Review: Marvel’s Spider-Man: Miles Morales é uma jornada de descoberta

Review: Marvel's Spider-Man: Miles Morales é uma jornada de descoberta
Marvel's Spider-Man: Miles Morales traz uma nova versão do cabeça de teia em uma aventura pessoal e tocante

A nova geração de consoles está chegando, e é óbvio que com ela teremos vários novos jogos. Quando o Playstation 5 foi oficialmente revelado lá em Julho desse ano, o primeiro título anunciado foi uma nova aventura de um Homem-Aranha no universo do popular jogo de PS4, mas não com Peter Parker. Marvel’s Spider-Man: Miles Morales faz você controlar o herói-legado de Peter, Miles, descobrindo seus poderes e começando suas aventuras como um segundo cabeça de teia em Nova Iorque.

O primeiro jogo dessa nova era do Homem-Aranha foi uma experiência impactante, trazendo uma das melhores adaptações desse lado do Universo Marvel já feito. Expectativas para a continuação desde então sempre estiveram em alta, e agora, dois anos depois, e sendo lançado tanto para o PS4 quanto para o PS5, a hora chegou de ver pelo menos um pouco o que irá acontecer nessas próximas aventuras.

Miles Morales: o herói millenial

spider-man: miles morales
Miles é um herói bem menos experiente que o conhecido Peter Parker

Miles Morales foi criado em 2011 por Brian Michael Bendis nas páginas do selo Ultimate da Marvel. Um garoto com uma perspectiva familiar diferente da de Peter, ele contava com uma família extensa, pai e mãe e uma realidade diferente daquela que o Homem-Aranha original tinha. Suas histórias iniciais tratavam muito mais de uma realidade de ter um segundo Homem-Aranha por trás do legado enorme do primeiro, e como um herói mais urbano, civil, ajudando em casas mundanas, seja tão importante quanto os bastiões da justiça que lutam contra as ameaças de nível cósmico.

Marvel’s Spider-Man: Miles Morales trabalha pegando como base esses primeiros momentos do novato, sendo que ele no começo do jogo usa um pijama como uniforme de herói (dado pelo próprio Peter) e a maioria de seus atos heróicos impactam mais a comunidade do Harlem, onde ele mora, do que a cidade como um todo. Embora o jogo já comece com um grande combate contra um dos vilões clássicos do cabeça-de-teia e a demonstração da parceria entre Peter e Miles, é nos primeiros momentos que Miles age sozinho que vemos a diferença entre os dois.

Ao se balançar nas teias pela cidade, Miles é atrapalhado, inexperiente. Solta várias vezes quase caindo, mas consegue se recuperar. Correndo pelas laterais de prédios, ele dá tropeços e, lutando contra os inimigos, nota-se que ele tem bem menos força que Peter, com seus golpes dando bem menos impacto mas ainda sim sendo extremamente rápido.

Em seu tempo descansando em seu quarto, Miles tem um quê de cientista, embora muito mais para celulares e desenvolvimento de software do que sistemas biológicos, mas prefere passar seu tempo desenvolvendo músicas e batidas, uma paixão sua e de muitos jovens do século XXI. Com esse pacote todo é que o jogo desenvolve a diferença entre Peter e seu aprendiz, e torna tão fácil simpatizar e gostar com Miles.

Cidade em escala maior

spider-man: miles morales 3
A cidade tem mais vida que no primeiro jogo, graças a sua escala maior.

A Nova Iorque de Marvel’s Spider-Man: Miles Morales é praticamente semelhante à do primeiro jogo, mas está feita em escala maior. As ruas são mais cheias de vida e mais detalhadas, especialmente notável no Harlem e suas várias artes de rua, população fazendo atividades variadas, e com toda a vida que o lugar exala. Comentários dos civis falando “onde está o verdadeiro Homem-Aranha” dão o tom do quanto Miles ainda está no começo de sua jornada, e vão adicionando a imersão dentro do personagem.

Em termos de colecionáveis, o jogo continua a tendência de seu antecessor e está recheado de itens espalhados pela cidade. Porém, com a escala maior, existe um certo desafio maior na procura, já que agora eles podem estar dentro de detalhes que tornam mais dífícil sua localização, mesmo com o radar.

Marvel’s Spider-Man: Miles Morales também mudou a forma de achar os crimes pela cidade, a partir do aplicativo in-game “Spider-Man amigão da vizinhança“. Ao passar o dedo para o lado esquerdo no touchpad do controle do PS4 ou do PS5, Miles usa seu celular e entra no aplicativo, podendo ver uma relação de todas as atividades disponíveis para fazer naquele momento. Aperte R1 e você irá para a aba de crimes, escolha um e pronto, ele estará ativo. É um processo mais fácil e mais intuitivo d que ficar andando pela cidade esperando os delitos aparecerem igual o primeiro jogo, e me surpreendi com o quão funcional é.

Gráficos prontos para o futuro

spider-man: miles morales destaque
A iluminação do jogo teve uma melhoria absurda se comparado com o Spider-Man de 2018

Jogamos Marvel’s Spider-Man: Miles Morales no PS4, mas mesmo assim já observamos várias melhorias gráficas. A iluminação está bem melhor, principalmente nos momentos em que a cidade está no período da manhã, com a neve espalhada nela refletindo a luz do sol e conseguindo mostrar visuais lindos. O vidro de prédios rebate também a luz solar e o modelo de Miles, deixando cenas visualmente muito bonitas, e, quando a cidade está de noite, seus outdoors e iluminações fazem com que você pareça estar em um vibrante mundo de quadrinhos, mesmo que a direção artística do jogo esteja para o lado mais realista.

No PS4 as coisas param por ai, mas no PS5, conforme mostrado em vários vídeos, o poder do Ray-Tracing promete elevar e muito esses visuais. Embora Miles seja um jogo que sairá para duas gerações de console, está claro que ele é um jogo preparado para o futuro, respeitando as limitações do console anterior sem estragar a experiência nela mas aparentemente com características o suficiente na geração seguinte para mostrar as diferenças.

Até logo, Miles

Marvel’s Spider-Man: Miles Morales é um jogo fantástico. Dura bem menos que o primeiro Spider-Man, mas conta uma história tão mais pessoal e menos caótica quanto ao mundo que é difícil não se emocionar. Os primeiros passos de Miles como seu próprio herói são contados de forma fantástica, e com o mundo do jogo aos poucos abraçando ele, sem dúvidas todos nós, jogadores, também iremos. É uma experiência menor, mas mais próxima da gente. Em resumo, Spider-Man Miles Morales é um jogo com coração enorme, e talvez por isso irá se tornar tão lembrado daqui anos, ou pelo menos assim espero.

Marvel’s Spider-Man: Miles Morales está disponível em formato digital na Playstation Store por R$249,50, em mídia física para o PlayStation 4 por R$206,90 e em mídia física para o PlayStation 5 em duas versões: a padrão, que sai R$229, e a Ultimate, que acompanha uma cópia do Marvel’s Spider-Man de 2018 remasterizado para o novo console, por R$329.

  • Jogabilidade - 10/10
    10/10
  • História - 10/10
    10/10
  • Som - 9/10
    9/10
  • História - 10/10
    10/10
9.8/10

Spider-Man Miles Morales

Continuação do jogo de 2018, a nova aventura na Nova Iorque da Marvel traz uma história bem mais pessoal e um herói ainda aprendendo o que é ser alguém que se dedica a ajudar os outros, de forma bem contada e emocional.

Pros

  • História extremamente bem feita;
  • Jogabilidade excelente semelhante ao seu antecessor;
  • Visuais com melhorias visíveis

Cons

  • Certos sons se repetem demais
Receba notícias como essa no seu email. Inscreva-se aqui:

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar um comentário

Assine nossa Newsletter