Conecte-se conosco
o CARL SAGAN MARIJUANA facebook - Uma entrevista inesquecível com o brilhante astrofísico Carl Sagan

Ciência e Tecnologia

Uma entrevista inesquecível com o brilhante astrofísico Carl Sagan

Hora de relembrar uma brilhante entrevista que o cientista deu a revista Rolling Stone, antes de nos deixar em 1996.

Em um tempo em que a ignorância e a falta de conhecimento parecem tomar conta dos meios de comunicação atuais, nada mais apropriado do que tentar trazer um pouco de luz às trevas mentais que nos encontramos ao relembrarmos do célebre astrofísico Carl Sagan. A seguir, iremos conferir em detalhes uma entrevista dada pelo pesquisador logo após a estreia de seu famoso documentário “Cosmos”, mais de 30 anos atrás.

O poder da ciência

No final de agosto de 1980, o extraordinário interlocutor Jonathan Cott visitou a casa de Sagan em Los Angeles para entrevistá-lo para a revista Rolling Stone. Na crescente conversa que se seguiu, Sagan entrou em seu nexo entre o científico e o poético para contemplar nossa compreensão do universo e de nós mesmos, a natureza da realidade e do conhecimento humano, e como viver com o desconhecido. Sagan diz a Cott:

carl sagan cientista estadunidense - Uma entrevista inesquecível com o brilhante astrofísico Carl Sagan

“É um momento crítico na história do mundo … Somos os representantes do cosmos; Somos um exemplo do que átomos de hidrogênio podem fazer, dados quinze bilhões de anos de evolução cósmica. E nós ressoamos nessas questões. Começamos com a origem de todo ser humano, e depois a origem de nossa comunidade, nossa nação, a espécie humana, quem eram nossos ancestrais e depois o enigma da origem da vida. E as perguntas: de onde veio a Terra e o Sistema Solar? De onde vieram as galáxias?

Cada uma dessas perguntas é profunda e significativa. Eles são o tema do folclore, mito, superstição e religião em todas as culturas humanas. Mas pela primeira vez estamos à beira de responder a muitos delas. Não pretendo sugerir que temos as respostas finais; estamos nos banhando em mistério e confusão em muitos assuntos, e acho que esse será sempre o nosso destino. O universo sempre será muito mais rico que nossa capacidade de compreendê-lo.”

Na verdade, entender todo o universo parece uma aspiração muito grandiosa quando estamos continuamente lutando para entender o minúsculo subconjunto do universo que somos nós mesmos. Três verões antes desta entrevista, Sagan encabeçou O Registro de Ouro – uma tentativa poética de tal autocompreensão, refletindo a humanidade de volta a si mesma.

1258lg - Uma entrevista inesquecível com o brilhante astrofísico Carl Sagan

Agora, com um olho para outro marco triunfo da auto-reflexão possibilitada pelo progresso científico – a icônica fotografia da Terra tirada pelos astronautas da Apollo 8 em 1968 – Sagan considera o imenso e paradoxal presente da perspectiva cósmica:

“Você viu [a Terra] pela primeira vez como uma minúscula bola azul flutuando no espaço. Você percebeu que havia outros mundos semelhantes, distantes, de diferentes tamanhos, diferentes cores e constituição. Você entendeu que nosso planeta era apenas um em uma multidão. Acho que há dois benefícios aparentemente contraditórios e ainda muito poderosos dessa perspectiva cósmica – o sentido de nosso planeta como um em um grande número e o sentido de nosso planeta como um lugar cujo destino depende de nós.”

Nesta consciência reside uma lembrança humilhante e inquietante das nossas limitações de criatura. Nós navegamos o mundo pela nossa percepção do senso comum, mas essa percepção nos cegou para a realidade incontáveis vezes. Nós confundimos nossas intuições sensoriais com fatos do universo – por milênios, nós tínhamos crenças erradas sobre a forma, movimento e posição da Terra, porque ela se sente plana e estática sob nossos pés, e é central na ordem do cosmo.

Temos processos e fenômenos que estão além dos limites do que podemos tocar e sentir com nossos sentidos limitados – da evolução, que se desdobra em escalas de tempo muito vastas para serem visíveis dentro da vida humana, à mecânica quântica, que opera em escalas subatômicas imperceptíveis e quase inconcebível para o observador humano. Muito antes de Sagan nos equipar com um antídoto para as “armadilhas comuns do senso comum” em seu atemporal Kit de Detecção de Baloney para o pensamento crítico, ele diz a Cott:

“O senso comum funciona bem para o universo que estamos acostumados, para escalas de tempo de décadas, para um espaço entre um décimo de milímetro e alguns milhares de quilômetros, e para velocidades muito menores que a velocidade da luz. Quando deixamos esses domínios da experiência humana, não há razão para esperar que as leis da natureza continuem a obedecer às nossas expectativas, uma vez que nossas expectativas dependem de um conjunto limitado de experiências.

[…]

Temos que ser muito cuidadosos para não impor nossas esperanças e desejos no cosmos, mas sim, na tradição científica e com a mente mais aberta possível, ver o que o cosmos está dizendo para nós.”

carl - Uma entrevista inesquecível com o brilhante astrofísico Carl Sagan

Sagan aponta para uma ofuscação particularmente explícita da realidade, impulsionada por nossas esperanças, desejos e ilusões egocêntricas – a astrologia:

“[Astrologia é] como racismo ou sexismo: você tem doze pequenos compartimentos, e assim que você coloca alguém como membro desse grupo em particular, desde que alguém seja um Aquário, Virgem ou Escorpião, você conhece suas características. Isso poupa o esforço de conhecê-lo individualmente.”

Sagan termina considerando a natureza do próprio conhecimento humano. Com base em seu passado, ele projeta va seu futuro:

“O conhecimento humano é um conjunto de aproximações sucessivas … Há todos os tipos de coisas que nós erramos, e todo o tipo de coisas incompreensíveis que não podemos sequer vislumbrar que será o fato estabelecido em um século ou dois.

[…]

Há dois extremos para se preocupar. Um é o extremo em que tudo é conhecido e não há mais nada a fazer. O outro é onde tudo é tão complicado que você nunca pode começar a fazer nada. Temos a sorte de viver em um universo onde existem leis da natureza e coisas para descobrir, mas elas não são impossivelmente difíceis, então podemos entendê-las até certo ponto. Mas eles também são difíceis o suficiente para que não entendamos todos eles. Há descobertas emocionantes que ainda precisam ser feitas. É o melhor mundo possível.”

139 - Uma entrevista inesquecível com o brilhante astrofísico Carl Sagan

É incrível como a mensagem de Carl Sagan continua mais viva do que nunca na atualidade. Cabe a cada um de nós, como seres humanos e parte de um universo maior do que podemos imaginar, compreender mais sobre nós mesmos e questionar o mundo que nos cerca. Quem sabe esse não é o caminho não somente para entender o nosso mundo, nosso sistema solar, nosso universo mas cada indivíduo e como podemos viver melhor juntos nesse pontinho azul minúsculo no meio do cosmos?

Continue lendo
Advertisement

Sou um amante de ciência, livros e games desde que ganhei meu primeiro videogame e pude ler meu primeiro livro completo. Também sou graduando em Ciência da Computação pela UFRGS e programador inveterado nas horas vagas.

Comentários
Subir