Cientistas fazem 1ª conexão sem fio do cérebro humano a um computador. Tecnologia criada pela braingate permite que pessoas com paralisia façam uma conexão sem fio do cérebro a um computador para controlar a máquina

Cientistas fazem 1ª conexão sem fio do cérebro humano a um computador

Avatar of luís antônio costa
Tecnologia criada pela BrainGate permite que pessoas com paralisia façam uma conexão sem fio do cérebro a um computador para controlar a máquina

A Ciência está progredindo de forma a ultrapassar até nossa imaginação de ficção-científica. Pesquisadores da Universidade de Brown nos Estados Unidos criaram um sistema que permite a conexão sem fio do cérebro humano. E, agora, eles tiveram sucesso no seu experimento ao conectar pela primeira vez o cérebro de uma pessoa com paralisia a um computador sem o uso de fios. Criada pela BrainGate, o teste clínico da nova tecnologia envolveu um pequeno transmissor que conecta o córtex-motor da pessoa ao computador.

O que é a BrainGate e como ele faz a conexão sem fio do cérebro

A BrainGate é uma organização de pesquisa criada por pesquisadores da Universidade de Brown que se dedica ao desenvolvimento de tecnologias para pacientes com doenças neurológicas ou com perda de membros. A tecnologia desenvolvida pelo time de cientistas funciona por meio de uma matriz de eletrodos ou um chip implantado no córtex-motor do cérebro humano.

Esse chip captura os sinais emitidos pelos neurônios e envia os dados para um computador capaz de decodificá-los e convertê-los em instruções. Esses comandos então são transmitidos sem a necessidade de uma conexão de cabo a dispositivos externos. Assim, os pacientes que sofrem de paralisia podem “escrever” em uma tela ou manipular uma prótese robótica apenas com seus pensamentos.

Conexão sem fio do cérebro controlando robô
Com a conexão sem fio do cérebro pela tecnologia do BrainGate, pessoas com paralisia poderiam controlar o computador à distância

Os participantes dos testes do BrainGate possuíam algum tipo de paralisia física e utilizaram o sistema para controlar um tablet, de acordo com os detalhes do resultado da pesquisa que foram publicados no jornal acadêmico IEEE Transactions on Biomedical Engineering. Os resultados obtidos mostraram que os participantes foram capazes de alcançar velocidades de digitação e precisão de toques similares com sistemas de conexão com fios.

John Simeral, um professor assistente de engenharia da Universidade de Brown comenta sobre os resultados do experimento:

“Demonstramos que este sistema sem fio é funcionalmente equivalente aos sistemas com fio que têm sido padrão até o momento. […] Os sinais são gravados e transmitidos com fidelidade apropriadamente semelhante, o que significa que podemos usar os mesmos algoritmos de decodificação que usamos com equipamentos com fio. […] A única diferença é que as pessoas não precisam mais estar fisicamente presas ao nosso equipamento, o que abre novas possibilidades de uso do sistema.”

Sobre os testes e o que pode se esperar do BrainGate

Os resultados obtidos pelo experimento do BrainGate marca o mais recente avanço no campo de rápido crescimento das tecnologias de interface neural, que atraiu nomes como Elon Musk e até mesmo o Facebook. Musk, por exemplo, recentemente revelou que sua startup Neuralink já testou um chip sem fio no cérebro de um macaco que permite jogar videogames.

Uso do computador via conexão sem fio do cérebro
A tecnologia do BrainGate permitiria que pessoas com problemas neurológicos, paralisia ou perda de membros pudessem utilizar o computador sem fios

Os dois participantes do último ensaio da BrainGate — com idades entre 35 e 63 anos — têm paralisia por lesões na medula espinhal. Eles puderam usar o sistema sem fio continuamente por até 24 horas em casa, em vez de no laboratório. A relativa facilidade de uso significa que os cuidadores treinados foram capazes de estabelecer as conexões sem fio, permitindo que o estudo poderia continuar enquanto a pandemia não permitia as visitas às casas dos participantes.

Leigh Hochberg, também professor de engenharia da Universidade de Brown e líder do teste clínico da BrainGate, comenta:

“Com este sistema, somos capazes de observar a atividade cerebral, em casa, por longos períodos de uma forma que era quase impossível antes. […] Isso nos ajudará a projetar algoritmos de decodificação que proporcionam a restauração contínua, intuitiva e confiável da comunicação e mobilidade para pessoas com paralisia”.

Fonte: Independent

Inscreva-se para receber nossas notícias:

Total
53
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados