Pessoa com sintomas da varíola do macaco

Varíola do macaco agora é uma emergência global, declara OMS

Avatar of victor pacheco
Com foco em fazer países agirem, a OMS decidiu que a varíola do macaco precisava de uma nova classificação devido ao crescimento no número de casos

A varíola do macaco ou monkeypox começa a dar sinais se que se tornar um caso global sério. Apesar de ainda não ter sido considerada uma doença endêmica ou pandêmica, a Organização Mundial da Saúde (OMS) decidiu neste sábado classificá-la como “Emergência de Saúde Pública de Interesse Internacional”.

Uma grande preocupação sobre isso é que em países da África, onde tratamento e prevenção com vacinas ainda está bastante lento. E nações maiores ainda não tomaram medidas para enviar remédios e imunizantes contra este problema que já registra 16.836 casos em 74 países de todo o mundo. Entenda a atualização de hoje:

Indecisão sobre anúncio

Entre os 15 cientistas que decidem se será anunciada uma emergência global quando uma doença começa a crescer no mundo, nove deles foram contrários à nova classificação da varíola do macaco.

Entre os motivos, eles apontaram que a doença começa a se estabilizar nos EUA e Europa, assim como há o risco da comunidade LGBTQIA+ sofrer represálias, uma vez que homens gays estavam registrando mais testes positivos. Mas hoje em dia já há a informação de que o contágio pode acontecer tanto por fluidos corporais, contato direto com sangue, lesões na pele ou mucosas de animais infectados.

Pessoa com erupções na pele causadas pela varíola do macaco
Doença deixa pele com aparência completamente diferente do normal (Foto: Reprodução/Internet)

Sobre os seis cientistas que concordaram em anunciar que a doença é uma emergência global, eles anunciaram que “dever moral de implantar todos os meios e ferramentas disponíveis para responder ao evento”, uma vez que líderes da comunidade LGBTQIA+ estão preocupados em como isso está afetando esta minoria.

A comunidade atualmente mais afetada fora da África é a mesma inicialmente relatada como afetada nos estágios iniciais da pandemia de HIV/AIDS.

Representantes da OMS a favor do anúncio de hoje

Nos primeiros dias da pandemia de HIV, a doença foi ignorada por boa parte da sociedade porque devido a estar associada com homens que faziam relações sexuais com outros homens. Assim como os casos de varíola do macaco, foi confirmado que a orientação sexual da pessoa não está conectada com o contágio.

Ações contra a varíola do macaco

Com o anúncio de hoje (23), a OMS divulgou regras para países de todo o mundo, independente se foram registrados casos da doença ou não. Foi feita a divisão em quatro grupos e as regras mudam de acordo com os acontecimentos dos últimos dias. São eles:

  • Grupo 1: nações que não tiveram registros nos últimos 21 dias ou ainda não tiveram nenhum infectado;
  • Grupo 2: nações com casos importados (quando a pessoa acabou infectada em uma viagem internacional) ou casos originados de transmissão de humano para humano, inclusive em grupos populacionais-chave e comunidades com alto risco de exposição;
  • Grupo 3: nações com suspeitas ou casos confirmados de varíola símia, incluindo históricos no passado;
  • Grupo 4: nações com capacidades para produzir vacinas e medicamentos em larga escala.

Boa parte das recomendações fala sobre isolamento, ações para testes em casos de qualquer um dos sintomas e claro, o tratamento feito de forma rápida e com os remédios adequados. As orientações podem ser consultadas na página oficial do anúncio da OMS.

Temos um surto que se espalhou rapidamente pelo mundo por meio de novos modos de transmissão, sobre os quais entendemos muito pouco e que atendem aos critérios.

 Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS

Existe vacina?

É importante lembrar que ainda não há uma vacina própria para combater a varíola do macaco, mas ter a vacina contra a varíola (humana) administrada dentro de quatro dias após suspeita de infecção pode acrescentar cerca de 85% de proteção contra a doença que agora é uma emergência global.

Pessoa com variola do macaco, que agora é uma emergência global, de acordo com oms
Vacina da varíola humana apresenta eficácia de 85% contra nova doença (Foto: Reprodução/Agência Brasil)

Como se proteger

Uma das formas mais básicas de se proteger é manter a higiene pessoal em dia, como lavar as mãos, evitar contato com animais silvestres ou doentes, bem como evitar contato com pessoas que possivelmente estão apresentando os sintomas da doença. Um comportamento sexual seguro também pode evitar o contágio.

Sintomas

De acordo com o Ministério da Saúde do Brasil, já foram registrados 607 casos da varíola do macaco desde o surgimento da doença, que além de lesões na pele, também causa:

  • Astenia intensa (fraqueza);
  • Febre;
  • calafrio;
  • cefaleia;
  • dor de cabeça;
  • dor nas costas;
  • exaustão;
  • Linfonodomegalia;
  • Dor lombar;
  • Mialgia.

Para saber mais, não deixe de conferir nossa matéria completa a Varíola do Macaco e vídeo abaixo:

Fonte: OMS l The New York Times

Inscreva-se para receber nossas notícias:

Total
7
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Posts Relacionados