Duna é o novo filme épico da ficção cientifica e fantasia desde senhor dos anéis

CRÍTICA | Duna: excelente e épico, é ‘O Senhor dos Anéis’ da nova geração

Avatar of amanda almeida
Uma adaptação incrível que capta a essência do livro, Duna é uma grande obra que vai valer cada momento passado no cinema

Depois de Senhor dos Anéis e As Crônicas de Gelo e Fogo, o livro mais denso que li foi Duna de Frank Herbert. Seja por sua ampla e profunda trama politica, por seus detalhes instigantes ou por todas as camadas complexas que permeiam a história. Por isso é um livro tão épico, e ouso dizer que um dos melhores escritos durante o século XX. Do exame de gambitos políticos bizantinos à propensão humana para a adoração do herói, Herbert usa como cenário um futuro longínquo para examinar os melhores e os piores aspectos da natureza humana.

Livro e filme

Existem dois temas principais que Herbert explora ao longo do romance: ecologia e religião. Ao utilizar o mesmo cenário para ambos, ele evitou que um romance já longo se tornasse um tomo pesado. Não é surpreendente que o autor faça de Arrakis (o planeta deserto que serve como cenário principal) um organismo vivo, completo com criaturas simples, como ratos do deserto, até as aterrorizantes, mas inspiradoras, representações dos grandes vermes. 

Mas a religião é usada como um aviso, em particular um aviso contra os humanos colocarem muito poder temporal nas mãos de um líder religioso carismático. Quem leu o livro sabe que a questão deixada em aberto é exatamente a questão de Paul ser ou não realmente esse messias.

Duna é um livro sobre política maquiavélica. Sim, é um livro sobre um único recurso que gira as rodas da humanidade, que para nós pode ser o petróleo, mas para os nossos ancestrais pode ter sido sal ou ferro, ouro ou seda, e quem sabe o que será amanhã. É um livro sobre ambientalismo, ecologia, tecnologia e religião também.

Thimothée chalamet como paul atreides em duna adaptação do livro homonimo de frank herbert dirigido por denis villeneuve
Timothée Chalamet como Paul Atreides em Duna // Créditos Warner Bros – Legendary Pictures

Mas por trás de tudo está a verdade humana — fundamental, inevitável, gloriosa e trágica, talvez enraizada em nosso código genético. Nós a chamamos de ‘jornada do herói’, mas observe-a aqui como seu gêmeo do mal, ‘adoração do herói’. Em Duna, testemunhamos a criação do Muad’Dib. Vemos isso chegando, assim como Paul Atreides, mas, como ele, nos sentimos impotentes para impedi-lo. 

Minha maior preocupação com essa adaptação seria exatamente como eles trariam para a tela a profundidade e a densidade do livro. Como eles amarrariam e apresentariam as ideias que são desenvolvidas em muitos livros em forma cinematográfica. Isso porque Hollywood passou a considerar o livro como uma espécie de cálice envenenado. Duna já derrubou dois grandes visionários: a visão psicodélica de Alejandro Jodorowsky que desabou sobre si mesma, enquanto a visão tipicamente absurda de David Lynch foi insultada pelos críticos.

Então foi bastante audacioso quando a Warner decidiu reaver esse filme em duas partes, colocando nas mãos do franco-canadense Denis Villeneuve. Valeu completamente a pena, e eu fiquei realmente surpresa em como ele não se preocupou em condensar nada. Com duas horas e meia de filme, Villeneuve realmente desenrola a história com calma e detalhadamente. Assim como A Sociedade do Anel, Duna é incrivelmente introdutório, longo e denso, e como o livro, épico à sua própria maneira.

Uma adaptação que pega a essência de Duna e a transforma

Duna de Villeneuve é o verme da areia explodindo da escuridão abaixo. É um filme de tal amplitude literal e emocional que oprime os sentidos. Se todos conseguirem compreender a magnitude desse longa, será então o novo épico, assim como o trabalho de Peter Jackson na adaptação de Tolkien. Na verdade, assim como Jackson, Villeneuve tem uma certa flexibilidade em sua visão que, neste caso, foi sua graça salvadora.

E esqueça de telefones ou tablets. O mantra de Villeneuve para Duna é: vá grande. Faça com que as pessoas queiram sair de de casa e que valha a pena ver uma imagem que é um verdadeiro épico, um empreendimento em grande escala digno de seu imenso material de origem multinível.

A história se estende por planetas e está repleta de intrigas intrincadas, promove uma mensagem ambiental (a água é tão escassa em Arrakis que as pessoas devem se vestir em trajes especiais para recuperar a umidade de seu corpo para sobreviver) e apresenta imensas cenas de batalha preparadas. Ele próprio, um fã do romance, Villeneuve fez o filme para outros fãs. Mas não só para eles. Ele também fez isso para pessoas que nunca leram o livro. E agora eles não precisarão. O filme capturou o livro com incrível fidelidade.

Duna, então, está firmemente fundamentado no livro de Herbert. A história do autor de nobres feudais travando uma guerra por Arrakis, a única fonte de uma droga poderosa conhecida como especiaria, está repleta de ideias conflitantes que os acadêmicos ainda estão revelando hoje. Para Villeneuve, seus interesses parecem residir principalmente em onde o colonialismo e a religião colidem, especificamente no armamento da crença para controlar uma população.

Duna é o mais novo filme de ficção científica e fantasia que promete ser o novo senhor dos anéis da nova geração
Da esquerda para a direita: Rebecca Ferguson, Zendaya, Javier Bardem e Timothée Chalamet em seus personagens para o filme Duna

Villeneuve teve sucesso não apenas graças ao seu domínio inspirado dos elementos visuais da história. Ele conseguiu escalar todo um elenco poderoso, que inclui rostos não apenas conhecidos, mas talentosos: Zendaya – vencedora do Emmy Awards, Timothée Chalamet, indicado ao Oscar de Melhor Ator, Oscar Isaac, vencedor do Globo de Ouro, Jason Momoa — que hoje é um dos ícones do cinema com Game Of Thrones e DCU no currículo, e Rebecca Ferguson, que também venceu o Globo de Ouro. Com esses rostos Villeneuve não apenas conseguiu convergir os personagens do livro para a tela, mas alcançar um público que provavelmente não daria espaço para esse filme.

Confesso que eu mesma não sou muito fã de Chalamet, mas, dando o braço a torcer, em Duna ele entrega um trabalho incrível. Devo dizer que ele é exatamente o que eu pensava de Paul enquanto lia os livros. Paul é um personagem multifacetado, um jovem evoluindo para a idade adulta e, em seguida, além disso, uma figura divina reverenciada pelos guerreiros, mas oprimida pelos Fremen tribais de Arrakis. Chalamet se entrega ao papel, e é de uma sutileza incrível, principalmente nos momentos de mais emoção e menos falas.

Séculos antes dos eventos descritos no romance de Herbert, houve uma revolta que destruiu todos os computadores. Isso fez com que o trabalho de produção de Patrice Vermette e os trajes de Jacqueline West, portanto, evitassem muitas das convenções do design futurista em favor de algo muito mais arqueológico e simbólico. A partitura de Hans Zimmer — que trabalhou em filmes como Interestelar, Batman: O Cavalheiro das Trevas, e no recente 007 Sem Tempo para Morrer, é tão cheia de pavor que chega a ser assustadora, inclui canto gutural e gaita de fole escocesa.

Mas nem tudo é tão perfeito assim nesse filme, que inclui, é claro, a falta de representatividade no elenco. Sim, tem grandes nomes, com muitos talentos, mas para quem conhece o trabalho do autor, sabe que os Fremen — cuja língua, vestimenta e cultura são tão diretamente inspiradas pelas tribos nômades e beduínas árabes — não apresentam nenhum ator do Oriente Médio e do Norte da África (Mena) em papéis falantes.

No lugar disso, seu líder é interpretado por Javier Bardem com um lenço de cabeça inspirado em shemagh (lenço militar típico dos exércitos árabes). Isso pode ser um grande problema quando — e se for feita — a segunda parte. Espero isso seja revisitado na escolha do elenco Fremen para o segundo filme.

Mas seja como for, Duna trás um novo épico para a geração atual, e funciona muito bem. Uma adaptação que enxerga a alma do livro e consegue transmitir exatamente os sentimentos que temos ao ler a obra. Como adaptação para o cinema, ouso dizer ser a melhor feita desde Jogos Vorazes. Às vezes, ter um fã na direção faz toda a diferença. Mas não só isso, colocar à frente uma pessoa que compreende a alma do livro é o que fez com que esse filme seja tão bom como ele é.

Veja também

Confira nossa crítica de Halloween Kills: O Terror Continua.

Inscreva-se para receber nossas notícias:

Total
1
Shares
1 comentário
  1. .
    Se possível, assistam esse filme na maior e melhor tela disponível. Se possível ver em IMAX, vejam. Esta é uma daquelas obras à la O Regresso, Dunkirk e 1917 que, embora continuem boas se vistas em casa, ganham absurdamente quando visualizadas na melhor sala. Ver Duna em IMAX é uma daquelas experiências imersivas raras, onde a visão e, vale lembrar, o som, desempenham um papel essencial para tornar o agradável longa-metragem em um completo deslumbre.

    Embora um leitor ávido, tenho de confessar; nunca li a obra original, do Frank Herbert. A única coisa que li foram dois textos diminutos, sem spoilers, com meia dúzia de informações para quem desejava conhecer um ou outro ponto antes de entrar no cinema. Minha curiosidade pela película se dava, em partes, por eu saber ser um clássico da literatura de ficção e, em parte, pelo diretor Denis Villeneuve que já fez obras como Sicário, Blade Runner 2049 e um dos filmes que mais amo: A Chegada. Em suma: entrei na sala sem spoilers da obra e quase virgem quanto aquele universo; e assim eu desejava, para compreender como o filme poderia funcionar como obra por si.

    Dito isso, entram minhas considerações sobra a película em si: arrebatadora! Desde o início, eu compreendi que se tratava de um universo gigantesco, provavelmente muitíssimo maior do que o apresentado para mim. O deleite visual (algo que eu já esperava do Villeneuve) se uniu a uma experiência sonora absolutamente imersiva e funcional. E como fiquei feliz ao descobrir a assinatura do Hans Zimmer. Mas nem tudo se resumiu as tecnicalidades. Eu percebi, logo no início, o quanto a exploração daquela commoditie no deserto levava riqueza para um grupo, enquanto subjugava a população local, a despeito de outras possibilidades ecológicas de mundo – eu não ficaria nada chocado se descobrisse que o Frank Herbert tinha a exploração do petróleo em mente quando desenvolveu sua obra -. Mais do que isso, me ficou nítido o quanto a guarda dessa exploração e sua troca seriam usadas pelo imperador a fim de colocar em rota de colisão duas das maiores casas, de modo a garantir que nenhuma delas subjugasse seu poder. Também me foi nítido o quanto os Atreides, mesmo percebendo o cavalo de Tróia à frente, não poderiam se desprender de sua obrigação e, ainda, como tentaram uma comunicação com os locais, os Fremen, numa visão mais diplomática do que belicista. Além disso, muito me instigou qual o futuro do Paul e como suas habilidades, em parte herdadas pela mãe e sua doutrina que atua nas sombras, nos bastidores do poder, serão exploradas no futuro. Aliás, o filho do Duque me prendeu desde o início e saio instigado a saber mais sobre sua relação com a mulher de seus sonhos, numa belíssima atuação do jovem Timothée Chalamet.

    Se há algo que eu gostaria de ter visto mais era justamente mais sobre a casa arquirrival, sobre o imperador, sobre essa “ordem religiosa” atuando nas sombras e, de modo geral, sobre as regras políticas que regem tal universo. Entretanto, eu entendo a decisão do diretor de não explorar tão a fundo tais questões, afinal, este longa é só a parte 1 de um projeto maior e tentar colocar tudo em tela poderia ser prejudicial, tornando a obra demasiadamente expositiva. Aprecio mais a apresentação do universo sem tanto didatismo a partir de uma situação mais episódica. Um ponto que pode soar controverso e, imagino, que não agrade a todos, é justamente o caráter contemplativo e o ritmo mais comedido. Pra mim, funciona absurdamente bem. Sou um expectador que prezo muito mais pelo mergulho num mundo novo, tomando tempo para isso, centrado no desenvolvimento de personagem, do que em batalhas mil regadas a CGIs sem fim (vide uma parcela absurda dos filmes de herói) usadas só para um entretenimento rápido e, não raro, esquecível.

    Em suma: Duna me ganhou por completo. Sigo na curiosidade para descortinar a segunda parte e até mesmo para comprar os livros. ??? ? ?é???? ???? ??? ??????? ???? ??? ???? ??? ?????á????? ?????????? ???? ????!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados