DNA: porque o CRISPR está revolucionando a ciência

dna crispr
Tesoura molecular CRISPR é alternativa barata para manipular o DNA humano e vem chamando atenção até de Hollywood

Uma revolução silenciosa da ciência pode acelerar o futuro em que a manipulação do DNA se tornará tão comum quanto trocar de roupa. O CRISPR – pronuncia-se “crisper” – é uma nova técnica de laboratório que vem chamando atenção por conta da sua aplicabilidade simples para editar genes. Sabe o filme Gattaca? Se a sociedade está caminhando para algo parecido, técnicas como o CRISPR podem ser o ponto crítico.

Editar DNA não é exatamente novidade, mas o CRISPR se destaca por ser muito mais específico, versátil e barato. Cientistas já usaram a técnica para tratar disfunções musculares com resultados positivos em ratos. Em outros casos, é possível alterar o exato gene causador de doença hereditária, como alguns tipos de câncer, para eliminar possibilidades de ele se manifestar. E todo esse poder está em um kit básico que qualquer pessoa pode comprar, por cerca de R$ 150.

O CRISPR funciona como uma tesoura molecular. Bem manuseada, a ferramenta identifica a porção “defeituosa” do DNA e pinça com cuidado, eliminando o problema na origem. A tarefa é difícil, já que o genoma humano conta com 6 bilhões bases nitrogenadas – aquelas sequências de GACT ensinadas na escola.

A Bill and Melinda Gates Foundation está investindo US$ 75 milhões em pesquisa e desenvolvimento para encontrar uma forma de usar o CRISPR para modificar o DNA do Anopheles, o mosquito transmissor da malária. A ideia é criar uma geração inteira de mosquitos estéreis, algo que poderia provocar sua extinção – e a erradicação da doença – em pouco tempo.

dna crispr laboratorio
CRISPR vem em kit barato de R$ 150

Toda essa eficiência de edição de DNA permite uma nova abordagem para técnicas não ligadas a modificação de genes. Harvard e MIT, por exemplo, criaram uma tecnologia molecular baseada no CRISPR para diagnosticar Zika e dengue à prova de falhas com um exame que custa menos de R$ 2.

Isso é tudo que países em desenvolvimento como o Brasil precisam. A novidade pode ser uma forma de reduzir custos na saúde e, ainda assim, aumentar a efetividade das políticas públicas. E como o custo é baixo, entidades não-lucrativas têm mais facilidade para distribuir kits para laboratórios do mundo inteiro. A ONG Addgene, por exemplo, enviou recentemente 60 mil kits gratuitamente para cientistas de 80 países.

Transgênicos

A transgenia no mercado de alimentos é realidade hoje, mas pode dar um salto qualitativo com a CRISPR. Embora esteja em estágio ainda mais experimental do que no DNA humano, a técnica já vem sendo testada pela agropecuária. Já há avanços para deixar vegetais imunes a pragas e tornar porcos resistentes a bactérias.

Atualmente, modificar vegetais geneticamente requer usar genes de outro ser vivo, como um certo tipo de peixe. Com a chegada da CRISPR nesse setor, a prática se tornaria mais barata e com chance dramaticamente menor de falhar. O resultado, em tese, seria comida mais abundante, barata e, quem sabe, também mais saudável.

CRISPR em Hollywood

A técnica ganhou tanta popularidade que vem chamando atenção até de Hollywood. Depois de se destacar como avanço científico do ano na Sience em 2015, a tecnologia saiu em vários jornais americanos e será tema de uma série de TV da emissora NBC. Nada mal para uma técnica molecular de laboratório.

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar um comentário

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Receba notícias por e-mail

Receba notícias no seu e-mail
Holler Box