Viagem à Lua: Conheça todas as missões desde o sucesso da Apollo 11

apollo 11
Desde a missão Apollo 11, doze pessoas caminharam em solo lunar entre os anos de 1969 a 1972. Conheça toda a trajetória da corrida espacial que levou o homem à lua.
Anúncio
Viagem à Lua: Conheça todas as missões desde o sucesso da Apollo 11

Em 1902, Georges Meliés idealizou a primeira aventura espacial com Viagem à Lua e, enquanto em um primeiro momento tudo não passou de apenas fantasia para os primeiros passos do audiovisual, mais de 60 anos depois tornam-se reais os primeiros passos do homem sobre solo lunar com a missão espacial Apollo 11. Embora as palavras de Neil Armstrong ecoem a cultura popular desde então, consolidando a dianteira dos Estados Unidos frente à corrida espacial em plena Guerra Fria, apenas outras cinco missões foram concretizadas, levando no total apenas 12 pessoas para a Lua.

Desde dezembro de 1972 nenhuma outra viagem à Lua de fato se concretizou, quando Eugene Cernan fechou o ciclo de alunissagens, ou seja, de pousos feitos em superfície lunar. Depois dele, nenhum homem voltou ao satélite natural da Terra em mais de 45 anos, o que impulsionou uma série de mistérios e teorias da conspiração.

Imagem de Neil Armstrong em sua missão Apollo 11
Imagens do homem em sua primeira aterrissagem lunar geram muitas especulações e teorias, muitas vezes associadas ao diretor Stanley Kubrick

Afinal outras quatro missões foram canceladas sem nenhuma explicação aparente, e muitos acreditam que as expedições espaciais tratam-se de filmagens feitas em estúdio envolvendo inclusive nomes de diretores de Hollywood como Stanley Kubrick, uma vez que o mesmo se utilizou de uma lente da NASA para realizar a captação de imagens à luz de velas para Barry Lindon. Muitos acreditam que se trata de uma recompensa por seus serviços prestados, mas o diretor nunca comentou o episódio até sua morte, em 1999.

Verdade seja dita, são muitos os fatores que levaram o homem à Lua, sejam elas dinheiro, relevância científica e, é claro, questões políticas. Em 2017, o presidente eleito Donald Trump aprovou a chamada Diretriz de Política Espacial 1, uma ordem presidencial que autoriza a NASA a dar andamento em missões tripuladas à Lua. E que isso pode ser só uma primeira parada em uma jornada para a conquista de Marte.

Com o sucesso do lançamento da nave Crew Dragon da SpaceX e a primeira missão espacial dos Emirados Árabes Unidos para Marte, decidimos recapitular todas as alunissagens desde a missão Apollo 11. Confira:

O sucesso da Apollo 11 trouxe a Lua para os holofotes

Há 50 anos, conquistar a Lua era um projeto político de um mundo dividido em polos. “Nós escolhemos ir à Lua, não porque é fácil, mas porque é difícil”. E foi com essas palavras que o então presidente John F. Kennedy em uma coletiva em 1962 declarou que o país faria da Lua o seu grande objetivo naquela década.

Muitos foram os motivos que levaram os EUA a tomar uma decisão tão drástica e decisiva. Sofrendo os efeitos morais e bélicos frente à população depois da Guerra do Vietnã, o país precisaria fazer de seus fracassos uma vitória e tomar para si o poder de controlar sua própria narrativa.

Presidente John F Kennedy em anuncio da corrida lunar americana
O compromisso dos EUA em levar o homem à Lua gerou comoção nacional após discurso do presidente John F Kennedy

O salto de vilões para heróis precisaria se concretizar em feitos heroicos e mais, mostrar que poderiam fazer mais que a então União Soviética, que até ali colecionava feitos históricos como enviar o primeiro satélite à órbita da Terra, lançar o primeiro animal em um foguete — a cachorrinha Laika — e, de quebra também foram capazes de conseguir mandar a primeira pessoa ao espaço.

Os soviéticos já estavam com suas missões Luna em andamento, tendo enviado para a Lua a primeira sonda espacial a atingir sua superfície. Era natural que o próximo passo seria, naturalmente, a primeira alunissagem. Os EUA precisavam ganhar o apoio da opinião pública e rápido.

Na prática, isso significava um investimento de US$ 25 bilhões para o programa da NASA, o que representava 2,5% do PIB (produto interno bruto) dos EUA dando início ao projeto Apollo, que começou em 1961 e foi até 1972 e que, em suas primeiras tentativas, acabavam por amargurar fracassos.

Astronautas do Apollo 1 sorriem para foto
Ed White, Roger B. Chaffee e Gus Grissom eram os tripulantes da missão Apollo 1, que sofreu um incêndio

A primeira tentativa não chegou a sair do solo terrestre, já que em janeiro de 1967 um incêndio aconteceu no módulo de comando enquanto a equipe de três astronautas estava dentro da nave realizando testes. Ed White, Roger B. Chaffee e Gus Grissom morreram, e a missão muito poderia ter sido o fim do programa Apollo, que mal havia começado.

Deste modo, questões de segurança foram testadas e resolvidas nas missões seguintes, conquistando seu primeiro sucesso com os primeiros voos tripulados acontecendo só em outubro de 1968 com o lançamento da Apollo 7, que chegou a orbitar a Terra por mais de uma semana.

Foto tirada em missão do amanhecer da Terra
A foto Earthrise foi tirada pela tripulação da Apollo 8

Naquele mesmo ano, em dezembro de 1968, um passo significativo se deu com a Apollo 8, tendo a primeira equipe de astronautas a orbitar a Lua e que, de quebra, rendeu um “souvenir” que marcou a história: a lendária foto Earthrise (amanhecer da Terra, em tradução literal).

Somente três meses foram necessários para as preparações para a Apollo 9, já que em março de 1969, outra nave seria lançada para orbitar a Lua. Essa missão em específico serviu para testar demais aspectos da nave e comprovar de vez que ela seria capaz de funcionar de maneira independente no espaço.

Enquanto isso, com a Apollo 10, em maio de 1969, a dupla Charlie Brown e Snoopy entraria para as páginas da história espacial, sendo um apelido carinhoso para o módulo de comando e para o módulo lunar, respectivamente. Seu objetivo? Provar que tanto a tripulação quanto a nave eram capazes e aptos para o pouso lunar. Na prática, os tripulantes da Apollo 10 executaram todas as operações programadas para aquilo que seria a Apollo 11, com exceção somente, é claro, da alunissagem.

Michael Collins, Buzz Aldrin e Neil Armstrong em foto da missão do Apollo 11
A bordo do módulo de comando Columbia, Michael Collins, Buzz Aldrin e Neil Armstrong foram os três astronautas enviados ao satélite natural da Terra

Deste modo, dois meses depois, foi a vez da missão Apollo 11, na manhã do na manhã do dia 16 de julho de 1969. A bordo do foguete Saturn V, o mais poderoso foguete até então, a nave foi lançada a partir do Centro Espacial Kennedy, na Flórida. O resto é história.

E, mesmo com o sucesso e uma série de missões Apollo bem-sucedidas, tão meteórico quanto se deu o interesse inicial por viagens à Lua também foi o desinteresse. E, de uma série de lançamentos bem sucedidos, os projetos acabaram sendo cancelados. Muito do moral do projeto Apollo foi comprometido pelo fracasso da décima terceira missão.

O Sucesso da Apollo 11 e o fracasso da Apollo 13

Imagens da missão que recuperou o Surveyor 3
Tripulação posa para foto ao lado do Surveyor 3, satélite artificial que estava preso em solo lunar

Quatro meses depois, a Apollo 12 era lançada com o objetivo de expandir ainda mais o conhecimento sobre o satélite natural da Terra e, de quebra, tentar entender e contornar pequenos imprevistos que aconteceram no lançamento anterior. Mesmo assim, a missão poderia ter sido marcada por uma tragédia no dia 14 de dezembro de 1969 já que quarenta segundos após a decolagem, o foguete foi atingido por um raio, duas vezes seguidas. Mesmo assim, a viagem seguiu sem muitos problemas.

