Retrospectiva: as melhores séries de 2018

séries
Nós estamos indo de CBS, Fox para Netflix, Hulu. Este é um artigo de apreciação aos shows mais originais, criativos e dinâmicos que agraciaram telas e telinhas este ano.

Séries para todos os gostos: Em tempos de streaming, um dos encalços mais subestimados do declínio da “era da TV” é reconhecer de que há conteúdo de qualidade sendo lançado constantemente.

Não é nenhum pecado o público padrão não conseguir conciliar com eficiência a demanda de seu catálogo. Quem nunca escutou ou se escutou dizendo: “Preciso colocar minhas séries em dia”? Nós entendemos, também lidamos com isso. É frustrante, é claro, mas por que não haveria de ser?

Pra jogar ainda mais sal nesta ferida aberta, propomos o seguinte: uma lista dos 20 shows imperdíveis que foram destaque neste último ano e que acreditamos que você deve colocar na sua lista pessoal.

As melhores séries

Entendemos que não dá para contemplar todo mundo, então separamos aqui alguns dos exemplos de menções honrosas que não podem ficar de fora: America to MeBarryBob’s BurgersBrockmireBrooklyn Nine-NineCastle RockCounterpartDetroitersThe DeuceGet ShortyHaunting of Hill HouseJane the VirginJesus Christ SuperstarMaking ItMy Brilliant FriendOne Day at a TimeSuperstoreThe TaleWaco e Young Sheldon. 

É praticamente uma outra lista com 20 nomes à parte de nossa própria lista. O que acha? Deveríamos fazer uma segunda parte? Um top 40 talvez? Ou um top 50? Deixe um comentário com a sua opinião.

Por enquanto, vamos nos ater à 20 títulos que separamos a dedo depois de uma série de critérios muito bem fundamentados: os nossos. Mas verdade seja dita: válidos.

Há o fator originalidade que pesa muito aqui. Alguns são mais sombrios, outros são positivos e alegres. Tentamos contemplar o máximo de gêneros possíveis.

E claro, sinta-se à vontade de contestar nossas escolhas nos comentários, a ideia aqui é uma troca saudável de indicações. Mas então, vamos começar?

The Good Fight

TheGoodFight 720x480 - Retrospectiva: as melhores séries de 2018

A série spin-off de The Good Wife teve uma primeira temporada divertida em 2017, mas o programa parecia não ter um propósito, além do da CBS tentar garantir que seu novo serviço de assinatura fosse lançado com alguns títulos que os telespectadores reconheciam e amavam.

Mas a segunda temporada de The Good Fight é inegavelmente inspirada. É tão incendiária (até os explosivos créditos de abertura) que às vezes é difícil acreditar no que os co-criadores Robert King, Michelle King e Phil Alden Robinson almejavam e puderam fazer.

Episódios lidando com notícias falsas, tiroteios policiais, aumento excessivo do ICE, e a lista de “homens da mídia de merda” são tão inteligentes e incisivos quanto os melhores de The Good Wife – um programa sempre muito inteligente sobre nossa moderna sociedade interconectada do que qualquer outra coisa na rede de televisão.

Mas a 2ª temporada realmente se destaca na maneira como aborda a vida na era Trump. A série satiriza o absurdo de um mundo em que juízes subclassificados e políticos orgulhosamente fanáticos fazem parte do discurso diário.

Também saúda as pessoas fora das trincheiras legais, lidando com as regras e normas que podem impedir a sociedade de entrar em colapso. The Good Fight faz tudo isso no contexto de um drama de tribunal de primeira linha, extremamente sofisticado.

Disponível: CBS All Access

Atlanta

Atlanta 720x480 - Retrospectiva: as melhores séries de 2018

Donald Glover é rapper e roteiritsa. É Childish Gambino e também Teddy Perkins. Mas também é Earn Marks. É a mente por trás do polêmico This is America e Atlanta, uma série do tipo imperdível por todos os motivos certos e alguns errados, mas todos igualmente irresistíveis.

Poucas obras populares podem realmente ser chamadas de “inclassificáveis”, mas Atlanta é, no mínimo, difícil de classificar.

A melhor maneira de descrevê-la é como um exercício radical de subjetividade, convidando o público a experimentar as perspectivas às vezes surreais de um punhado de homens e mulheres negros indo e voltando entre os mundos do privilégio profissional da classe média e da pobreza e do crime.

As premissas dos episódios da segunda temporada de Atlanta são de uma leveza praticamente inexistente: o elenco vai às boates, Al corta o cabelo, Darius pega um piano e assim por diante.

Mas essa falta de ganchos afiados significa que qualquer meia hora pode se desviar em direções inesperadas, seja Al ficando enredado em uma busca sinuosa pelos dedos de frango de Zaxby, ou Darius encontrando o esquisito recluso Teddy Perkins, sim, aquele Teddy Perkins. As possibilidades em Atlanta são inúmeras, o que é deveras impressionante.

É absolutamente milagroso como que o criador Donald Glover e os roteiristas tenham escolhido converter esse potencial aparentemente ilimitado em algo tão idiossincrático e pessoal.

Disponível: FX Plus possui a primeira e segunda temporada; Hulu, a primeira temporada e Netflix também a primeira temporada. 

Pose

POSE 108 2152 720x466 - Retrospectiva: as melhores séries de 2018

Foi um golpe de gênio para os produtores Ryan Murphy, Brad Falchuk e Steven Canals criarem um drama que envolve direta e honestamente os mistérios de gênero, raça e auto-identidade – alguns dos maiores problemas de nossa época – e então para ambientá-lo no meio do fim dos anos 80 em Nova York.

Ter um personagem transgênero em um show significa que a pessoa tem que carregar o peso da representação. Ter uma dúzia ou mais – ao lado de gays cisgêneros – significa que a primeira temporada de Pose explora uma gama mais ampla de experiências, todas agrupadas sob o tema maior de encontrar companheirismo e um senso de valor próprio em uma cidade às vezes implacavelmente cruel.

Pose é uma série sobre Nova York passando por uma revitalização cultural e fiscal, ao mesmo tempo em que algumas de suas luzes mais brilhantes estavam sucumbindo à AIDS. Conta histórias engraçadas e ecléticas sobre pessoas que oscilam diariamente entre o desespero e a esperança, e o faz com a arrogância, a doçura e a teimosia do personagem principal, Pray Tell (interpretado por um dos melhores atores do ano da TV, Billy Porter).

Disponível:  FX Plus

Glow

GLOW 201 Unit 02191R 720x481 - Retrospectiva: as melhores séries de 2018

Continuando a bem-vinda tendência de shows de 2018 com boas primeiras temporadas tendo ainda melhores segundas temporadas, Glow este ano aprofundou a ressonância emocional dentro de sua divertida e rápida história sobre uma liga de wrestling de baixa renda na década de 1980.

Enquanto o drama da Netflix compartilha algumas semelhanças com os filmes esportivos desleixados – onde um grupo de atletas se reúne para superar as probabilidades e vencer no final do dia – as personagens e seus desafios são mais complicados.

Conflitos antigos não são anulados de um dia para outro. Brincar com um estereótipo amplo na TV tem ramificações do mundo real. E o fato de essas mulheres almejem o sucesso como objetivo comum de seus novos negócios não significa que elas compartilhem tudo igualmente.

Glow equilibra nostalgia com uma crítica sutil e sócio-econômica, em episódios tão rápidos e devastadores quanto um soco direto na jugular.

Disponível: Netflix

The Marvelous Mrs. Maisel

Marvelous Mrs Maisel 720x455 - Retrospectiva: as melhores séries de 2018

Uma das ovelhas negras do ano passado voltou para uma segunda temporada carregando uma braçada de Emmys – e talvez o fardo agudo de expectativa.

A equipe de produção de direção-escrita de Amy Sherman-Palladino e Daniel Palladino enfrentaram o desafio, expandindo o alcance de seu show para além da cena cômica de Nova York dos anos 50, fazendo pequenas viagens pelo mundo da arte de Paris, os altos e baixos da indústria da moda, e – por um trecho especialmente impressionante no meio da temporada – os rituais arcanos dos resorts de verão de Catskills.

Durante todo o tempo, a maravilhosa senhorita Maisel continua voltando à carreira de stand-up nascente do seu personagem-título, que não passa despercebido (graças ao talento de Midge Maisel para conquistar o público) e azedar (graças a homens ressentidos e mesquinhos).

Mas como em seus shows anteriores, Gilmore Girls e Bunheads, os Palladinos parecem menos interessados em contar uma longa história sobre show-biz e gênero, e mais engajados em usar tudo isso como pano de fundo para modas fabulosas, diálogos vulgares e mais uma gama de estatuetas.

Disponível: Amazon Prime

Homecoming

homecoming 720x360 - Retrospectiva: as melhores séries de 2018

O escritor-diretor-produtor Sam Esmail usou seu cyber-thriller, Mr. Robot, para ajudar a mudar a aparência da televisão, desorientando os espectadores com composições e iluminação fora de sintonia.

Com sua adaptação do popular podcast de ficção Homecoming (um programa escrito principalmente pelos criadores do podcast, Eli Horowitz e Micah Bloomberg), Esmail novamente brinca com os elementos da narrativa televisiva.

Desta vez mexendo na mixagem de áudio, no tamanho do enquadramento e colocação da câmera, ou em como ele conta um conto sinistro, em uma confusa linha do tempo, sobre um programa obscuro, longe de fiscalização, para reabilitar os soldados que retornam para casa.

Até mesmo a duração dos episódios é incomum. Homecoming é o raro drama em que cada episódio dura cerca de 30 minutos, o que – juntamente com um excelente elenco que inclui Julia Roberts como uma terapeuta solitária, Stephan James como seu paciente e Bobby Cannavale como seu chefe – torna mais fácil assistir uma temporada inteira em uma única noite.

Disponível: Amazon Prime

Forever

forever 720x506 - Retrospectiva: as melhores séries de 2018

Quando o Forever chegou pela primeira vez à Amazon em setembro, os críticos foram instados a dizer o mínimo possível sobre o que a comédia sobrenatural é realmente.

Isso provavelmente ainda é uma boa ideia, dado o quanto do prazer da Forever está em seu sentido de surpresa. Basta dizer que é estrelado Fred Armisen e Maya Rudolph como um casal preso em um barranco, e que quase todos os seus oito episódios terminam com algo inesperado que redefine o programa para o que se segue.

No geral, Forever é uma visão absorvente, perspicaz e às vezes dolorosa do casamento e das amizades, e de como às vezes usamos as rotinas diárias compartilhadas como uma forma de união e como uma maneira de evitar uma comunicação mais profunda.

Disponível: Amazon Prime

Howards End

howards end 720x481 - Retrospectiva: as melhores séries de 2018

A versão cinematográfica de 1992 do romance de E.M. Forster sobre sutis distinções de inglês é um clássico por si só, que muitos fãs de cinema que poderiam aproveitar a nova minissérie de quatro horas nunca deram uma chance.

O que perderam foi um excelente roteiro de Kenneth Lonergan, direção Hettie MacDonald, e um elenco liderado por Hayley Atwell como a solteirona Margaret Schlegel e Matthew Macfadyen como o viúvo conservador Henry Wilcox – que encontrou algumas das notas mais profundas do personagem na história de Forster.

Juntos, eles apresentaram uma visão complexa da sociedade, onde até mesmo algumas pessoas muito agradáveis ??estão presas a suas presunções e privilégios.

Disponível:  Starz On Demand e Amazon Prime

Summer Camp Island

summer camp island 720x405 - Retrospectiva: as melhores séries de 2018

Apesar de Summer Camp Island ser visualmente e tonalmente remanescente de favoritos recentes como Steven Universe, O Incrível Mundo de Gumball e Adventure Time, este desenho animado antropomórfico tem seu próprio ponto de vista por cerca de cinco minutos de seu primeiro episódio.

Criado por Julia Pott – uma ex-funcionária do Adventure Time, talvez mais conhecida por animadores de animação por expressar os clones adultos de Emily em “World of Tomorrow” de Don Hertzfeldt – a série segue um grupo de animais pré-adolescentes em um acampamento de verão aparentemente interminável, povoado por bruxas adolescentes mandonas, monstros nerds e um número infinito de objetos inanimados que ganham vida e falam. As histórias são quase todas únicas, com cerca de 10 minutos de duração, e tão irônicas e espirituosas quanto engraçadas … e são super fofas.

Disponível: Cartoon Network 

Arquivo X

x files 720x480 - Retrospectiva: as melhores séries de 2018

Depois de toda a empolgação com o retorno do Arquivo X em 2017, a 11ª temporada (e possivelmente a última) do show chegou e foi no primeiro trimestre deste ano com um mínimo de burburinho – o que é uma vergonha.

Com aventuras envolvendo paralisia do sono, um culto à beleza, o Efeito Mandela e a IA assassina, Arquivo X passou pelo ato da nostalgia da 10ª temporada e mais uma vez se envolveu com horrores modernos relevantes, amarrando-os às ansiedades dos agentes do FBI.

Lodge 49

LODGE 103 JLD 1016 0292 RT 720x480 - Retrospectiva: as melhores séries de 2018

Quem disse que os roteiristas estão sem ideias? Nunca houve um show como o Lodge 49, uma sátira social deveras gentil e cheia de alma sobre um surfista indeciso chamado Dud (Wyatt Russell) e a abatida garçonete Liz, que tem um estalo quando Dud começa a cavar os segredos de um clube social de Long Beach.

Muitas vezes realista, e ocasionalmente pelo bizarro, o Lodge 49 é, antes de tudo, uma investigação de valores, considerando o que realmente é necessário para que as pessoas se sintam felizes e realizadas. É um programa sobre cidadãos comuns e exaustos, polvilhado de leve com referências à alquimia e ao ritual ocultista.

Disponível: AMC

Better Call Saul

saul 720x480 - Retrospectiva: as melhores séries de 2018

Embora esta 4ª temporada tenha sido menos dramática que a anterior, os episódios de 2018 de Better Call Saul da AMC funcionaram como uma complementação necessária e às vezes emocionalmente devastadora das várias histórias de origem que o prequel de Breaking Bad começou em seu primeiro episódio.

No final deste ciclo, o bem intencionado Jimmy McGill finalmente se torna o “nada por um dinheirinho” Saul Goodman, enquanto o implacável “faz-tudo” ético Mike Ehrmantraut começa a contratar o chefão das drogas Gus Fring, enquanto a procuradora Kim Wexler percebe que é mais recompensador lutar por causas perdidas do que ganhar muito dinheiro preenchendo contratos imobiliários.

À medida que o show se aproxima do que pode ser seu fim, é inégavel que a mesma está fazendo uma transição inevitável da comédia sombria para a tragédia humanista. O arco é pré-ordenado, mas isso não o torna menos doloroso à medida que se desenrola.

Disponível:  iTunesAmazonGoogle Play e Netflix.

The Good Place

NUP 183375 1478 720x481 - Retrospectiva: as melhores séries de 2018

Em uma radical mudança de ritmo, The Good Place deixou para trás tanto os Lugares bons como os ruins na terceira temporada, coloxando seus quatro humanos egocêntricos na Terra em suas vidas antigas, com o demônio Michael e o supercomputador.

Embora tão filosófico – e imprevisível – como sempre, The Good Place este ano às vezes parecd mais como sitcoms do criador de Michael Schur Parks and Recreation e Brooklyn Nine-Nine, com mais episódios onde os personagens soam uns aos outros de forma divertida e o enredo não avança de verdade. Até mesmo a versão mais “normal” desse programa é estranha e inquisitiva, com muito a dizer sobre como criamos nossos próprios paraísos e infernos.

Disponível:  NetflixNBC e Hulu

The Kids are Alright

kids are alright 720x480 - Retrospectiva: as melhores séries de 2018

Nos últimos anos, foram lançados vários seriados sobre grandes famílias católicas (The McCarthys, The O’Neal Real) e mais do que alguns no passado recente (The Goldbergs, Fresh off the Boat, Young Sheldon), e ainda The KidsAre Alrightt ainda parece fresco e original, talvez porque é tão claramente vindo de uma experiência pessoal.

Criado pelo veterano escritor Tim Doyle – que trabalhou em filmes como Ellen, Sports Night, The Big Bang Theory e Better Off Ted – o show acontece no início da década de 70 em Los Angeles, onde Doyle cresceu com seu sua família.

Com seus diálogos ??e histórias delicadas, The Kids Are Alright traça uma narrativa impar sobre uma família consciente e ignorante de seus próprios problemas.

O programa tem seus próprios detalhes memoráveis, sobre tudo, desde quanto tempo leva para uma família de 10 pessoas comer uma tigela grande de salada Waldorf a como meninos reagem quando ouvem um rumor de que uma estrela de TV acidentalmente mostrou um mamilo em um show ao vivo.

Disponível: ABC Go e Hulu

Speechless

speechless 720x576 - Retrospectiva: as melhores séries de 2018

O apogeu da série de comédia familiar passou alguns anos atrás, mas para Speechless este é só o começo. A série se propõe a ser uma comédia desmazelada sobre os DiMeos, uma família da classe trabalhadora que está aprendendo a lidar com as particularidades de seu filho (JJ, interpretado por Micah Fowler, que, como o personagem, tem paralisia cerebral).

Speechless desenvolveu gradualmente as personalidades de todos em seu elenco, gerando material cômico bom de suas peculiaridades individuais e falhas. Mais importante, o programa se tornou uma contemplação mais rica do que acontece quando as pessoas realmente começam a considerar suas limitações, sejam elas inevitáveis ??ou auto-impostas.

Disponível: ABC Go e Hulu

Mom

mom 720x480 - Retrospectiva: as melhores séries de 2018

Provavelmente foi apenas uma feliz coincidência, mas não muito depois de Allison Janney ter ganhado seu Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante por Tonya, sua comédia, Mom, se recuperou de uma leve queda criativa, encontrando novas maneiras de gerar piadas a partir de sua premissa central: as relações co-dependentes e os arrependimentos persistentes dos dependentes em recuperação.

Depois que a 5ª temporada chegou a um final forte, a sexta temporada deste outono foi mais focada e mais engraçada de Mom em anos, destacada por um episódio em que Christy (Anna Faris) tenta se reconciliar com sua filha distante e descobre que não importa quão dramaticamente ela mudou sua vida, ela não pode compensar a infância que arruinou.

Disponível: CBS All Access e Hulu.

Billions

Billions 309 0354.R 720x540 - Retrospectiva: as melhores séries de 2018

Dada a duração dos ciclos de produção de TV, 2018 foi realmente o primeiro ano em que escritores e produtores puderam começar a fazer observações sobre a vida sob a administração Trump, além de apenas contar algumas piadas de passagem.

