Virgin Galactic e NASA fecham acordo para coordenar viagens espaciais privadas

virgin galactics nasa
Com acordo entre as partes, Virgin Galactic fica responsável por conectar pessoas que querem ir ao espaço com empresas que podem levá-las para lá

Nesta segunda-feira (22) a Virgin Galactic anunciou que está oficialmente entrando no mercado de turismo espacial, e que passará a coordenar viagens privadas de pessoas que querem sair da Terra e ir visitar a Estação Espacial Internacional (ISS).

Isto será possível graças a um acordo que a empresa assinou com a NASA, que fará com que a empresa se responsabilize pela criação de um novo programa para o preparo e envio de astronautas da iniciativa privada ao espaço junto com a agência espacial dos Estados Unidos. Isso significa que a Virgin ficará responsável por conectar pessoas ou empresas interessadas em enviar alguém para o espaço com aqueles que possuem os meios de efetuar essa viagem, além de coordenar todos os recursos necessários — tanto na Terra quanto no espaço — para que a viagem seja efetuada com total segurança.

O acordo ainda atesta que todos os planos desenvolvidos pela Virgin Galactic passarão por revisão e aprovação da NASA antes de serem colocados em prática, e é a agência espacial que irá decretar se a empresa tem mesmo a capacidade de organizar todo um programa espacial para enviar civis para a ISS

ISS nasa
Parceria faz parte dos planos da NASA de abrir a ISS para fins comerciais (Imagem: NASA)

Quanto a este programa, a Virgin Galactic já decretou que está desenvolvendo todo um treinamento que irá preparar essas pessoas não apenas para os rigores da viagem espacial em si, mas também o básico do que precisarão fazer para operar e viver de maneira “confortável” na Estação Espacial Internacional — e muito provavelmente este treinamento será efetuado dentro das instalações da empresa na Spaceport America, uma base espacial comercial localizada no estado do Novo México.

Esta parceria com a Virgin faz parte também de um plano da NASA em “abrir” a ISS (um projeto que por décadas foi de uso exclusivo para fins acadêmicos e governamentais) para fins comerciais — uma ambição que permitirá também que Tom Cruise protagonize o primeiro filme que será gravado no espaço.

O futuro da Virgin Galactic

virgin galactics
Nave suborbital VSS Unity (Imagem: Virgin Galactic)

Ainda que o objetivo do projeto seja similar ao da Space Adventures, uma empresa de turismo espacial voltada a levar clientes milionários ao espaço, a Virgin Galactic afirmou que está interessada numa gama mais variada de clientes, e irá procurar não apenas pessoas que queiram viajar ao espaço por lazer, mas também empresas e órgãos governamentais que queiram enviar cientistas e pesquisadores para a ISS a fim de efetuar experimentos em ambientes de microgravidade.

O acordo com a NASA marca ainda uma mudança de foco da Virgin Galactic, que há anos tem se dedicado a viagens suborbitais, usando o avião à jato VSS Unity para levar passageiros nos limites de órbita do planeta — e fazer essas pessoas sentirem os efeitos da microgravidade durante alguns instantes — antes de retornar para a pista de pouso.

Até o momento, a Virgin Galactic ainda não efetuou nenhuma operação comercial na área de turismo espacial, e no total enviou apenas cinco pessoas para o espaço — apenas em vôos de teste. Mas a empresa afirma que a experiência que tem com os voos suborbitais, além do fato de boa parte de seus funcionários já terem trabalhado anteriormente em programas espaciais da NASA, faz dela o parceiro perfeito para gerenciar um programa de lançamentos comerciais para a agência espacial dos Estados Unidos.

Como e onde assistir ao lançamento do voo espacial tripulado da SpaceX e NASA
Nave Crew Dragon da SpaceX é uma das opções de transporte que pode ser contratada pela Virgin (Imagem: SpaceX)

Atualmente, a empresa possui duas opções de veículos que podem se contratados para o envio de pessoas ao espaço: a nave Crew Dragon da SpaceX, que recentemente levou com sucesso dois astronautas para a ISS e que vende cada assento a uma média de US$ 60 milhões; e a Soyuz, a nave russa que é relativamente mais cara (cerca de US$ 80 milhões para cada assento) mas que também é a mais confiável, já que possui mais de uma década de viagens de sucesso à ISS em seu currículo.

Além destas duas opções, a nave CST-100 Starliner da Boeing aparece como uma possível terceira opção que poderá ser fretada pela Virgin, mas além de possivelmente ser a mais cara (cada assento deverá custar cerca de US$ 90 milhões) o veículo ainda está em fase de testes, e só deverá levar os primeiros passageiros para fora de órbita em meados de 2021.

Até o momento, a Virgin Galactic não revelou qual destas opções será priorizada pela companhia, mas Mike Moses, presidente da empresa e que já trabalhou na NASA, afirmou que o programa de treinamentos dela deverá levar em conta as particularidades do tipo de veículo que os clientes irão utilizar para serem transportados para fora de órbita.

Fonte: Virgin Galactic

Receba notícias como essa no seu email. Inscreva-se aqui:

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar um comentário

Assine nossa Newsletter