Apple apresenta novo processador M1 para Macs

Imagem do novo processador M1 da Apple
Processador M1 é o 1º chip de fabricação própria da Apple para Macs com arquitetura ARM, oferecendo mais performance e consumindo menos energia

A Apple lançou o processador M1, que vai equipar a nova geração de Macs baseados em arquitetura ARM, nesta terça-feira (10). A empresa apresentou o novo chip num evento realizado de maneira virtual, por conta da pandemia do novo coronavírus.

A novidade é que esse o primeiro processador desenvolvido pela Apple para Macs. Com isso, a empresa implementa um processador da família Apple Silicon (que já equipa modelos de iPhone, iPad e Apple Watch) nos seus notebooks e computadores.

Isso é histórico porque marca o fim da parceria entre Apple e Intel para Macs, trazendo a maior mudança nos notebooks e computadores da empresa nos últimos 15 anos. Isso porque desde 2006, eram processadores da Intel que equipavam os Macs.

“É uma nova era para Macs, que dá um salto gigante para frente.”

John Ternus, vice-presidente de engenharia de hardware da Apple

O novo SoC (“System on a Chip“) da Apple tem cinco nanômetros, igual ao A14 que equipa o iPhone 12 e no iPad Air 2020, e promete alta performance com economia de energia. No evento virtual, a Apple também lançou MacBook Pro, MacBook Air e Mac Mini. Todos equipados com o novo processador M1, com arquitetura ARM. Graças a isso, a Apple afirma que são os Macs que oferecem a “maior duração de bateria” do seu portfólio.

Processador M1: Mais performance, por menos bateria

Imagem do novo processador M1 da Apple
Novo processador da Apple traz CPU e GPU integradas (imagem: Apple/Divulgação)

De acordo com a empresa, o foco do novo processador é combinar performance com eficiência energética, num componente compacto. Segundo a Apple, este é o primeiro chip para computadores pessoais fabricado por um processo com tecnologia para ter cinco nanômetros.

O M1 traz uma CPU octa-core, que a Apple diz que oferece a melhor performance por watt do mundo num computador pessoal. A CPU traz quatro núcleos de alta-performance e quatro de alta-eficiência, que, segundo a Apple, são os mais rápidos do mundo.

Só esses quatro núcleos de alta-eficiência já oferecem performance similar ao do processador dual-core da Intel que equipa a geração antecessora de MacBook Air, informou a Apple. E consumindo “muito menos energia”, como descreveu a empresa. Com isso, a Apple diz que esses núcleos do processador M1 são mais eficientes para processar tarefas cotidianas, como navegação na internet, de forma que economiza bateria.

O novo processador M1 também traz uma GPU octa-core, que a empresa diz que oferece o processamento gráfico integrado mais rápido do mundo (também considerando o nicho de computadores pessoais), com capacidade de rodar quase 25 mil threads simultaneamente e 2,5 teraflops de taxa de transferência. Isso significa que a GPU oferece “performance suave” em tarefas pesadas e complexas, como rodar vídeos em 4K simultaneamente e renderizar cenas complexas em 3D.

Imagem do novo processador M1 da Apple
Processador M1 tem 5nm e 16 bilhões de transistores (imagem: Apple/Divulgação)

A CPU e GPU do processador M1 funcionam junto a 16 bilhões de transistores e ao motor neural de 16 núcleos da Apple (o Apple Neural Engine), que possui capacidade de processar 11 trilhões de operações por segundo.

Na prática, a empresa diz que o novo chip oferece a mesma performance que uma CPU típica de notebook, só que consumindo um quarto da energia necessária para entregar esse nível de performance. Em comparação à geração antecessora de Macs, com chips Intel, o processador M1 traz performance da CPU 3,5x mais rápida, performance da GPU 6x mais rápida e capacidade de machine learning 15x mais rápida, de acordo com a Apple.

“Com uma combinação única de alta performance, recursos poderosos e eficiência incrível, o M1 é de longe o melhor processador que já criamos.”

Johny Srouji, vice-presidente sênior de tecnologias de hardware da Apple

O novo processador da Apple conta com uma arquitetura de memória universal, que agiliza o acesso das tecnologias aos dados processador no SoC. A empresa diz que isso melhora a performance e a eficiência do processador, que traz ainda um controlador Thunderbolt com suporte para USB 4 (e “design Apple”, como a empresa descreveu) e aceleradores de machine learning. O chip também traz mecanismos de segurança, como boot de verificação de hardware e motores que codificam e decodificam mídia.

Imagem do novo processador M1 da Apple
Chip M1 oferece ‘melhor performance do mundo’, segundo a Apple (imagem: Apple/Divulgação)

Como o processador M1 vai funcionar no Mac?

Para exemplificar o “poder” do novo processador, a Apple informou que o novo MacBook Air (que traz o chip M1) consegue rodar 18 horas de vídeo e oferecer 15 horas de navegação na internet com apenas uma carga. A título de comparação, no modelo antecessor do notebook da Apple, que traz processador da Intel, a capacidade para essas mesmas coisas é de 12 e 11 horas, respectivamente. E o novo modelo não precisa de cooler, o que deixa seu funcionamento mais silencioso.

Já o novo MacBook Pro, que também traz o novo processador da Apple, é capaz de oferecer 20 horas de reprodução de vídeo e 17 horas de navegação na web. Seu antecessor oferece até 10 horas em ambas as “categorias”, segundo a empresa.

Segundo a empresa, outra vantagem do novo chip é permitir que o Mac saia do “modo inativo” de forma instantânea, de forma parecida ao que acontece no iPhone e no iPad, além de oferecer uma performance boa mesmo enquanto o aparelho roda programas 3D ou de edição de vídeos em 4K.

Imagem do novo Mac rodando no processador M1
Apple otimizou macOS Big Sur pro chip M1 (imagem: Apple/Divulgação)

Outra novidade é que a Apple otimizou o macOS Big Sur (sistema operacional mais recente para Macs), bem como seus apps, para rodarem no novo processador M1. Segundo a empresa, o objetivo da otimização foi garantir que o sistema aproveite toda a capacidade do processador M1, aprimorando a performance, duração da bateria e recursos de segurança.

A empresa informou que o Final Cut Pro está seis vezes mais rápido e que o Logic Pro agora aguenta três vezes mais faixas de áudio. Já aplicativos e programas de outras empresas, como a Adobe, também devem chegar aos novos Macs com processador M1. Aliás, a Adobe deve lançar o Lightroom, que é voltado para edição de fotos, ainda neste ano, segundo a Apple. A empresa também informou que o Photoshop deve chegar em 2021.

Print do novo Mac rodando no processador M1
Apps de terceiros também serão otimizados pro M1 (imagem: Apple/Divulgação)

Transição entre processadores da Intel e Apple

A Apple informou que planeja trazer todos os modelos de Macs para os seus processadores nos próximos dois anos, reiterando o que tinha comunicado na WWDC 2020.

Para dar início a essa transição, a empresa oferece o Rosetta 2, que é um programa para que os programas desenvolvidos a princípio apenas para a plataforma Intel possam rodar na nova plataforma do M1. O programa também vai garantir que apps de iOS (sistema operacional do iPhone) e iPadOS (sistema operacional dos tablets da Apple) rodem nos novos Macs.

Assista abaixo tudo que rolou no evento da Apple:

Fontes: Apple e The Verge


Curtiu esse novo processador M1? Então dê uma olhada nesta matéria do Showmetech que traz os detalhes sobre os novos Macs equipados com o chip da Apple!

Receba notícias como essa no seu email. Inscreva-se aqui:

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar um comentário

Assine nossa Newsletter