Arquitetura hopper da nvidia

NVIDIA lança arquitetura Hopper focada em inteligência artificial

Avatar of victor pacheco
No primeiro dia do NVIDIA GTC, tivemos diversas novidades para o mercado de IA, incluindo a nova arquitetura Hopper que possui apenas 4 nanômetros. Veja detalhes

Hoje é o primeiro dia do NVIDIA GTC, evento organizado pela empresa para anunciar novidades para o mercado de inteligência artificial. Há cerca de 10 anos, a NVIDIA está focada em deixar de ser uma empresa conhecida apenas por suas placas de vídeo e solução para gamers. O trabalho vem sendo feito por meio da criação de novidades para programadores, designers, desenvolvedores de jogos e até mesmo para a área de saúde.

Além de novidades para o mercado de GPUs, a empresa também anunciou tecnologias para o mercado de supercomputadores e trabalho híbrido. Confira tudo o que foi exibido.

Hopper H100

Anunciado como o “chip mais poderoso do mundo”, o primeiro grande anúncio do NVIDIA GTC foi a nova arquitetura Hopper, que levou este nome em homenagem à Grace Hopper, cientista da computação pioneira nos Estados Unidos. A nova arquitetura possui apenas quatro nanômetros e será a substituta da Ampere, anunciada pela primeira vez em 2020.

O primeiro chip nesta nova arquitetura é o Hopper H100, que conta com 80 bilhões de transistores e foi completamente pensado para tarefas de alto desempenho em servidores de empresas dos mais diversos segmentos. E há muitos pontos interessantes.

Novo processador h100 com arquitetura hopper da nvidia
Novo microprocessador possui arquitetura de 4 nanômetros (Foto: NVIDIA)

O Confidential Computing é a solução focada para manter todas as informações dos clientes e soluções de inteligência artificial em segurança, ideal para o setor de saúde e financeiro, assim como infraestruturas de nuvem compartilhadas.

A primeira arquitetura de chip com quatro nanômetros da NVIDIA também conta com uma solução que levou o nome de DPX Instructions, que permite o processamento de programação dinâmica em algoritmos, incluindo otimização de rotas e genômica. Em uma comparação com a geração Ampere, o poder de programação é 40 vezes maior com CPUs e 7 vezes maior no uso de GPUs (que fala sobre o processamento gráfico).

Chip com arquitetura hopper
Arquitetura Hopper será essencial para entrega de alta performance (Foto: NVIDIA)

 A 4ª geração do NVIDIA NVLink agora oferece suporte para que os usuários possam trabalhar com uma rede escalável além do servidor. Durante o evento que exibiu os primeiros avanços da arquitetura Hopper, a empresa ressaltou que o chip H100 consegue manter a potência de 256 GPUs com largura de banda 9 vezes maior do que a geração anterior, com o apoio do NVIDIA HDR Quantum InfiniBand.

Com apoio das 20 GPUs presentes no novo chip, a empresa ressalta que é possível “sustentar o tráfego de internet do mundo inteiro”, utilizando 3 TB/s de largura de banda ao ser o primeiro a usar HBM 3 em um microprocessador. A NVIDIA ressaltou também que o grande foco dos modelos com arquitetura Hopper é “acelerar trabalhos de AI, HPC (High Performance Computing ou computação de alta performance), largura de banda de memória, interconexão e comunicação, incluindo quase 5 terabytes por segundo de conectividade externa.”

Novo processador h100 com arquitetura hopper da nvidia
Primeiro processador de arquitetura Hopper será vendido a partir do terceiro trimestre deste ano (Foto: NVIDIA)

O novo chip estará disponível para compra a partir do primeiro trimestre de 2022. A empresa apresentou variantes com formatos SXM e PCIe e também anunciou que um acelerador convergente estará disponível, combinando uma GPU H100 com uma NVIDIA ConnectX®-7 400Gb/s InfiniBand e Ethernet SmartNIC.

Supercomputador NVIDIA EOS

Este modelo será utilizado por profissionais da própria empresa para poderem saber mais sobre o mercado de inteligência artificial, mas também pode ser utilizado pelos parceiros de nuvem. Entre os avanços, é possível reduzir o tempo de treinamento de 7 dias para apenas 20 horas, assim como o ganho de produtividade será 7 vezes maior em relação à geração anterior.

Nvidia eos
Novo supercomputador poderá ser utilizado por empresas de diversos segmentos (Foto: NVIDIA)

Também será possível ter 30 vezes mais performance graças ao microprocessador H100 de arquitetura Hopper e espera-se que esta mesma opção também possa ser utilizada pelo setor de saúde.

GPU H100 CNX

O assunto de democratização também foi tema do NVIDIA GTC e a solução que levou o nome de H100 CNX é uma combinação de uma GPU Grass Hopper e uma placa de processamento ConnectX-7. Na prática, será possível que parceiros integradores e profissionais que estão iniciando no mercado de inteligência artificial utilizem a solução.

Novo processador h100 com arquitetura hopper da nvidia
(Foto: NVIDIA)

A novidade estará disponível a partir do terceiro trimestre de 2022 e os parceiros poderão entrar em contato com a NVIDIA para saber como fazer a compra e uso de todas as tecnologias; a empresa espera que pequenos projetos sejam impulsionados.

Superchips GraceHopper

O Superchip CPU Grace chegará ao mercado com arquitetura baseado no Arm Neoverse de 144 núcleos com 1 terabyte por segundo de largura de banda de memória. Para conseguir entregar potência máxima, a NVIDIA unificou duas CPUs Grace conectadas ao sistema NVLink.

Vamos falar sobre os ganhos de performance? O superchip GPU Grace terá suporte para memórias LDDR5X; isso significa um ganho de eficiência duas vezes maior em relação aos servidores convencionais. É importante não confundir com o superchip Grace Hopper, já que este combina CPU e GPU em um único sistema em um chip. 

Um novo tipo de coração de informação surgiu: fábricas de IA que processam e refinam montanhas de informações para fornecer inteligência. O Grace CPU Superchip oferece a melhor eficiência, largura de banda de reminiscência e plataformas de software NVIDIA em um único chip.

Bob Pette, vice-presidente de Visualização Profissional da NVIDIA

Os superchips ficarão disponíveis para compra a partir do segundo semestre de 2023 e a NVIDIA compartilhou que o superchip CPU Grace possui estrutura Arm v9, que pode ser configurado com técnicas de CPU autônomas ou para servidores com até oito GPUs baseadas na arquitetura Hopper.

NVIDIA AI Enterprise 2.0 e NVIDIA RIVA 2.0

Além de novos chips focados para os avanços da inteligência artificial, a NVIDIA também apresentou novas versões de sistemas que estão no mercado. A novidade do NVIDIA AI Enterprise 2.0 inclui servidores com CPU e, ainda, suporte para mais aplicações de GPU em todos os servidores certificados pela empresa, sem cobrança de taxa adicional no plano já oferecido.

Já sobre o NVIDIA RIVA 2.0, ]focado em realizar a conversão de texto para áudio, a solução pode ser utilizada por designers, profissionais que trabalham com inteligência artificial e demais tecnologias. Os novos recursos incluem novos algoritmos, suporte para 7 idiomas e atendimento direto com técnicos da NVIDIA. As novidades estão disponíveis a partir de hoje (22).

Outro sistema anunciado hoje foi o Merlin 1.0, que pode ser explicado como um serviço de engenharia digital para profissionais que trabalham em recomendadores de sites, muito comum em sites de compra. O Merlin 1.0 está disponível gratuitamente a partir de hoje (22).

Omniverse Cloud

Como um dos grandes destaques durante a passagem da empresa pela CES 2022, o Omniverse é um software focado para profissionais que precisam desenvolver ambientes digitais (arquitetos, criadores de jogos etc). No NVIDIA GTC 2022, a empresa anunciou uma versão digital que permite o trabalho colaborativo e acesso pela internet.

Omniverse
Omniverse ganhou versão que funciona na nuvem (Foto: NVIDIA)

Se antes era necessária uma máquina potente e com placas de vídeo da própria NVIDIA, agora bastará uma conexão com a internet para que pessoas de todas as partes do mundo possam trabalhar juntas em um mesmo projeto, sem deixar o ganho de performance e qualidade de lado. A novidade ainda não está disponível para todos, mas será testada em breve com mais profissionais e disponibilizada para o mercado geral em seguida.

NVIDIA OVX

Um conceito bastante abordado no evento é o de Digital Twin (que pode ser traduzido para gêmeo digital). No dia a dia, isso se traduz numa cópia de um produto ou sistema que permite que os testes sejam realizados antes da fabricação final acontecer.

É necessário ter um grande poder de performance para conseguir realizar todas as simulações, por isso, a empresa anunciou a NVIDIA OVX, a infraestrutura de servidores para criação de digital twins. O trabalho acontecerá dentro do Omniverse.

Nvidia ovx
Infraestrutura permitirá simulações sem a necessidade de fabricação física (Foto: NVIDIA)

O foco maior é conseguir entregar um poder de performance único, o que fez com que a NVIDIA anunciasse que a OVX terá 8 GPUs A40, 16 TB de armazenamento interno do modelo NMVe e dois processadores Intel Xeon Platinum 8362. Os componentes ainda incluem três placas de rede NVIDIA ConnectX® -6 Dx 200 Gbps e 1 TB  memória do sistema.

Os gêmeos digitais fisicamente precisos são o futuro de como projetamos e construímos. Os gêmeos digitais vão mudar a forma de cada indústria e também dos planos da empresa. O portfólio de sistemas da OVX conseguirá fornecer energia verdadeira, em tempo real, sempre síncrona, com gêmeos digitais em escala industrial presentes em todos os setores.

Bob Pette, vice-presidente de Visualização Profissional da NVIDIA

A NVIDIA OVX estará disponível ainda este ano, por meio de empresas como Inspur, Lenovo e Supermicro.  

Jetson AGX Orin

A NVIDIA também está focada em entregar potência para quem trabalha com robótica e kit de desenvolvedor. Essa é a chance de usar “o cérebro de robótica mais poderoso” – de acordo com a fabricante – para conseguir desenvolver projetos completos. Se espera que o uso seja feito para a criação de robôs que realizam tarefas do dia a dia, mas agora com mais velocidade.

Jetson agx orin
Jetson AGX Orin é a opção da NVIDIA para desenvolvedores de robôs (Foto: NVIDIA)

Em comparação ao antecessor, o Jetson AGX Xavier, a novidade anunciada hoje entrega um poder de processamento que é 8 vezes maior. Isso é possível graças a:

  • CPUs ARM Cortex-A78AE de 12 núcleos;
  • GPU baseada em Ampere;
  • atualizações para seus aceleradores de IA;
  • Interfaces;
  • largura de banda de memória
  • suporte a sensores.

Sem preço anunciado para o Brasil até o momento, será necessário desembolsar US$ 399 (R$ 1968,75 em conversão direta) pelo kit mais básico, que conta com seis núcleos de CPU, uma GPU de 1.792 núcleos, 8 GB de RAM e 70 TOPS de desempenho. 

Para conseguir alcançar os 275 TOPS de desempenho, é necessário fazer a compra do módulo adicional Orin com os 12 núcleos de CPU completos, GPU de 2.048 núcleos e 64 GB de RAM por US$ 1.599 (R$ 7889,79 em conversão direta). O valor em real brasileiro para comprar o kit completo chega a R$ 10.000 (em conversão direta e sem considerar possíveis impostos).

Jetson agx orin
Modelo chega ao mercado durante o quarto trimestre de 2022 (Foto: NVIDIA)

A fabricante ressaltou que o Jetson AGX Orin possui suporte para até seis câmeras, três sensores lidar e oito sensores ultrassônicos, mas não revelou o preço dos itens adicionais. O novo kit de desenvolvimento para criadores de robôs chega ao mercado durante os três últimos meses deste ano, sem anúncio oficial de venda no Brasil.

Drive Hyperion 9 para o mercado automotivo

Como última novidade para o evento, a NVIDIA anunciou um supercomputador focado apenas para empresas que trabalham no setor automotivo. Você pode não saber, mas a empresa que ficou popular por suas placas de vídeo possui parcerias no setor desde 2010, o que garantiu resultados interessantes.

Drive hyperion 9
Supercomputador possui potência para empresas do ramo automotivo (Foto: NVIDIA)

A marca possui parceria com 20 fabricantes de carros elétricos e 28 das 30 principais fabricantes de carros comuns já utilizam alguma tecnologia de processamento da NVIDIA. O Drive Hyperion 9 chega para desenvolver carros do nível de autonomia L4 (carros completamente autônomos são classificados como L5) e estará disponível a partir de 2026.

Potência é um sinônimo do supercomputador e, para isso, ele conta com o dobro de desempenho da atual arquitetura baseada no DRIVE Orin com o mesmo envelope de energia. A NVIDIA também compartilhou que veículos desenvolvidos com o Drive Hyperion 9 conseguirão processar ainda mais dados do sensor à medida que o carro dirige.

Drive hyperion 9
BYD será uma das primeiras a empresas a usarem Drive Hyperion 9 (Foto: NVIDIA)

Isso inclui “radar de imagem surround, câmeras aprimoradas com taxas de quadros mais altas, dois lidar laterais adicionais e sensor de material rodante aprimorado com melhor posicionamento de câmera e ultrassônico.” Em seu total, o supercomputador possui para simulação:

  • 14 câmeras
  • 9 radares;
  • 3 sensores Lidar;
  • 20 sensores ultrassônicos para direção automatizada e autônoma;
  • 3 câmeras;
  • 1 radar para detecção de ocupantes internos. 

Empresas que já são parceiras da NVIDIA, como BYD e Lucid, serão as primeiras a desenvolver carros para a próxima geração.

O que você achou de todas as novidades anunciadas hoje pela NVIDIA? Diga pra gente nos comentários!

Veja também

Confira detalhes sobre a NVIDIA RTX 3090 Ti e RTX 3080 Ti, novas placas de vídeo que foram anunciadas na CES 2022.

Fonte: Newsroom

Inscreva-se para receber nossas notícias:

Total
5
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Posts Relacionados