Review: diablo ii resurrected é mais um exemplo de remasterização bem feita

REVIEW: Diablo II Resurrected é mais um exemplo de remasterização bem feita

Avatar of fernando gomes
Jogo consegue transpassar a energia do clássico de mais de vinte anos atrás de uma maneira simples e eficiente. Confira o nosso review

Existem alguns jogos que são referência clara no que diz respeito aos RPGs. Diablo II é um deles. Lançado em 2000, o jogo moveu uma legião de fãs e acrescentou à franquia o tom de popularidade e de prestígio pelo seu universo rico e particular.

21 anos depois, Diablo II Resurrected surge na onda dos últimos anos de remasterizações de clássicos antigos, tanto para reacender o interesse do público fiel quanto para apresentar a saga para novos jogadores. Embora o título tenha sido lançado em meio a um escândalo envolvendo a Activision Blizzard e seus funcionários, o que causa um desconforto inevitável para quem joga, a nova versão de Diablo II é fiel e inteligente na sua construção.

O Showmetech pôde conferir o jogo considerado um dos destaques do ano na indústria dos games. Confira a seguir todos os detalhes.

O primor de um mundo épico e sombrio

  • Review: diablo ii resurrected é mais um exemplo de remasterização bem feita
  • Review: diablo ii resurrected é mais um exemplo de remasterização bem feita

Diablo II Resurrected aborda um mundo épico onde o mal assola as terras antigas de civilizações à mercê de ataques de criaturas malignas. Os habitantes de cada região uniram forças com armas e combatentes para se protegerem. Sob o papel de um viajante lutador, o jogador precisa explorar as grandes áreas infestadas por diferentes inimigos — de zumbis a aranhas medonhas — e descobrir os segredos que envolvem Mefisto, Baal e o próprio Diablo.

Com uma premissa envolvente, a remasterização de Diablo II acerta em reinserir personagens e reapresentar a trama, dividida em cinco atos. Nós vamos avisar desde já: este é um jogo longo. Prepare-se para explorar muitos locais, recolher vários itens e, provavelmente, morrer algumas vezes durante esse processo.

Em sua essência, o universo é algo que cativa o jogador e o instiga a persistir nas missões de ataque/resgate/exploração para descobrir o que vem a seguir. Ao término de um ato, o jogo apresenta uma cutscene que dá sequência à história. Além disso, o título se mostra bem fiel aos acontecimentos do seu original, o que é gratificante.

Uma grande exploração de recursos e combates diversificados

Review: diablo ii resurrected é mais um exemplo de remasterização bem feita
A aventura começa na base de acampamento, onde é possível adquirir armas, escudos, acessórios e mais. (Imagem: Diabllo II: Resurrected/Reprodução)

Diablo II oferece sete classes de herói para o jogador: Amazona, Assassina, Necromante, Bárbaro, Paladino, Maga e Druida. Cada integrante representa um estilo de combate diferente, que vai do corpo a corpo a longa distância. É possível personalizar seu personagem durante o gameplay, com armas e vestimentas adquiridas por personagens inteirados na trama.

O game também pode ser jogado offline ou online com outros guerreiros em uma sala fechada. Essa versatilidade é útil para jogatinas com amigos ou ainda simplesmente para ter um suporte em combates mais complicados. Ah, e você pode escolher um belo nome para sua figura também.

O primeiro contato no jogo é com um acampamento afastado, que está montando forças em uma região obscura. Lá se encontram seus itens em um baú, bem como pode ser feita a compra de acessórios. O esquema de gameplay pode parecer difícil, principalmente se a pessoa não tem afinidade com esse gênero de jogo, mas ele é bem prático. Com mecânicas point and click, o jogador movimenta, ataca por comandos simples e usa poções de cura e mana.

  • Review: diablo ii resurrected é mais um exemplo de remasterização bem feita
  • Review: diablo ii resurrected é mais um exemplo de remasterização bem feita

Como dito, o jogo é bem grande. Então haverá muito espaço para testes, execução de planos e exploração contínua. Conforme seu personagem avança nas missões, é possível contratar um NPC que auxiliará nos enfrentamentos. É de grande ajuda. Ataques especiais e upgrades são feitos de acordo com suas armas e estilo de combate.

Existe ainda um sistema interessante que compara a versão antiga com a atual de Diablo II. A distinção é impressionante. Neste sentido, a remasterização não só fez bem, como, de certa forma, rejuvenesceu o jogo com seu aspecto visual mais polido. Os detalhes de mapa são bem discerníveis, o que aumenta a imersão. Além disso, há dublagem em português brasileiro.

  • Review: diablo ii resurrected é mais um exemplo de remasterização bem feita
  • Review: diablo ii resurrected é mais um exemplo de remasterização bem feita

Como um todo, o jogo é bem eficiente em seu gameplay. Em poucos momentos foram registrados bugs ou falta de responsividade, como havia sido observado na versão Beta do game. O maior problema que presenciamos, particularmente, foi um erro em configurar comandos personalizados.

Na versão de PC que tivemos acesso, tornou-se difícil alterar uma simples forma de andar entre uma tecla e outra. O jogo pareceu não processar muito bem, o que nos levou a ter que atualizar este comando toda vez que o jogo era iniciado. Apesar disso, tudo pareceu correto.

Destaque especial para a imersão sonora

  • Review: diablo ii resurrected é mais um exemplo de remasterização bem feita
  • Review: diablo ii resurrected é mais um exemplo de remasterização bem feita
  • Review: diablo ii resurrected é mais um exemplo de remasterização bem feita

O design do jogo está um primor, como dissemos anteriormente, mas a trilha sonora é um dos pontos altos de Diablo II Resurrected. Ela abraça muito bem os momentos de tensão e de luta, trazendo até elementos de terror em alguns momentos, como quando o local explorado é uma catacumba perdida. Até mesmo os inimigos são um tanto amedrontadores, especialmente os insectoides e os monstros de grande porte.

Os elementos técnicos são bem executados no geral, salvo os empecilhos pontuais. Mas nada disso prejudica intensamente a experiência final, recheada de aventuras e muitas descobertas. Um conselho especial — e pessoal — é jogar esta remasterização em doses para não se tornar massante caso você sofra muito para avançar em certos momentos.

Review: diablo ii resurrected é mais um exemplo de remasterização bem feita
Novo Diablo II abre possibilidades para exploração em vastos e distintos cenários possíveis. (Imagem: Diablo II: Resurrected/Reprodução)

Equilibrando gameplay e narrativa, Diablo II Resurrected é mais um acerto das remasterizações modernas. Enquanto, por outro lado, o contexto de seu lançamento seja amargo e problemático, o jogo consegue entregar uma experiência significativa, com nuances interessantes e, sobretudo, diversão na saga épica.

Diablo II Resurrected está disponível para aquisição para PS4, PS5, Xbox One, Xbox Series S/X, Nintendo Switch e PC (através do Battle.Net).

Veja também

Acesse também outros conteúdos relacionados no Showmetech. Confira o nosso review de 12 Minutes, um dos títulos mais comentados do ano.

REVIEW: Diablo II Resurrected é mais um exemplo de remasterização bem feita

Diablo II Resurrected
8 10 0 1
Jogo consegue transpassar a energia do clássico de vinte anos atrás de uma maneira simples e eficiente.
Jogo consegue transpassar a energia do clássico de mais de vinte anos atrás de uma maneira simples e eficiente.
8/10
Total Score
  • Enredo e narrativa
    9/10 Incrível
  • Jogabilidade
    8/10 Ótimo
  • Design e trilha sonora
    10/10 Excelente
  • Desempenho
    7/10 Bom

Prós

  • Trama instigante
  • Boa personalização do guerreiro
  • Exploração rica
  • Ótima trilha sonora
  • Dublagem brasileira

Contras

  • Bugs e comando não responsivo ocasionais
  • Problema de personalização de comandos nas configurações

Inscreva-se para receber nossas notícias:

Total
1
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados