Um risco a mais: Texas afirma ter registrado caso de zika vírus transmitido sexualmente

smt zika p2 - Um risco a mais: Texas afirma ter registrado caso de zika vírus transmitido sexualmente
Apesar de não haver provas científicas suficientes para afirmar que a o zika vírus é transmitido sexualmente, as evidências vão aumentando
smt zika capa 720x480 - Um risco a mais: Texas afirma ter registrado caso de zika vírus transmitido sexualmente
Além do zika vírus, o Aedes aegypti é o vetor da dengue e da febre Chikungunya

Carnaval é sempre uma época propícia para campanhas sobre Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs). Este ano, o time de patologias dessa natureza pode ter ganho mais um reforço de peso: o famigerado zika vírus. Segundo o Serviço de Saúde do Condado de Dallas (DCHHS), a região teve um caso de transmissão sexual de zika vírus. O comunicado foi divulgado pelo órgão nesta terça-feira (2).

Segundo a nota oficial, um paciente foi infectado depois de ter tido contato sexual com uma pessoa doente que tinha retornado da Venezuela, onde existe circulação do zika vírus. O serviço não divulgou a identidade dos pacientes. O diretor do DCHHS, Zachary Thompson, toma o caso como prova de que o vírus pode ser transmitido pelo sexo. Porém, até o momento, ainda não existem evidências científicas suficientes para afirmar que a transmissão sexual do zika vírus é possível.

smt zika info 720x480 - Um risco a mais: Texas afirma ter registrado caso de zika vírus transmitido sexualmente

 

Centro de Prevenção e Controle de Doenças dos Estados Unidos (CDC) esclareceu que a agência não investigou como o caso foi transmitido. Também em nota oficial, o CDC afirma que constatou por testes laboratoriais que trata-se de um caso de zika vírus e que esta é a primeira infecção registrada nos EUA em uma pessoa que não esteve fora do país.

Na semana passada, a Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmou que estava investigando um caso de transmissão do zika vírus por contato sexual, sem dar detalhes de onde e quando o caso teria ocorrido. O relato foi divulgado durante o encontro do painel executivo da entidade, em Genebra, que discute epidemias em escala global. Apesar de não haver uma comprovação efetiva, as evidências vão se acumulando e os foliões podem ter ganho um motivo a mais para se protegerem nesse carnaval.

Comentários do Facebook

Receba Notícias por E-mail:

Share via