Conecte-se conosco
barra

MOBILE

Hugo Barra não é mais o vice presidente da Xiaomi

Hugo Barra, que trabalhou por três anos e meio como vice-presidente da Xiaomi, acaba de sair da empresa e pode voltar ao Vale do Silício.

A situação menos confortável da Xiaomi não é novidade. A marca chinesa perdeu o mercado brasileiro no ano passado, sofre na Índia e está ruim até na China. A novidade da vez, é que o brasileiro Hugo Barra não está mais ocupando o cargo de vice-presidente da empresa.

Esta mudança de planos tornou-se oficial após um comentário do próprio Hugo, em seu perfil no Facebook. Foram três anos e meio de trabalho, que aparentemente não resultaram no que o objetivo de seu cargo esperava: tornar a Xiaomi uma marca mundial.

 

Expansão que (ainda) não aconteceu

Em sua publicação, Barra comenta que os anos que passou em Pequim foram os mais desafiadores de toda sua vida. O brasileiro mudou de trabalho em 2013, quando deixou o alto cargo que ocupava dentro do Google, comandando parte do Android (ele era vice-presidente do Android, só isso). Na época, a Xiaomi vendeu 7,5 milhões de smartphones. Dois anos depois, este número saltou para 61 milhões de unidades, ou um crescimento de 800%. Uau!

Mesmo assim, com um sucesso forte na Ásia, Europa e em alguns países, Barra não conseguiu fazer a Xiaomi brilhar em muitos lugares. A empresa tentou trazer sua fama ao Brasil em 2015, abandonando o barco pouco tempo depois e com apenas dois smartphones, o Redmi 2 e Redmi 2 Pro. Até mesmo nos Estados Unidos, um mercado gigantesco e que gasta dinheiro, a marca asiática não conseguiu marcar presença forte.

Recentemente, na CES deste ano, muitos aparelhos foram apresentados. O problema é que a maioria deles fica focado lá na China, com pouca coisa pensada para outros mercados.

No Brasil, a marca pode ter atrapalhado

Por aqui o insucesso é bastante estranho. Muitos falavam bem da marca, continuam falando e a empresa realmente entrega bons produtos. Ao meu ver, o que pesou para a Xiaomi, mesmo com o forte apelo de marketing de guerrilha e Barra dando as caras para mostrar que “a empresa do outro lado do mundo tem um brasileiro em alto cargo”, foi a própria marca. O público brasileiro está prestando atenção no preço, que é onde a Xiaomi mais consegue atrair consumidores. O problema é que ela ainda, mesmo com um brasileiro perto do comando, uma “empresa com nome xing-ling”. E isso pega mal por aqui.

A China vem, assim como fez Taiwan, mudando a forma como é vista. De maior fabricante de cópias de péssima qualidade, para pioneira em tecnologia e produtos de ponta. Duvida? Olhe a DJI, que domina com facilidade o mercado de drones e tem as melhores opções do mercado – Mavic, uma pérola em drones e um que está nos meus planos de compra. A Lenovo é outro exemplo, está segurando as rédeas da Motorola e mostrou que notebooks podem evoluir para outros produtos.

Mas, por outro lado, produtos chineses ainda não conseguem os mesmos holofotes no Brasil. Brasileiro gosta de marcas conhecidas e consolidadas, abrindo pouco espaço para novatas.

De qualquer forma, é quase que impossível que com o currículo que Hugo Barra tem, ele fique longe de alguma empresa de tecnologia. Afinal de contas, tendo o Google e por ter passado como vice-presidente do Android por anos, Barra tem um espaço especial dentro do Vale do Silício.

Continue lendo
Advertisement

Jornalista formado, amante de tecnologia desde pequeno. Faz muito tempo que já escreve sobre tecnologia. Nintendista por paixão e entusiasta dos drones (só falta dinheiro para ter um Mavic Pro).

Comentários
Subir