Restrospectiva: os melhores animes de 2018

Antes tarde do que nunca: saiba quais foram os melhores animes lançados em 2018

Animes imperdíveis: 2018 acabou e pode não ter deixado saudades, mas isso não é motivo para esquecê-lo de vez. Isso porque quando o assunto é entretenimento, houve muita coisa que não é possível deixar de lado. A máxima vale tanto para séries, o lado ocidental  quanto animes, o oriental. 

Algumas vezes clichês, muitas vezes ousados, e quase sempre irreverentes, as animações japonesas conquistaram e ainda conquistam cada vez mais fãs ao redor do mundo. Uma realidade muito tocante ao imaginário infantil, é impossível deixar de lado os também animes quando o assunto é nostalgia. 

Animes no Brasil: uma breve história

Trascendendo gerações, os animes conquistaram seu espaço em definitivo nas telinhas Brasil afora, isso porque muito da programação infantil em canais abertos foi tomado por uma fatia muito específica por esse tipo de conteúdo.

O primeiro anime a ser televisionado em solo brasileiro foi o National Kid, mas o grande “boom” dos animes na TV Aberta foi com Cavaleiros do Zodíaco, em 1994, na extinta TV Manchete. A partir daí, títulos como Dragon Ball, Sailor Moon e Yu Yu Hakusho tornaram-se um fenômeno. Mas foi no final da década de 90 que os animes encontram a sua ascensão e também a sua rápida derrocada. Quem se lembra da TV Globinho? Ou a competição saudável entre Pokemon e Digimon?

Mas mesmo grandes clássicos não tiveram a mesma sorte na grade horária da TV Aberta. Com os cortes grosseiros no conteúdo dos desenhos e censura, animes como Naruto, One Piece, Fullmetal Alchemist e HunterxHunter encontraram na TV à cabo e na internet a sua morada que, seguido do desinteresse do público geral no final dos anos 2000, tornou-se um nicho. Grandioso, porém um nicho. 

Desde então, os animes movimentam e sustentam um circuito informal de produção, circulação e consumo, engendrado pelos próprios fãs na internet. Em tempos de streaming, surgiram algumas plataformas com conteúdo direcionado, e a própria Netflix começou a acrescentar em seu catálogo alguns títulos.

Com Devilman Crybaby inaugurando o seguimento de animes originais Netflix e Mirai no Mirai, do Studio Chizu, indicado ao Oscar de Melhor Animação (e vencedor do Annie Awards), o futuro dos animes é tudo e um pouco mais, inclusive brilhante e promissor. Dito isso, vamos conferir alguns títulos que fizeram barulho neste último ano. Ah, vale lembrar que apenas os títulos que se iniciaram e encerraram em 2018 estão listados. Se sentir falta de algum título, sinta-se à vontade de fazer sugestões e correções nos comentários. A ideia aqui é ser uma troca saudável de indicações.

A Place further than the Universe

Nos últimos anos, o estúdio Madhouse vem sendo responsável por talvez as melhores adaptações e revivals de mangás da indústria (vide One Punch Man e HunterxHunter para citar alguns), mas, algumas vezes, eles arriscam e desenvolvem alguns originais. Este é o caso de A Place further than the Universe (Um lugar mais distante que o Universo, em tradução literal).

A animação foca em duas estudantes do ensino médio, Mari e Shirase, que vivem em um subúrbio de Tóquio. Mari percebe que ela está perdendo sua juventude por não fazer nada, até encontrar 10.000 dólares em um envelope, que pertence a Shirase. Shirase explica que ela vai usar o dinheiro para participar de uma expedição à Antártida, onde sua mãe desapareceu há três anos enquanto liderava a expedição anterior. A determinação de Shirase leva Mari a querer ajudá-la, e, no final, ambas tornam-se companheiras de viagem.

A melhor palavra para descrever esta animação é “genuína”. Tudo parece muito real, desde a forma como os personagens usam seus celulares até o quão difícil é chegar e até mesmo viver na Antártida. A realidade fundamenta tudo, permitindo mudanças drásticas de tom, por vezes dramáticas para cômicas, ou de reconfortante a trágica.

Disponível no Crunchyroll

Laid Back-Camp

Laid-Back Camp é uma animação sobre um grupo de amigas que vão acampar no inverno.

Não espere que seja uma animação profunda com muito drama ou desafios, além daquelas que você usa para montar uma tenda. Essas crianças vão acampar em diferentes acampamentos do mundo real no Japão, ensinando aos espectadores uma quantidade surpreendente de dicas úteis no processo. É incrivelmente charmoso e relaxante, e às vezes é tudo que você precisa depois de um longo dia.

Disponível no Crunchyroll

Devilman Crybaby

Devilman Crybaby com certeza levantou algumas sobrancelhas de espanto devido ao seu conteúdo gráfico. Seu uso escabroso de sexo e violência não é simplesmente gratuito; eles são uma ferramenta usada para demonstrar a natureza excessiva e às vezes repugnante do ser humano.

O programa também os usa para brincar com suas expectativas, mudando de imagens sexuais exageradas de peitos saltitantes e momentos de humor a cenas chocantes de alguém sendo devorado por um demônio. E apesar de ter baldes de sangue para derramar, Devilman Crybaby nunca deixa de ser chocante, e está disposto a ir muito longe para provar seus pontos sobre o quão desnecessariamente violentas e cruéis as pessoas podem ser.

Mas a força real desta animação e sua história estão nos momentos mais calmos. Lá, as coisas verdadeiramente memoráveis e importantes acontecem, e tem muito a dizer sobre a humanidade.

Disponível no Netflix

Legend of the Galactic Heroes

Em um futuro distante, onde a raça humana se espalhou pela galáxia, a história da Legend of the Galactic Heroes gira em torno de duas grandes potências que estão em guerra por gerações: o Império Galáctico, um império autocrático baseado no século XIX, e a Aliança dos Planetas Livres, uma democracia capitalista cheia de burocracia. O vislumbre da série nesses dois países se dá principalmente por meio de dois jovens gênios militares: Reinhard von Lohengramm, do Império Galáctico, e Yang Wen-li, da Aliança.

Esses dois são mais como rivais do que como antagonistas, mas cada um deles é tão convincente que qualquer uma de suas histórias poderia ter sido sua própria série. Reinhard está tentando acumular poder suficiente no Império para derrubar e limpar o regime corrupto do Kaiser atual. Yang apenas se juntou às forças armadas para poder pagar a faculdade e se tornar um historiador.

O que parece ser um programa militar potencialmente apático torna-se um olhar surpreendentemente interessante na política e nas minúcias que cercam a guerra, e como isso pode ser inútil. Isso é feito com uma visão geral de toda a situação; por exemplo, mostra o governo da Aliança dos Planetas Livres debatendo a guerra antes que uma maioria decida que precisa continuar a próxima campanha eleitoral como uma distração. Então, vemos como essa decisão vai para Yang e seu comandante, que ambos sabem que suas ordens são fúteis no grande esquema das coisas.

Disponível no Crunchyroll

Hinamatsuri

Uma noite, um yakuza chamado Nitta vê uma grande cápsula em forma de ovo se materializar em seu apartamento. Nele está Hina, uma garota impassível que também é uma arma telecinética superpotente do futuro. Quase sem Nitta perceber, ele acaba cuidando dela como uma filha, e Hina começa a viver uma vida um pouco normal.

Enquanto Hinamatsuri tem um conceito estranho, na verdade é um anime de comédia bem fundamentada, especialmente quando o elenco começa a se formar em torno de Nitta e Hina. Como a animação torna o aspecto de superpotência mais terciário para os personagens e seus relacionamentos, é fácil esquecê-los até que, de repente, eles se tornam parte de uma piada visual lindamente animada. O show tem algumas das melhores animações de 2018, com fluidez tanto nas cenas de ação quanto nos momentos menores, que acrescentam muito ao ritmo e ajudam a criar o humor.

Disponível no Crunchyroll

Wotakoi

Wotakoi segue uma assalariada chamada Narumi Momose, que esconde o fato de que ela é uma otaku em sua vida privada, porque isso levou a problemas em relacionamentos passados. Quando ela começa um novo emprego, ela se depara com uma velha amiga de infância, Hirotaka Nifuji, que acidentalmente deixar escapar que Narumi é um otaku para alguns de seus colegas de trabalho. Esses colegas de trabalho, Hanako Koyanagi e Taro Kabakura, não são apenas otakus secretos também, mas estão em um relacionamento desde o colegial.

Wotakoi é uma comédia romântica, embora tenda a favorecer a comédia sobre o romance. Geralmente, o programa encontra o humor nas tentativas dos trabalhadores de equilibrar a vida profissional, a vida pessoal e os hobbies. Isso os torna encantadores, o que ajuda a manter os espectadores envolvidos quando as coisas ficam sérias.

Disponível no Amazon Prime Video

Aggretsuko

Aggretsuko é um show surpreendente, e não apenas porque é surpreendente ver a Sanrio, a empresa por trás da Hello Kitty, fazendo um personagem que não é sobre ser fofo. É mais surpreendente por causa de como brutalmente retrata as dificuldades que as mulheres enfrentam no local de trabalho e na sociedade em geral. Mas também mostra que, apesar dessas dificuldades diárias, existem maneiras de melhorar as coisas.

O fato de um anime da Sanrio estar reconhecendo essas desigualdades e retratando fantasias de tomar o caminho mais fácil é incrivelmente refrescante, porque valida muito do que não é dito – ou, pelo menos, pouco explorado na mídia – sobre raiva feminina e quando e como é permitido ser expresso.

Os melhores momentos da série estão enraizados em realidades dolorosamente relatáveis: como quando Aggretsuko sonha em chamar um supervisor preguiçoso, ou quando um vendedor chato a segue pela loja sem parar até que ela se sinta pressionada a comprar algumas meias. (Na Coreia, vendedores excessivamente atentos se tornaram tão arraigados na cultura que algumas lojas têm cestas codificadas por cores que os fregueses podem usar para indicar se querem ajuda ou não).

Em muitos aspectos da cultura asiática, a pressão para ser educado pode ser sufocante, e as batidas de karaokê de death metal de Aggretsuko lamentando todos esses males sociais é uma catarse muito necessária.

Disponível no Netflix

Lupin III Parte 5

Arsène Lupin III, um tipo meio James Bond que só faz as escolhas erradas existe desde os anos 60 e passou por uma série de interpretações ao longo das décadas – algumas graves, algumas exageradas. Ainda assim, algumas coisas fundamentais permanecem as mesmas, incluindo seu elenco de apoio: Jigen, o franco atirador, Goemon, o samurai, Fujiko, a femme fatale, e Zenigata, o detetive do ICPO encarregado de prendê-lo.

No caso deste anime, todos os elementos realmente importantes permanecem os mesmos e aventura e, por que não, falcatruas são eternamente deliciosas. 

Disponível no Crunchyroll.

My Hero Academia: 3º temporada

Em um mundo onde a maioria das pessoas tem superpoderes, o estudante Izuku Midoriya é parte de 20% da população nascida sem eles. Mas seu sonho é se tornar um super-herói e frequentar a principal escola japonesa de aspirantes a super-heróis, a UA High. Depois de um fatídico encontro com All Might, o maior herói do mundo, ele descobre que seu ídolo está morrendo e quer passar seu manto. Seu sucessor escolhido, é claro, é Midoriya.

A terceira temporada é o início de uma grande mudança na série, com algumas cenas de ação empolgantes, importantes pontos de virada e momentos muito esperados. A ameaça existencial dos vilões se torna mais real quando All for One começa a dar seus primeiros passos, e finalmente conseguimos ver como seu protegido Shigaraki vai ficar quando ele não estiver mais na sombra de seu mentor – e como Midoriya planeja fazer o One for All seu.

Disponível no Crunchyroll

Sword Art Online Alternative: Gun Gale Online

Karen, uma estudante universitária de uma Tóquio em um futuro não tão distante, é convencida a jogar jogos de realidade virtual, e logo fica obcecada por um MMO chamado Gun Gale Online – em parte porque ela tem um complexo sobre ser alta e seu avatar é muito pequeno. Enquanto joga, ela faz amizade com uma mulher chamada Pitou, que a convence a se juntar a um amigo para um novo modo battle royale baseado em esquadrão (similar ao Fortnite ou ao Playerunknown’s Battlegrounds).

A animação é cheia de ação, muitas vezes com foco na precisão quando se trata de táticas e mecânica de combate e armas de fogo. Mas ainda dá prioridade aos momentos da história e do personagem. Ver Karen crescer como jogador dentro do jogo e como uma pessoa fora dele é realmente agradável de assistir – mesmo que você não se importe com os jogos Battle Royale.

Disponível no Crunchyroll.

Cells At Work!

Em Cells At Work! o funcionamento interno do corpo humano é transformado em uma cidade em expansão, onde os glóbulos vermelhos se tornam entregadores que transportam caixas de oxigênio para o apartamento onde as células vivem. Os glóbulos brancos, enquanto isso, combatem versões monstruosas de germes e vírus.

A série gira em torno de uma glóbulo vermelha específica chamada, bem, Red Blood Cell. Ela é relativamente nova em seu trabalho e é particularmente ruim em fazer as entregas. Isso muitas vezes faz com que ela esbarre em bactérias ou vírus desagradáveis, bem como um glóbulo branco, e os dois logo desenvolvem uma amizade próxima.

A maneira interessante que a animação escolhe para descrever os sistemas circulatório e imunológico humano é uma parte importante de seu atrativo. As plaquetas, por exemplo, são mostradas como grupos de alunos do jardim de infância que trabalham juntos para reparar os danos às estruturas da cidade, já que as células plaquetárias são um terço do tamanho das células normais. É provavelmente o máximo que eu já aprendi sobre biologia de qualquer coisa fora de uma aula de biologia.

Disponível no Crunchyroll.

Gintama Silver Soul

É engraçado encerrar uma lista de melhor anime com Gintama. Gintama está por aí por um bom tempo e parece que vai ficar na ativa tanto tempo quanto. O que faz com que Gintama apareça na lista, e que One Piece fique de fora é que, novamente, Gintama deu aquele twist digno de nota.

Eles literalmente acuaram o criador do mangá, Hideaki Sorachi. Como?Fazendo com que a equipe do programa fale através dos personagens para explicar ao público o que aconteceu. Ao mesmo tempo, eles aproveitaram a oportunidade para criticá-lo por seus últimos anos de insistência, afirmando que o mangá terminaria em breve, o que aparentemente levou algumas das temporadas anteriores serem planejadas como a última temporada.

Esse tipo de quebra da quarta parede consciente não é exatamente nova para a série. Mas é um bom lembrete do que torna Gintama excepcionalmente excelente: é uma saga abrangente e repleta de ação, mas nunca perdeu o sentido original da comédia.

Disponível no Crunchyroll.

E aí? Sentiu falta de algum título? Deixe sua indicação nos comentários!

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Receba Notícias por E-mail:

Share via