É fake: saiba como identificar perfis falsos na internet

Usuário online possivelmente alimentando um de seus perfis falsos em uma rede social, ele manipula seu computados em uma cama
Seja em apps de relacionamento, discussões políticas ou golpes financeiros, os fakes estão ainda mais presentes durante a pandemia: veja nosso guia para saber como encontrá-los
Anúncio
É fake: saiba como identificar perfis falsos na internet

Na internet, assim como na vida, nem sempre as pessoas são quem dizem ser. Essa é uma constante que vale para todos os meios digitais e objetivos online: independente do meio, é quase certo de que haverá perfis falsos para deturpá-lo. Os objetivos para isso também são vários, desde uma “trollagem” básica em aplicativos de relacionamento e redes sociais, passando por robôs de resposta automatizada até perfis falsos para a execução de roubos e golpes online.

O ponto é: os fakes são sempre presentes na internet. Mas por mais presentes que eles sejam, há diversos sinais que denunciam a presença de um deles (ou mais) em uma conversa. Por isso, elaboramos este guia, contando como identificar perfis falsos na internet a fim de preservar a sua segurança:

É importante identificar perfis falsos na internet
Perfis falsos permeiam a internet, mantidos por hackers ou pessoas com más intenções ao interagir com você: veja cuidados para se prevenir (Imagem: Reprodução)

Como eu identifico perfis falsos?

Buscar saber se um perfil com o qual você está interagindo é falso ou não é o tipo de situação sem meio termo: não há garantias de que suas pesquisas irão gerar algum resultado (o que não inocenta um possível perfil fake: de repente, a pessoa só é muito boa em esconder rastros), mas quando você tem resultados, como diz a expressão, “é tiro e queda”.

Felizmente, há alguns sinais comuns que denunciam que você está interagindo com alguém que não é quem diz ser. São eles:

  1. O perfil tem pouquíssimas fotos, ou mesmo apenas uma foto.
  2. A data de criação da página da “pessoa” ou “empresa” é recente: não é nenhum crime criar uma conta no Facebook em pleno 2020, mas é algo bem incomum. A maioria dos usuários da rede trazem perfis que datam entre 2008 e 2015, por exemplo. Perfis autênticos com criações recentes geralmente trazem alguma justificativa bem evidente, como perda de acesso a contas anteriores ou um usuário que retorna depois de um tempo ausente.
  3. Poucos ou nenhum contato em comum ou interesses similares: a premissa de qualquer rede social é conectar você com pessoas que tragam gostos similares aos seus, ou que tenham amigos em comum. Isso dito, embora exista uma possibilidade de que aquele contato que lhe adicionou sem nenhuma relação aparente seja autêntico, grandes são as chances de que não seja esse o caso. Duvide sempre de pedidos que vêm “do nada” e, mesmo em caso de poucos conhecidos compartilhados, antes de aceitar, procure questionar quem você conheça a fim de obter mais informações.
  4. Quando não há interação alguma com o perfil depois de você tê-lo aceitado: casos assim são comuns em perfis falsos que buscam “crescer artificialmente” seu volume de seguidores nas redes sociais. Estes são mais vistos no Instagram, basicamente seguindo você para que você se sinta compelido a segui-lo de volta. Uma vez que você faz isso, o perfil automaticamente deixa de te seguir e torce para que você eventualmente esqueça dele.
  5. Perfil aberto, mas com pouco volume de publicações e baixa interação com outros contatos: o perfil em questão posta muito ou pouco? Do que já postou, é conteúdo de autoria própria ou recompartilhamento de outras fontes? Veja também o volume de interações de usuários, pois se o perfil tem muitos amigos mas poucos likes e comentários, é sinal de que ele não apenas é fake, mas os “amigos” também podem sê-lo.
  6. Peça por uma chamada de vídeo: ok, ninguém está dizendo para sair fazendo vídeo chamadas a todo e qualquer perfil que acabou de se conectar com você (nem tampouco usar o famoso “manda foto de agora”), mas se um perfil com quem você já está interagindo há algum tempo e tem relativa proximidade ainda se recusa a mostrar-se de alguma forma para você, fique atento. Donos de perfis falsos normalmente evitam câmeras e qualquer coisa “ao vivo”.
  7. Confirme suas histórias: perfis falsos tendem a elaborar histórias incrivelmente detalhadas, no intuito de cobrir possíveis buracos em uma mentira. Mas o erro deles nisso é o de que detalhes demais também são igualmente suspeitos. Se uma história parece escandalosa demais para ser verdade, boas são as chances de ela realmente não ser real, o que, aliás, nos leva ao próximo ponto…
  8. RECONFIRME suas histórias: contos excessivamente detalhados trazem tantas informações que, não raro, perfis falsos terão dificuldades para se lembrar depois. Então certifique-se de, tempos depois, conduzir o assunto novamente para essa mesma história. É possível que detalhes mais essenciais tenham mudado, o que é um sinal bem claro de perfil falso. Uma busca rápida no Google mostra casos onde alguém disse ter saltado de paraquedas para, semanas depois, afirmar que era um voo de asa delta, por exemplo. Estes pequenos detalhes geralmente fazem uma história mais complexa ruir.

Há também outras dicas: poucas informações públicas, por exemplo, em um perfil aberto, geralmente denunciam um fake que foi levantado às pressas e a pessoa por trás dele não quis se incomodar com esses detalhes. Não consegue identificar onde a cidade onde a pessoa mora ou de onde ela é? A pessoa comete erros gramaticais toscos demais (não nos referimos a gírias, mas sim a coisas que literalmente ninguém erraria) e repetidas vezes? Detalhes como idade ou ocupação não são informados e a pessoa reluta quando questionada? Boas chances de “ela” não ser “ela”.

Existem diversos sinais que denunciam a presença de perfis falsos nas redes (Imagem: Reprodução/BrandsOn Digital)
Existem diversos sinais que denunciam a presença de perfis falsos nas redes (Imagem: Reprodução/BrandsOn Digital)

Tipos de fake

Os sinais acima servem como uma orientação mais generalista, mas é importante tomar cuidado com o tipo de perfil fake por onde recai a sua suspeita. Isso porque, ao contrário do que a cultura pop nos mostra, uma persona falsa nas redes sociais não necessariamente é alguém agindo sozinho, mas pode muito bem ser parte de um crime.

O fake mais comum é conhecido como “Catfish”, um nome que geralmente é atribuído a perfis em redes e apps de relacionamento (Tinder, Happn e similares) onde a pessoa da foto não corresponde à pessoa que está digitando por trás dela. Isso acabou popularizado por programas de TV como o reality show “Catfish”, da MTV, em exibição desde 2012, mas a ideia serve para qualquer intenção que represente uma pessoa fingindo ser outra pela internet. Nestes, as dicas acima geralmente costumam funcionar.

O maior problema de perfis falsos na internet, hoje, são os perfis dedicados ao “phishing”. Basicamente, isso se trata de um esquema ilegal cujo objetivo é enganar você a fornecer informações sigilosas (credenciais de acesso a perfis online, número do seu cartão de crédito ou dados e senhas bancárias, entre outras) a fim de lhe causar danos — comumente, financeiros.

O phishing se estabelece de várias formas: lojas online cuja marca não é muito conhecida mas traz promoções e benefícios bons demais para serem verdade são um exemplo recente (sobretudo no Instagram, onde os stories eliminam qualquer traço de tentativas de golpe em 24 horas).

Outro exemplo de phishing envolve a criação de e-mails falsos (ou roubo de identidades verdadeiras) que se passam por remetentes de uma organização. Isso é comum tanto para consumidores como para funcionários de uma companhia: geralmente, esses perfis falsos abordam as vítimas com comunicados “informando”, por exemplo, que algum software do seu banco está desatualizado e você deve providenciar a correção ao acessar um determinado link; ou então um colaborador de uma empresa tem um “bônus” lhe aguardando e deve preencher um formulário online para receber o prêmio.

Tanto os links como os formulários são páginas maquiadas para capturar suas informações sigilosas e cometer atos ilícitos em seu nome.

Nestes casos, é importante você conhecer a política de interação das empresas com seus consumidores e funcionários: via de regra, bancos, por exemplo, não enviam links nem pedem informações via e-mail, preferindo orientar o cliente a entrar em contato com suas agências ou acessarem (por conta própria) o aplicativo correspondente. Empresas comumente reforçam políticas de interação, pedindo que e-mails com links ou anexos não sejam enviados e, em caso de dúvidas, orientam seus funcionários a procurarem os departamentos tecnológicos internos.

Existe também o "phishing", que constitui na criação de um perfil falso para roubar, via e-mail ou links corrompidos, credenciais de login e senhas de cartão de crédito (Imagem: Reprodução/Credilink)
Existe também o “phishing”, que constitui na criação de um perfil falso para roubar, via e-mail ou links corrompidos, credenciais de login e senhas de cartão de crédito (Imagem: Reprodução/Credilink)

Como a tecnologia nos ajuda a identificar um fake?

Todos esses cuidados são derivativos das ações que você toma, mas e quando um perfil fake acaba sendo inteligente o suficiente para escapar dessas medidas? Nestas horas, você conta com algumas (ok, várias!) ferramentas que podem dar um aspecto mais técnico à sua investigação, tais como:

Busca reversa de imagens do Google: donos de perfis falsos normalmente usam fotos públicas para compor seus perfis enganadores, então clique na imagem com o botão direito do mouse e selecione “Copiar endereço de imagem”. Depois, vá ao buscador de imagens do Google (images.google.com), clique no símbolo da câmera e cole o endereço copiado.

