Conecte-se conosco
Capturar - Lady Gaga utilizou 300 drones para desenhar no céu do Super Bowl

Geral

Lady Gaga utilizou 300 drones para desenhar no céu do Super Bowl

Apresentação da cantora americana utilizou 300 drones para desenhar no céu de Houston, todos controlados remotamente e com ajuda da Intel.

O Super Bowl já é o evento mais assistido da TV dos Estados Unidos (aproximadamente 160 milhões de pessoas assistindo ao vivo). Neste ano a final do futebol americano trouxe uma surpresa bastante tecnológica, dentro do pequeno show de Lady Gaga. O início da apresentação, feita no topo do estádio, contou com 300 drones desenhando o céu de Houston.

Drones, sozinhos e brilhando

Sim, o show que está no vídeo acima teve a participação de drones. Centenas de drones sincronizados e que voaram sozinhos, com ajuda da gigante Intel.

O show faz parte de praticamente toda final de futebol americano, sempre trazendo muita pirotecnia e tecnologia ao palco. Palco este que é montado e desmontado em poucos minutos, sem atrapalhar em nada o gramado (!!!). O show deste ano foi especial para os amantes de tecnologia, já que Gaga começou cantando no teto do NRG Stadium e foi acompanhada por algo que parecia pura animação de computador.

Luzes brilhavam e dançavam, sozinhas no céu e acabaram formando a bandeira dos Estados Unidos. A surpresa é que toda esta performance não foi animação, mas sim 300 drones sincronizados, controlados de longe. Pois é, um pequeno exército de pequeninos drones.

Muito provavelmente esta é a primeira vez que você nota algo do tipo. Drones em formação e em um céu escuro, acabam dando um efeito visual semelhante ao de fogos, mas sem estouros ou pólvora.

Não foi a primeira vez

Não, este show de tecnologia não é pioneiro na história. A própria Intel fez uma apresentação, com menos câmeras, utilizando 500 drones em Sidnei, na Austrália. Antes disso, durante três semanas, 300 drones voaram na Disney e pintaram o céu da Flórida.

Cada drone tem mais ou menos um centímetro quadrado e pesa 220 gramas. Não são tão bacanas quanto os da DJI, mas fazem bem o papel de voar em grupo e o corpo evita colisões. A ideia é que você sequer note que as luzes são drones, por isso voam de noite. E são quatro bilhões de combinações de cores diferentes.

Cada drone conversa sem fios com uma central, que coordena toda a dança de longe. O mais bacana é que a tecnologia criada pela Intel consegue até mesmo adaptar o padrão de cada um dos drones, em tempo real e assim evitar algum problema.

Não foi ao vivo

Ah, um detalhe crucial: há leis que proíbem qualquer drone de voar próximo do estádio, durante o Super Bowl. Toda a parte externa foi gravada uma semana antes, com Lady Gaga utilizando o mesmo vestido, com os mesmos drones e cantando a mesma canção.

Com informações da Wired.

Continue lendo
Advertisement

Jornalista formado, amante de tecnologia desde pequeno. Faz muito tempo que já escreve sobre tecnologia. Nintendista por paixão e entusiasta dos drones (só falta dinheiro para ter um Mavic Pro).

Comentários
Subir