Gottingen: uma cidade que perdeu gerações de gênios matemáticos

Gottingen: uma cidade que perdeu gerações de gênios matemáticos 4
Entenda como um dos maiores centros de pesquisa matemática da Europa caiu em decadência

Existem duas coisas que conectam nomes de famosos gênios matemáticos como Gauss, Reimann, Hilbert e Noether. Uma delas é a brilhante contribuição científica que cada um gerou no seu campo da matemática. A outra é que todos foram professores na Universidade de Gottingen, na Alemanha.

Apesar de não ser uma cidade muito conhecida atualmente, Gottingen, uma pequena cidade universitária alemã, foi um dos centros matemáticos mais produtivos da história por algum tempo.

Neste artigo vamos conhecer a história de ascensão e declínio desse local prestigiado pelo conhecimento.

A “queda” de Gottingen

A subida de Gottingen no campo da matemática ocorreu ao longo de várias gerações, mas sua “queda” levou menos de uma década, quando suas principais mentes foram enviadas ao exterior por causa da ascensão do Nazismo.

As melhores mentes da universidade deixaram a Alemanha no início dos anos 1930, transferindo seu legado de conhecimento matemático para universidades norte-americanas como Princenton, a Universidade de Nova York, entre outras. Por volta de 1943, pelo menos 16 membros de Gottingen já estavam nos Estados Unidos.

Gottingen

A história da ascensão e queda da Matemática em Gottingen já foi esquecida, mas os nomes associados a esse local ainda aparecem constantemente no mundo da Ciência. Seus legados sobrevivem hoje em outros centros de pesquisa matemática ao redor do mundo.

A fundação da universidade

A história de universidade começa há mais de 250 anos. Em 1734, o Rei George II, que governou o Reino Unido e uma grande área de terra no norte da Europa, fundou uma universidade em Göttingen, na Alemanha.

O Iluminismo, movimento político-filosófico da Idade Moderna, estava em pleno andamento no norte da Alemanha. Por exemplo, o matemático Gottfried Leibniz desenvolveu cálculo a menos de 100 quilômetros ao norte da nova universidade, apenas 50 anos antes de sua fundação.

Gottingen

Encontrando-se no meio do Iluminismo, pesquisadores científicos da nova Universidade de Göttingen tinham mais liberdade acadêmica do que gerações passadas.

A eles foram prometidas autonomia intelectual e liberdade de supervisão religiosa. Eles foram recrutados apenas para promover o conhecimento e realizar pesquisas originais. A educação dos estudantes também era mais igualitária do que anteriormente na Europa, já que ricos e pobres eram admitidos e treinados também.

Grandes matemáticos

No final do século XVIII, a universidade em Göttingen era um conhecido centro de aprendizado científico na Alemanha. Sua proeza matemática duradoura, no entanto, originou-se com Carl Friedrich Gauss.

Gottingen

Muitas vezes referido como o “príncipe da matemática”, sua pesquisa em Göttingen, entre 1795 e 1855, abrangeu desde álgebra até magnetismo e astronomia.

As descobertas de Gauss foram inovadoras, mas a reputação que ele começou em Göttingen só cresceu quando matemáticos de toda a Europa se reuniram na cidade.

Bernhard Riemann, o chefe de matemática em Göttingen de 1859 a 1866, inventou a geometria Riemanniana, que abriu o caminho para o futuro trabalho de Einstein sobre a relatividade.

Gottingen

Felix Klein, a chefe de matemática de 1886 a 1913, foi o primeiro a descrever a garrafa de Klein, um objeto tridimensional com apenas um lado, semelhante à faixa de Mobius.

Gottingen

Klein foi fundamental na contratação da próxima geração de matemáticos para Göttingen. Essa geração incluiu Carl Runge, que ajudou a inventar uma parte essencial do software de previsão do tempo mais preciso da atualidade, o time stepper de Runge-Kutta; Hermann Minkowski, que talvez seja mais conhecido por seu trabalho sobre a relatividade; e David Hilbert.

Os famosos 23 problemas de Hilbert, apresentados no Congresso Internacional de Matemáticos em 1900, guiaram a pesquisa matemática para todo o século XX.

Gottingen

Durante sua carreira como professor e chefe do departamento de matemática em Göttingen, ele orientou a espantosa soma de 76 estudantes de doutorado, muitos dos quais passaram a fazer suas próprias descobertas.

O êxodo científico

Após a nomeação de Gauss na universidade até o início dos anos 1930, a destreza matemática de Göttingen sobreviveu em um ambiente de constante agitação política, incluindo as Guerras Napoleônicas, a Guerra Franco-Prussiana e a Primeira Guerra Mundial.

Gottingen

Mas a onda de nacionalismo que acompanhou a ascensão dos nazistas ao poder no início da década de 1930 transformou Göttingen. A Lei de 1933 para a Restauração do Serviço Civil Profissional tornou ilegal para qualquer não-ariano, especificamente judeus, servir como professor ou professor na Alemanha.

Gottingen

Em resposta a essa e a outras leis anti-semitas, acadêmicos judeus, professores com conexões judaicas e qualquer um que se opusesse ao nazismo fugiram da Alemanha.

Emmy Noether, que havia sido a primeira professora de matemática em Göttingen e foi descrita por Einstein como a mulher mais importante na história da matemática, saiu em 1933 para lecionar no Bryn Mawr College.

Gottingen

Richard Courant saiu em 1933 para ajudar a fundar o melhor instituto de matemática aplicada dos EUA na Universidade de Nova York.

Gottingen

Hermann Weyl, que havia sido nomeado sucessor de Hilbert como chefe de matemática em Göttingen, mudou-se para Princeton, onde ajudou a transformar o Institute for Advanced Studies em uma potência de pesquisa.

Gottingen

Hilbert foi perguntado em 1934 pelo ministro da ciência sob o regime nazista se a matemática em Göttingen havia sofrido com a partida dos judeus e amigos dos judeus.

O matemático respondeu: “Sofreu? Não sofreu, senhor ministro. Não existe mais! ”Hilbert estava certo. Apenas um dos professores universitários pré-nazistas permaneceu até 1934.

O centro da matemática mudou rapidamente durante a era nazista e no meio da Segunda Guerra Mundial. Courant, Weyl e outros ajudaram a transferi-lo para o Reino Unido e para os EUA, onde a maioria dos programas de matemática mais bem classificados está localizado hoje.

Gottingen

A herança matemática destes países se origina em Göttingen. De alguma forma, a história científica destes locais de ensino e pesquisa continua sendo a história da continuação de Gottingen.

1 Comentário

Clique aqui para postar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  • Interessante texto! Minha formação é em Filosofia e, muito embora a tradição filosófica seja rica de grandes matemáticos, eu pessoalmente não sei basicamente nada de matemática e, ainda assim, achei o texto muito informativo. Uma das coisas interessantes que achei foi que o regime nazista promoveu realmente uma diáspora de gênios… Eu já tinha lido algo a respeito dos físicos, que inclusive teria sido determinante para a criação da bomba atômica no Projeto Manhattan, mas nunca tinha lido algo a respeito de matemáticos. Pensei que o teorema de Fermat estivesse entre os 23 problemas de Hilbert, mas fui conferir esses problemas e não (ou está com outro nome, mais técnico). Curiosamente, quase todos foram resolvidos ao longo do século XX… Enfim, muitas curiosidades interessantes sobre a matemática! Gostei do texto. Parabéns!

Receba Notícias por E-mail:

Quer receber notícias no seu e-mail?
Holler Box
Share via