O thriller político/financeiro Billions ofereceu duas das mais intrigantes observações, refletindo nos principais personagens da série: o procurador norte-americano Chuck Rhoades (Paul Giamatti) e o gerente de fundos hedge Bobby Axelrod (Damian Lewis).

Os dois homens vêem suas fortunas mudarem na divertida terceira temporada do Billions, graças em grande parte à nova indiferença do governo a pessoas ricas que ignoram os regulamentos.

A diversão dessa série vem da compreensão de como o nosso mundo funciona e da sua simpatia até mesmo por gananciosos que abusam de seu poder … principalmente por medo de que, se não o fizerem, alguém mais forte se aproveite.

Disponível: Showtime

American Crime Story: O assassinato de Gianni Versace

american crime story 720x539 - Retrospectiva: as melhores séries de 2018

A  segunda temporada de American Crime Story: O Assassinato de Gianni Versace, nunca chegou perto de se transformar na sensação que foi a primeira temporada, The People vs. O.J. Simpson, se tornou. Mas em muitos aspectos, é ainda mais ousado.

Em ordem cronológica inversa – o episódio no meio da temporada ocorre meses ou mesmo anos antes do que o precede – a série é um mergulho profundo no passado de dois homens gays, um assassino e sua vítima mais famosa, moldada por uma cultura que forçou a eles manterem grande parte de sua vida em segredo.

Esta minissérie não é exatamente uma maneira edificante de passar o tempo, mas a estrutura incomum e o desempenho fascinante de Darren Criss como o serial killer sociopata Andrew Cunanan tornam isso vital.

Disponível: Amazon

DC’s Legends of Tomorrow

legends of tomorrow season 4 episode 2 witch hunt 720x439 - Retrospectiva: as melhores séries de 2018

Durante a primeira temporada de Legends of Tomorrow, não havia quase nenhum sinal de que o show se tornaria não apenas uma das séries mais engraçadas e escapistas da televisão, mas também uma das mais destemidas e bizarras. A reviravolta começou na segunda temporada, mas a segunda metade da terceira temporada e a primeira metade da quarta temporada foram ainda mais sublimes, com episódios apresentando um ursinho de pelúcia gigante, um unicórnio comedor de carne, um monstro de pântano de acampamento de verão, viagem de volta ao início da carreira do diretor de Godzilla, Ishiro Honda, e muitas, muitas outras curiosidades e maravilhas.

Legends fez uma reportagem na primavera passada, onde a equipe recrutou a ajuda do ator John Noble como parte de um plano maior para proteger um Barack Obama de uma faculdade de ser morto por um gorila psíquico. E isso foi apenas sobre a quinta ou sexta coisa mais freakiest para acontecer nesta série este ano.

Disponível:  CWTV

Mystery Science Theater 3000: The Gauntlet

mst3k the gauntlet netflix 720x404 - Retrospectiva: as melhores séries de 2018

O criador do MST3K, Joel Hodgson, merece crédito por continuar a encontrar maneiras de reformular a premissa do show. Na segunda temporada do programa Netflix, com Jonah Ray como apresentador, o conceito básico de um engraçadinho zombando de filmes antigos e terríveis ao lado de seus espertos robôs (dublado por Baron Vaughn e Hampton Yount) ainda está funcionando bem, graças ao elenco e escritores inspirados durante sua primeira temporada e subsequente turnê ao vivo.

Mas Hodgson também aumentou o nível de dificuldade para esta última temporada, aproveitando a interface amigável da Netflix para contar uma história ainda mais longa sobre Jonah e os bots suportando seis “experimentos” seguidos.

Os filmes são magnificamente horríveis, mas é a vontade de inovar e trabalhar dentro de um meio de rápida mudança que faz Mystery Science Theatre 3000, como muitos outros programas nesta lista, um 2018 de destaque.

Disponível: Netflix

PoseFX.0 - Retrospectiva: as melhores séries de 2018

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar um comentário

Deixe seu comentário:

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Receba Notícias por E-mail:

Share via