Test Tube Steak: a carne sustentável produzida em laboratório

Test Tube Steak: a carne sustentável produzida em laboratório 4
Carne cultivada gera até 96% menos emissões do que a produção convencional, conheça o futuro da nossa alimentação

Tube Steak: Não há sombra de dúvidas de que a carne cultivada em laboratório estará servida em sua mesa no futuro. O motivo? É mais barato do que lidar com animais inteiros, não há nenhuma das questões éticas associadas às fazendas industriais, pode ajudar a prevenir a disseminação de doenças transmitidas por animais e, de acordo com um novo estudo, a produção de carne cultivada gera até 96% menos gases de efeito estufa emissões do que a produção convencional de carne.

Com exceção do frango, que é o mais eficiente em termos energéticos de todas as carnes. Você pode entrar em contato com um bife de tubo de ensaio bem antes de um peito de frango de tubo de ensaio.

Tube Steak: O estudo

Um estudo em parceria entre as univerdades de Stanford e Universidade de Amsterdã, Impacto Ambiental da Produção de Carne Cultivada, são enfáticos: o impacto ambiental geral da produção de carne cultivada, ou melhor, a tal da Tube Steak, é significativamente menor do que a produção convencional de carne.

Isto é principalmente devido às emissões de gases de efeito estufa associados com a criação de gado (ou seja, as emissões de metano proveniente das, acredite, flatulências das vacas), manejo de esterco, óxido nitroso do solo e a conversão de florestas em pastagens.

Tube Steak
Gráfico com a porcentagem de impacto no meio ambiente. Em preto: bife; Em branco: ovelha; Rosa: Porco; Laranja: Aves domésticas e, por fim, em vermelho: carne cultivada. Em comparação, da esquerda para a direita, exatamente: uso de energia; emissões de gases; uso de terra e, por fim, uso de água

Em quase todos os casos, o crescimento de tecido muscular animal in vitro faz mais sentido para o meio ambiente do que ter animais reais. Mas requer mais energia do que a produção convencional de aves, que tem relativamente poucas emissões de CO2 quando cultivada convencionalmente e requer menos energia do que seria para executar um laboratório de carne in vitro.

Os autores do estudo argumentam que a produção de aves cultivadas ainda pode fazer mais sentido, porque os números de emissões não levam em conta que as culturas de biocombustíveis poderiam ser colocadas na terra onde as cooperativas de galinhas estão agora:

Só a entrada de energia não fornece necessariamente um indicador suficiente sobre o desempenho energético se os custos de oportunidade do uso da terra não forem levados em conta. A produção de carne cultivada requer apenas uma fração da área de terra usada para produzir a mesma massa de carne de frango produzida convencionalmente. Portanto, mais terra poderia ser usada para a produção de bioenergia, e pode-se argumentar que a eficiência energética geral da carne cultivada seria mais favorável.

Citação do estudo “Impacto Ambiental da Produção de Carne Cultivada”.

E como a maior parte das emissões de gases de efeito estufa provenientes da produção de carne cultivada vem do uso de combustível e eletricidade, o uso de fontes de energia renováveis pode reduzir ainda mais as emissões. Há outro bônus de energia (um pouco assustador): carne cultivada pode exigir menos refrigeração do que a carne convencional por causa da falta de excesso de ossos, gordura e sangue.

A produção de carne em grande escala ainda está longe da realidade. Os autores do estudo estimam que custaria U$ 160 milhões em pesquisas para trazer carne artificial para a produção em massa. E ainda há a questão da aceitação cultural para trabalhar – quem realmente vai consumir estes produtos?

Mas o estudo faz um excelente argumento: “A carne cultivada consiste de tecido muscular semelhante à carne produzida convencionalmente, mas apenas a técnica de produção difere. Também pode-se argumentar que muitos sistemas atuais de produção de carne estão longe dos sistemas naturais. ”

Tube Steak: os primeiros resultados

Com tanta eficiência, iniciou-se uma corrida entre laboratórios para produzir a carne cultivada que melhor emula a experiência da carne real. Os resultados ainda são segredo de estado, pelo menos por enquanto. Mas uma matéria realizada pelo Wall Street Journal desvabrando as experiências do setor Just Foods entrega os primeiros momentos daquilo que é certeza do nosso futuro. Confira: 

De bifes gourmetizadas a nuggets de frango, aparentemente tudo é, pelo menos aos olhos, satisfatórios e, por que não, deliciosos. Quanto ao sabor, resta a dúvida. Mas não por muito tempo.

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Receba Notícias por E-mail:

Quer receber notícias no seu e-mail?
Holler Box
Share via