Embora tenha menor impacto que o lançamento anterior, a Apollo 12 foi melhor sucedida. Nele, os tripulantes ficaram mais tempo em solo lunar, o que permitiu duas caminhadas. Fora isso, ainda foi possível recuperar parte do Surveyor 3, um satélite artificial que estava preso na Lua desde abril de 1967. Com ele, a NASA pôde estudar suas peças de modo a entender os efeitos de uma permanência prolongada.

Tripulantes da Apollo 13
Jim Lovell, John Swigert e Fred Haise são os tripulantes da Apollo 13, que após uma série de complicações, não conseguiu pousar na Lua

Somente em 1971, com a Apollo 14, uma nave pousou em solo lunar. Isso porque a missão anterior, Apollo 13, teve problemas e precisou retornar à Terra seis dias depois de ir para o espaço, sem conseguir atingir a órbita da Lua. Inclusive, a famosa frase “Houston, we have a problem (“Houston, temos um problema” em tradução literal) veio justamente desta missão, que deu origem ao filme de mesmo nome, anos mais tarde, estrelado por Tom Hanks.

Desde então, as viagens à Lua acabaram por passar muitas vezes despercebidas pelo público americano e o projeto foi perdendo o interesse, apesar das conquistas expressivas, como a coleta de rochas de diferentes formações geológicas quando astronautas da Apollo 15 percorreram 27 quilômetros em solo lunar, ou com a Apollo 17, onde primeiro veículo lunar americano fez sua estreia em 1971, o Lunar Roving Vehicle (LRV), uma resposta ao soviético Lunokhod, que chegou em solo lunar em 1970. Ambos os veículos podem ser controlados remotamente.

Veículo Lunar norte americano Lunar Roving Vehicle
Em 1971, o Lunar Roving Vehicle faz sua estreia em solo lunar

O legado da missão Apollo transcende a conquista da jornada espacial onde pessoas puderam desbravar ambientes inóspitos e puderam voltar para casa em segurança. Com cada missão foi possível realizar um extenso exame científico do corpo celeste mais próximo da Terra, e com ele de todo o sistema solar.

Os astronautas da Apollo trouxeram para casa centenas de quilos de rocha lunar, perfuraram amostras do seu núcleo e mediram a atividade sísmica, os chamados terremotos da Lua. Além disso, coletaram dados atmosféricos do ambiente lunar quase vazio, e mediram a distância exata da Terra e de seu satélite.

Por que os EUA desistiram de ir à Lua?

Ao longo dos anos, com a Lua já conquistada pelos Estados Unidos, pisar no satélite começou a perder o interesse tanto para os americanos quanto para os soviéticos. Não havia justificativa científica ou política para retornar e a façanha requer muito investimento, o que, a longo prazo, tornou-se inviável. Mas não por muito tempo.

Com a entrada de empresas privadas na chamada corrida espacial, a Lua tornou-se novamente um destino desejável para um futuro próximo com o programa Artemis, que deve fazer sua primeira decolagem já em 2022. A estratégia emula aquela utilizada em 1960: primeiro se faz uma série de testes para verificar certas condições — como o funcionamento das naves — para de fato partir para um pouso em solo lunar com astronautas. E ele já tem data marcada: 2024 que, desta vez, vai levar a primeira mulher à superfície lunar.

Imagens da estação lunar Gateway que vai servir de ponto de parada entre Terra e Lua
A estação lunar Gateway serve como ponto de parada entre a Terra e a Lua e também vai ser usada para missões para Marte

Com ele também pretende-se construir a estação lunar Gateway, que vai ficar localizada na órbita da Lua, e será uma plataforma usada por astronautas como uma espécie de parada entre a Terra e a Lua, assim como para jornadas ainda mais longínquas, como a futura viagem a Marte, que pode muito bem acontecer ainda no final da década de 2030. Enquanto a NASA descartou sua necessidade para a missão de 2024, ela ainda vai ser construída exatamente pela ambição de se chegar à Marte.

Além disso outros países estão trabalhando em missões lunares no momento, como Índia, China, Emirados Árabes Unidos e a própria Rússia, além de empresas privadas, como a SpaceX. Sendo assim, se dá a largada para uma nova Corrida Espacial neste século, como novos nomes, novas caras e também novas conquistas.

Fonte: History

Receba notícias como essa no seu email. Inscreva-se aqui:

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar um comentário

Assine nossa Newsletter