentar não só a fome, mas também doenças, contaminação de alimentos e água, e poluição do meio ambiente.

As mudanças climáticas podem acabar com cidades e populações inteiras nas próximas décadas, e o mesmo deve ocorrer com terrenos de agricultura. Mas, estudar a atmosfera – ou a falta dela – de Marte ajuda a entender os processos que contribuem para o aquecimento global que acontece agora na Terra. No limite, chegar a Marte pode salvar o nosso planeta ou, no mínimo, servir como plano B.

Porque precisamos de novas tecnologias

Cientistas especiais vão além da física de foguetes, tendo que lidar com desafios que envolvem a manutenção da vida em ambientes hostis. Ao investir em pesquisa para a criação de uma roupa espacial, por exemplo, investe-se também em tecnologias que servirão, no futuro, para melhorar a subsistência de todos.

Por que explorar o espaço enquanto pessoas morrem de fome? 6

Ao pensar em uma colônia marciana, os desafios de ciência do solo podem servir para salvar terrenos destruídos pela monocultura exploratória no mundo. A mesma lógica se aplica no desenvolvimento de tecnologia de satélites para GPS e monitoramento espacial. Em Marte é útil para reconhecer o território extraterreste; aqui será útil para mapear clima e locais de plantio.

Porque necessitamos de inspiração

O avanço de programas do espaço tem um efeito grande sobre o interesse pela ciência. O resultado simbólico disso vale, talvez, até mais do que resultados concretos em novas tecnologias e conhecimentos científicos. Quanto maior for o investimento da NASA, da SpaceX, Blue Origin e outros na corrida a Marte, mais inspirados estarão os jovens que decidam pela carreira científica.

Nesse sentido, a exploração do espaço se propõe um catalisador. Ao beneficiar o surgimento de novas tecnologias e mais conhecimento lá fora, permite transpassar parte dessa inovação para áreas da vida comum. Como resultado, a solução para demais problemas podem ser acelerados.

Porque a luta contra a fome é política

Orçamento da NASA é uma fração do que os EUA destinam a guerras
Orçamento da NASA é uma fração do que os EUA destinam a guerras

Mas, por que devemos nos satisfazer com o subproduto da exploração do espaço para resolver nossos problemas mais básicos? Uma das críticas mais comuns aos argumentos mostrados acima é simples: se o investimento em ciência espacial pode acelerar a inovação, porque não aplicar o dinheiro diretamente nas áreas carentes? Em tese, essa estratégia poderia trazer resultados ainda mais rápidos.

A primeira explicação tem relação com um forte componente de inspiração. Cientistas que trabalham em ciência do espaço tendem a se sentir mais motivados para extrapolar seus limites em busca de um ideal comum. Não por acaso NASA e outras instituições reúnem algumas das mentes mais brilhantes em seus corpos técnicos.

Outro motivo, esse mais abrangente, tem a ver com a luta política pela solução da fome e outros problemas humanos. Nos EUA, o investimento anual destinado à pesquisa sobre o espaço é de apenas 1,6% do orçamento, ou menos de um terço de 1% do PIB. O gasto com defesa, incluindo despesas com guerras, chega a 16% do orçamento federal americano. Segundo a fundação Peter G. Peterson, crítica da política fiscal dos EUA, o país gasta mais nessa área do que os valores combinados de China, Rússia, Arábia Saudita, Índia, França, Reino Unido, Japão e Alemanha.

Isso sem falar no recorte político em torno da produção e distribuição de comida no mundo. Enquanto populações morrem de fome na África e no Nordeste brasileiro, países desenvolvidos são reis do desperdício.

A luta contra a fome é uma luta de interesses. E tudo indica que, nesse cenário, os cientistas espaciais estão do mesmo lado da irmã Mary Jucunda do Zâmbia.

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar um comentário

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Receba notícias por e-mail

Receba notícias no seu e-mail
Holler Box