Segunda temporada e the witcher é deslumbrante visualmente um deleite de história

CRÍTICA: Segunda temporada de The Witcher aprofunda o mundo da franquia

Avatar of amanda almeida
A segunda temporada de The Witcher aprofunda na história dos personagens, aumenta as apostas, a tensão e a ação e segue à altura de um show excelente

Quando saiu a primeira temporada de The Witcher, lá em 2019, o show ficou entre os mais vistos da Netflix. O grande sucesso e a beleza da adaptação deixaram o hype lá para o alto, e a aguardada segunda temporada de The Witcher estava gerando grandes expectativas.

The Witcher é baseado nos livros do autor polonês Andrzej Sapkowski, que gira em torno das histórias de Geralt de Rivia (Henry Cavill), um matador de monstros mutante de aluguel; Ciri (Freya Allan), a princesa de Cintra, a Criança da Surpresa de Geralt e a portadora do Sangue Ancião; e Yennefer de Vengerberg (Anya Chalotra), uma feiticeira obstinada e movida pelo poder. Além disso, a série introduziu vários personagens secundários que influenciam os eventos principais e moldam as jornadas, destinos e desenvolvimento dos protagonistas — e a 2.ª temporada aprofunda esse mundo ainda mais.

A primeira temporada da série trouxe muita ação, lutas sangrentas de monstros, envolvimentos românticos ardentes e um enredo principal distorcido, e a segunda temporada magistralmente construída sobre essa base entregou uma experiência incrível, destinada a cativar mais fãs da série. E aqui ela entregou com maestria um trabalho excelente!

Linearidade e desenvolvimento dos personagens

Crítica: segunda temporada de the witcher aprofunda o mundo da franquia. A segunda temporada de the witcher aprofunda na história dos personagens, aumenta as apostas, a tensão e a ação e segue à altura de um show excelente
Henry Cavill como Geralt de Rívia para a segunda temporada de The Witcher.

Esta temporada, diferente da primeira, conta a história de forma linear, sendo muito mais fácil de acompanhar. Ainda salta entre os personagens, nos mostrando pontos de vistas diferentes, mas seguindo uma única linha temporal.

A segunda temporada de The Witcher tem um desenvolvimento enérgico dos personagens e na história. Geralt não é mais apenas um matador de monstros monossilábico e rude, mas um homem cansado e atencioso que pode, às vezes, até mesmo comunicar seus sentimentos. