UnB cria “João Fake News”, um chatbot que desmente informações falsas pelo WhatsApp

dia ciencia showmetech 6
Projeto desenvolvido por brasileiros varre a internet em busca de registros relacionados a temas perguntados pelos usuários: João Fake News quer reduzir impacto das informações falsas na internet

A Universidade de Brasília (UnB) desenvolveu um projeto tecnológico que promete minimizar o impacto das fake news nesses tempos de pandemia: segundo divulgação pela página Vidya Academics, que se especializa em promover projetos científicos conduzidos por universidades, um novo chatbot, chamado, “João Fake News”, pode ser adicionado à agenda do usuário para fins de verificação de notícias falsas e teorias da conspiração.

O projeto não teve seu funcionamento detalhado no post, porém traz resultados do que parece ser uma busca por canais brasileiros de divulgação que desmentem teorias da conspiração, ou que tenham abordado o tema de alguma forma. Algumas das fontes do João Fake News vão desde organizações como a Agência Lupa, sites especializados como o Boatos.org e até alguns veículos da imprensa. Pela forma como os resultados são entregues, é possível especular que o chatbot faça uma busca pela internet brasileira e reúna os três principais resultados.

Projeto da Universidade de Brasília (UnB), o "João Fake News" vasculha a internet em busca de respostas a perguntas de usuários via WhatsApp
Captura de Imagem: Rafael Arbulu/Showmetech

A notícia vem pouco tempo depois do próprio WhatsApp — uma propriedade do Facebook — anunciar a criação de uma ferramenta de checagem de fatos (fact check, no inglês) para usuários determinarem a veracidade de uma notícia. Dada a alta capacidade de viralização de informações desencontradas em grupos dentro do mensageiro, bem como a predileção pelo WhatsApp como vetor de disseminação por quem dissemina falsas informações, a impressão que fica é a de que projetos como o João Fake News querem combater “fogo contra fogo”, como diz a expressão.

Dentro das informações de contato (veja como adicionar o chatbot mais abaixo), todos os indicativos apontam para um número dos Estados Unidos, bem como um endereço de São Francisco que, em uma rápida pesquisa pelo Google, descobrimos tratar-se da sede do Twilio, a conhecida plataforma de comunicação via nuvem como serviço (CPaaS), que serve como o motor do João Fake News.

João Fake News: chatbot criado pela UnB se vale da tecnologia, número virtual e endereço do Twilio, em São Francisco
Captura de Imagem: Rafael Arbulu/Showmetech

Mas como eu uso o João Fake News?

Implementar a ferramenta ao WhatsApp instalado em seu smartphone é tão fácil quanto adicionar um contato, até mesmo porque, bem literalmente, é isso que você deve fazer. Utilizando o QR Code abaixo (ou adicionando diretamente o número +1 415 523 8886), você já cai no “perfil” do João Fake News. Antes de começar a perguntar, porém, você deve enviar a mensagem “Join fast-swept” para ser ingressado a uma espécie de “mailing” de respostas do projeto. Uma mensagem confirmando a sua entrada é o sinal de que tudo deu certo.

Para adicionar o João Fake News ao seu WhatsApp, basta ler o código QR mostrado na imagem
Imagem: Divulgação/Vidya Academics

A partir daqui, você já pode começar a enviar suas perguntas: é recomendado que elas sejam feitas de forma curta e concisa, presumidamente porque orações mais longas podem conter palavras-chave adicionais, presumidamente a forma como o João Fake News se alimenta. Em outras palavras: ao invés de perguntar “Internautas afirmam que limão funciona como prevenção para o novo coronavírus. É verdade?”, você pode simplesmente dizer “Limão previne o coronavírus?” 

Em nossos testes, não encontramos erros nas respostas, mas o João Fake News, quando se deparou com alguma inconsistência ou algo ainda em debate, direcionou nossos números para links de veículos de imprensa que tenham aberto à discussão os temas pertinentes às perguntas que enviamos. Por outras vezes, alguns resultados até pareceram estranhos: a pergunta acima (dos limões), por exemplo, nos levou a links relacionados à medicação conhecida como Ivermectina, que junto à hidroxicloroquina e à cloroquina, foi alvo de diversos estudos que não puderam atestar, comprovadamente, seu funcionamento no tratamento ou mesmo na prevenção da COVID-19.

Algumas teorias da conspiração não encontram uma resposta direta pelo João Fake News, mas o chatbot consegue direcionar usuário a links de discussão
Captura de Imagem: Rafael Arbulu/Showmetech

Finalmente, vale ressaltar que o João Fake News funciona tanto pelo aplicativo instalado no smartphone como no acesso via WhatsApp Web no desktop.

Fonte: Vidya Academics, via Facebook

Receba notícias como essa no seu email. Inscreva-se aqui:

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar um comentário

Assine nossa Newsletter