Dá para morrer de asma? Entenda como funciona essa doença

A asma é uma das principais doenças crônicas do país e tem tratamento pelo SUS. Entenda como funciona a doença e como tratá-la corretamente usando a tecnologia

Após a morte da talentosa escritora, atriz e roteirista Fernanda Young, no último domingo (25), uma questão importante de saúde respiratória veio à tona. Dá para morrer de asma? A resposta mais simples é sim. Porém, por mais que a doença seja crônica, pode ser bem controlada para diminuir totalmente os riscos.

A asma é uma doença pulmonar crônica que causa inflamação nas vias aéreas, e geralmente é identificada a partir de sintomas de falta de ar, tosse seca e chiado no peito. De acordo com a Globlal Asthma Network, uma fundação internacional que trabalha no combate à doença, há mais de 339 milhões de asmáticos no mundo, sendo cerca de 20 milhões brasileiros.

Existem vários tipos de asma, mas, geralmente, são separadas em alérgicas e não alérgicas. Nos adultos, a divisão é mais igualitária, sendo 50% para alérgicas e os outros 50% para não alérgicas. No caso das crianças a situação é bem diferente: 80% dos casos possuem algum tipo de alergia inclusa. A asma não é uma doença viral ou bacteriana, ela aparece por predisposição genética, e geralmente ocorre em membros que tem um histórico familiar da doença.

Fernanda Young, e o trágico caso de Asma
Após o falecimento de Fernanda Young, o alerta para Asma ficou mais ligado do que nunca

Segundo a ASBAI (Associação Brasileira de Alergia e Imunologia), mais de 2.000 pessoas morrem por ano por causa da doença, e mais de 350 mil pessoas são internadas no SUS (Sistema Único de Saúde), sendo a quarta maior causa de hospitalização no país. A Associação ainda garante que o sobrepeso e a obesidade podem aumentar em até 50% o risco de desenvolver algum tipo de asma.

O principal sintoma da asma é que uma crise pode ocasionar uma parada cardiorrespiratória, como no caso da Fernanda Young. Gripes, crises alérgicas e pneumonia podem ser os principais agravantes para pacientes asmáticos, causando crises mais fortes e outros problemas respiratórios graves.

O que pode aumentar a crise?

Fumar aumenta os riscos de potencializar a asma

Apesar do fator genético ser importante, existem algumas coisas que podem servir de gatilho para que a doença se manifeste, principalmente no caso de se desenvolver a versão alérgica da doença. O cigarro, é um dos principais inimigos da asma, que além de servir de gatilho para a doença, pode causar bronquite, enfisema e até mesmo doenças respiratórias mais graves como a tuberculose.

Ambientes com muita poeira, ácaros, fungos, pólen, e cheiros muito fortes também servem como potencializador da doença e podem agravar o quadro de pacientes asmáticos. Pelos de animais no geral não são a principal causa de crises, mas pode acontecer caso o paciente tenha alguma alergia ao pelo, se o animal estiver com muita poeira ou soltando muitos pelos pequenos no ar.

Tratamento

Se você é asmático, fumar aumenta os riscos da doença
Se você é asmático, fumar aumenta os riscos da doença

O tratamento para asma é simples e o acompanhamento médico em postos de saúde e farmácias populares é o suficiente para o controle da doença. O problema é que apenas 12% dos brasileiros diagnosticados fazem algum tipo de tratamento, como informa a SBPT (Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia).

O tratamento é feito por medicações orais, respiratórios e injetáveis, e são divididos em medicamentos para alívio em momentos e crises, assim como medicamentos profiláticos para controle da doença. As pessoas costumam lembrar somente daquela bombinha inaladora, mas cada caso, dependendo do tipo de asma e da alergia, exige um controle diferente da doença.

Entretanto, a famosa bombinha ajuda a dilatar os brônquios e podem tirar o paciente de uma crise leve e moderada. Durante uma crise grave, a bombinha pode não conseguir reverter o quadro e pode haver a necessidade de ajuda de aparelhos para respirar, como nebulizadores.

Apps para controle da asma

Com a popularização dos Apps de saúde, existem alguns aplicativos que ajudam no controle da doença, e, além de lembretes para tomar a medicação, trazem tutoriais de como utilizar a bombinha de asma e dados médicos para acompanhamento diário da doença e da respiração. Infelizmente, com exceção do App da UFRG, os outros estão em inglês, o que pode ser uma barreira para alguns usuários, porém vale o esforço para se manter em dia com a saúde.

Asma – TelessaúdeRS

Controle a Asma pelo APP da UFRG
App da UFRG faz parte de um conjunto de soluções de saúde desenvolvidas pela universidade.

O App, desenvolvido pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, traz orientações sobre o diagnóstico, classificação e manejo da doença em adultos e crianças maiores de 5 anos. De acordo com classificação da gravidade da patologia, fornecendo orientações não-farmacológicas e farmacológicas, baseadas nas diretrizes do The Global Initiative for Asthma e no Caderno de Atenção Básica sobre Doenças Respiratórias Crônicas, do Ministério da Saúde.

Asma – TelessaúdeRS está disponível para download na Play Store e App Store.

AsthmaMD

Asthma MD é outro App indicado por médicos no controle da Asma
O Asthma MD traz gráficos comparativos sobre as crises de asma e sobre o controle da medicação.

O AsthmaMD possibilita manter um diário da doença com facilidade e rapidez, permitindo visualizar todas as atividades em um gráfico de cor, compartilhar o diário e gráficos com o médico, para que o usuário possa acompanhar acompanhar o tratamento e ajuda na investigação da asma. Costuma ser o mais indicado pelos médicos para o acompanhamento da doença.

Este aplicativo está disponível para download na Play Store e App Store.

Asthma Tracker

Asthma Tracker tem um visual amigável e intuitivo no controle da Asma.
O Asthma Tracker tem um visual amigável e intuitivo no controle da asma, e gera estatísticas interessantes.

Funciona de forma semelhante ao AsthaMD, onde é possível manter um diário da doença, tornando mais fácil controlar e salvar todos os seus valores de pico de fluxo e medicações, bem como os sintomas relacionados com a asma ao longo do dia.

O Asthma Tracker está disponível para download na Play Store e App Store.

Apesar da asma ser uma doença que não tem cura, com o acompanhamento certo é possível viver uma vida normal. O comitê olímpico informa que cerca de 10% dos atletas que participam das Olimpíadas são asmáticos, e conseguem excelentes performances graças ao acompanhamento correto. Há casos de remissão, onde após o tratamento correto o paciente deixa de sentir os sintomas causados pela doença. Ou seja, com o devido cuidado, pode-se manter a qualidade de vida elevada mesmo para uma pessoa asmática.

Fontes: Globlal Asthma Network, ASBAI (Associação Brasileira de Alergia e Imunologia)

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar um comentário

Deixe um comentário: