Conecte-se conosco
As tecnologias por trás do Apex FullView são tão impressionantes que ninguém quis saber das demais especificações. Nele, tudo se concentra no display

Android

Apex FullView: novo smartphone da Vivo tem tela sem bordas de verdade

Apesar de ser apenas um protótipo, o modelo impressiona por esconder todos os seus sensores, incluindo a câmera frontal, de forma engenhosa embaixo da tela

Apesar de ainda sofrerem muito preconceito, não há como negar que as fabricantes chinesas são as que ousam quando o assunto é design e novas funcionalidades. Depois do Xiaomi Mi Mix praticamente pavimentar o caminho para os smartphones ‘quase’ sem bordas, a Vivo, uma das maiores fabricantes da China, decidiu levar este conceito ao extremo.

O smartphone, que ainda é apenas um conceito, foi batizado como Apex FullView, e assim como você talvez nunca tenha ouvido falar da fabricante dele, certamente nunca viu um smartphone parecido.

1 720x405 - Apex FullView: novo smartphone da Vivo tem tela sem bordas de verdade

A tela do Apex FullView esconde todos os sensores da parte frontal do aparelho (Foto: Divulgação/CNET)

Pra começar, o Apex é o primeiro telefone com um incrível aproveitamento de tela de 98%. Ou seja, a não ser por uma fina borda na parte inferior do display, a frente do smartphone é inteiramente ocupada pela tela – nem mesmo a câmera frontal está ali para ocupar algum espaço.

No Apex FullView, tudo é como um show de teatro, o verdadeiro espetáculo acontece por trás das cortinas, sem que possamos ver

Embora o aproveitamento de tela seja, por si só, bastante impressionante, mais bacana ainda é como a Vivo ‘escondeu’ todos os outros componentes que ocupariam a parte frontal de um smartphone comum:

2 2 720x405 - Apex FullView: novo smartphone da Vivo tem tela sem bordas de verdade

A câmera frontal se eleva e se retrai automaticamente (Foto: Divulgação/CNET)

Os sensores de luz ambiente e proximidade, por exemplo, ficam atrás do display; já o tradicional alto-falante para chamadas, por sua vez, foi substituído por um sistema que utiliza a tela e a carcaça do dispositivo para emitir as ondas sonoras.

A câmera frontal é no formato pop-up, similar ao flash das câmeras DSLR, e foi engenhosamente inserida no topo do aparelho. Sempre que você abrir o software de câmera e alternar para a visão frontal, um mecanismo automático se encarrega de elevá-la, retraindo-a novamente assim que o aplicativo for fechado.

E como se já não bastasse…

3 1 720x405 - Apex FullView: novo smartphone da Vivo tem tela sem bordas de verdade

(Foto: Divulgação/CNET)

A terceira solução em design aplicada pela Vivo foi inserir o leitor de impressões digitais no próprio display do aparelho: toda a metade inferior da tela capaz de reconhecer as digitais do usuário e usá-las para desbloquear o sistema ou autenticar pagamentos, igualzinho a um leitor comum, só que bem grande e na tela.

A Vivo explica que, com a luz emitida pelo display, um sensor localizado atrás da tela utiliza o espaço entre os pixels para ‘ver’ e reconhecer o padrão das digitais.

As tecnologias por trás do Apex FullView são tão impressionantes que ninguém quis saber das demais especificações. Nele, tudo se concentra no display

Embora o sistema seja bastante impressionante, ele não é exatamente inédito: a própria Vivo já apresentou um smartphone com essa tecnologia, mas devido as limitações e o alto-custo do componente, que só funciona em telas OLED, inclusive, é possível que demore um pouco até o vermos em dispositivos de produção em massa.

Apenas um conceito e nada mais

4 720x405 - Apex FullView: novo smartphone da Vivo tem tela sem bordas de verdade

(Foto: Divulgação/CNET)

Apesar de o que vermos acima ser um protótipo totalmente funcional, a Vivo revela que não tem planos para tornar o Apex FullView uma realidade. Por enquanto, o projeto é mantido em fase de conceito e a empresa sequer revela se pretende continuar desenvolvendo a ideia.

Contudo, mesmo com esse enorme balde de água fria, o fato de um conceito tão interessante ser completamente plausível (e funcional) nos faz pensar que, talvez, nos próximos dois ou três anos, smartphones com todas essas tecnologias sejam comuns.

Fonte: Vivo

Continue lendo
Advertisement

19 anos, brasiliense, acadêmico de Direito e apaixonado por tecnologia, informação e entretenimento.

Comentários
Subir