Roupa especial usa corpo humano para minerar criptomoedas

Roupa especial usa corpo humano para minerar criptomoedas
Uma startup holandesa criou um método para extrair energia através do corpo humano e já tem 37 funcionários produzindo 16.594 moedas

Já falamos muitas vezes sobre minerar criptomoedas. O processo pede um PC potente e sempre ligado à energia, sendo que o valor da fatura atrapalha no lucro. E se você pudesse usar algo que já tem e com energia gratuita? Estamos falando do seu corpo! Esse é o projeto da startup holandesa Institute of Human Obsolescence.

Trabalhando e relaxando

IoHO 02 - Roupa especial usa corpo humano para minerar criptomoedas

Em primeiro momento, pode-se imaginar humanos correndo como hamsters produzindo energia. Felizmente, não é essa a realidade. A energia é extraída com o trabalhador deitado, usando trajes especiais para obter calor em excesso.

O Institute of Human Obsolescence tem 37 funcionários, desde engenheiros até os fornecedores de energia. Em 212 horas eles conseguem colher 127.210 miliwatts. O calor corporal convertido em energia é consumido por computadores mineradores, que já obtiveram 16.594 criptmoedas, de diferentes tipos. Os trabalhadores ficam com 80% do lucro, o IoHO com apenas 20%.

IoHO 03 - Roupa especial usa corpo humano para minerar criptomoedas
Sessões para obter energia acontecem no estabelecimento do IoHO, na Holanda

As sessões de coleta de energia podem durar uma, duas ou três horas. O trabalhador é liberado até para dormir. Assim que um funcionário sai, entra outro. É importante esse equilíbrio para que a única exploração do trabalhador seja somente do seu calor, não do seu psicológico e saúde.

This is art

Para o fundador da startup, Manuel Beltrán, eles estão fazendo arte. O objetivo da companhia é levantar questionamentos e soluções para problemas que estão se tornando cada vez mais cotidianos. O fato principal é “o humano está ficando obsoleto“.

“Eu acho que a arte é capaz de explicar as coisas abstratas, e através da arte você também é capaz de desencadear algo. Com esse projeto eu quero gerar perguntas ou faíscas.”

Manuel Beltrán, fundador do Institute of Human Obsolescence

É uma verdade, com o avanço das IAs estamos nos tornando cada vez mais “inúteis”. Tem IA de advogado e até médico. A missão do IoHO é fazer as pessoas refletirem num futuro breve em que o mercado será dominado por máquinas.

 “Tornar-se obsoleto irá criar um novo cenário, no qual novas formas de trabalho vão surgir e florescer. O nosso objetivo é explorar, perguntar e afetar os cenários dessa transição.”

Somos fornecedores de dados

Navegar na internet gera dados para empresas. Você pode não ler aqueles contratos ao criar uma conta num serviço, mas estamos sendo analisados. Google e Facebook são os principais representantes.

O cliques que dá, o que vê, curte, comenta, seus horários de uso. Tudo isso gera dado e eles usam para seus serviços, para parceiros ou anúncios. No final, eles sempre lucram e você, o fornecedor de dados, continua desempregado dando curtidas em post do Catiorro Reflexivo.

O Institute of Human Obsolescence planeja inverter a lógica. Para eles nós somos o novo petróleo, tão revolucionário como na Segunda Revolução Industrial. É esperado que o fornecimento de dados humanos possa movimentar 200 bilhões de dólares, obtidos através de pessoas não remuneradas. Por que não remuneradas?

Assim, passa a ser a ambição do IoHO fazer que as pessoas lucrem ao gerar informações às empresas. Entre os objetivos está até mesmo criar um sindicato para defender os direitos trabalhistas dessa futura profissão.

IoOH 01 - Roupa especial usa corpo humano para minerar criptomoedas

Entretanto, não pense que ficará em casa recebendo dinheiro para usar o Facebook. O IoHO tem um local de trabalho especial. O funcionário fica usando o celular enquanto tem seus gestos e expressões faciais analisadas em tempo real por vários sensores. Ainda assim, parece ótimo, não?

Você trabalharia como fornecedor de dados ou de energia?

IoHO capa - Roupa especial usa corpo humano para minerar criptomoedas

Comentários do Facebook

Receba Notícias por E-mail:

Share via