A partir daqui, o Google vai buscar outras fontes que possam estar usando a mesma imagem da qual você suspeita. Se nada for encontrado, não desanime, tente com mais fotos do perfil (se houver) e veja o que encontra. Apenas atente-se ao fato de que o Google não indexa fotos do Instagram, então o cuidado neste caso é redobrado. No exemplo abaixo, buscamos pela imagem do autor deste guia:

  • É fake: saiba como identificar perfis falsos na internet
  • É fake: saiba como identificar perfis falsos na internet
  • É fake: saiba como identificar perfis falsos na internet

Busque o nome da pessoa no Google: sabe aquela brincadeira de “dar um Google” no seu nome e ver o que a internet retorna sobre você? É a mesma coisa, mas direcionada ao perfil falso. Geralmente, o buscador consegue encontrar alguns conteúdos relacionados ao nome buscado, então se nada aparecer, é hora de ficar em alerta. Novamente, buscamos pelo nome do autor deste guia para fins de exemplo:

  • É fake: saiba como identificar perfis falsos na internet
  • É fake: saiba como identificar perfis falsos na internet

Use as ferramentas das redes sociais: o Facebook permite que você ajuste suas configurações de privacidade de forma a impedir que qualquer pessoa lhe adicione como um de seus contatos. Na barra superior, abra o menu de configurações (a seta apontando para baixo) e depois em “Privacidade” no canto esquerdo. Nessa guia, há uma série de opções que determinam quem pode interagir com você e em qual nível, bem como quem pode ver o que você posta. Isso não impede que pessoas desconhecidas lhe mandem mensagens, mas o filtro da plataforma jogará abordagens assim em uma guia específica.

Já no Instagram, você pode configurar a sua conta como “Privada” (toque na sua foto de perfil, depois nas três listras horizontais, “Configurações” e, finalmente “Privacidade”), a fim de que qualquer solicitação de seguidores tenha que ser previamente aprovada por você. Isso também barra mensagens de remetentes desconhecidos. Clique nas imagens abaixo para vê-las em tamanho completo:

  • facebook 2
  • É fake: saiba como identificar perfis falsos na internet

Conte com apps de terceiros: existe um app chamado “FakeOff”, atrelado diretamente ao Facebook, que basicamente serve para analisar todas as dicas listadas mais acima, por meio de um algoritmo. A sua versão gratuita analisa até 10 dias retroativos do calendário do perfil suspeito, enquanto a paga vai até um ano para trás. Com esses dados, ele estabelece uma “nota” de 1 a 10, onde quanto maior for o número, maior é a chance de um perfil ser falso.

fakeoff
FakeOff, disponível pelo próprio Facebook (Captura de Imagem: Rafael Arbulu/Showmetech)

Agora se você está em apps como Grindr ou Tinder, o Veracity (iOS, sem versão para Android) é um aplicativo que funciona da mesma forma que a busca reversa do Google, comparando fotos dos perfis com bases de dados espalhadas pela internet.

É fake: saiba como identificar perfis falsos na internet
Veracity, que você pode baixar para o seu iPhone (Captura de Imagem: Rafael Arbulu/Showmetech)

Confirmado: é fake! O que faço agora?

Ao melhor modo “CSI” de ser, você descobriu — ou se assustou demais com a suspeita — um perfil falso. Sabemos que a tentação em partir para a ofensiva e “expor” a pessoa é grande, e você não estaria sem razão ao fazê-lo. Mas antes, considere alguns pontos importantes.

  1. Tente conversar com a pessoa, encorajá-la a se revelar: Não é a maioria dos casos, mas alguns perfis falsos são mantidos por pessoas que possam estar sofrendo de algum transtorno ou depressão, e assumir uma postura de confronto logo de cara pode acabar piorando a situação da pessoa. De repente, expor o seu conhecimento de que aquele é um perfil fake de forma mais receptiva pode fazer com que a pessoa se mostre, já que você buscou entendê-la antes de atacá-la.
  2. Avise amigos: se de repente você perceber que o perfil falso adicionou também pessoas do seu círculo de amizades, avise-os. Eles são tão vítimas quanto você e merecem saber do que está acontecendo. Eles podem ser os próximos, afinal.
  3. Alerte adultos e autoridades: Independente do quão simples um fake possa parecer, o ato de criar perfis falsos pode ser enquadrado no crime de falsidade ideológica (Artigo 299 do Código Penal). E como você não tem como saber quem de fato está por trás de um fake, há certos riscos a serem considerados: se você for menor de idade, avise seus pais para que eles alertem as autoridades — pedófilos comumente se escondem em perfis do tipo.
  4. Bloqueie o contato: provavelmente a primeira e mais simples das ferramentas, você pode bloquear o perfil suspeito de ter qualquer interação com você. No Facebook, você faz isso ao acessar a página do perfil em questão e clicando no símbolo das reticências (“…”) e escolhendo a opção “Bloquear”. No Instagram, o processo é o mesmo.
  5. Denuncie o perfil às plataformas: a rede social por onde você interagiu com a pessoa suspeita também deve ser notificada, com um processo exatamente igual ao passo anterior e selecionando a opção correspondente. Eles tomarão ação e provavelmente vão deletar o perfil denunciado, por motivo de violação dos termos de uso.

Fontes: Ditch The Label; Cybint Solutions; FakeOff for Facebook; Google Imagens

Receba notícias como essa no seu email. Inscreva-se aqui:

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar um comentário

Assine nossa Newsletter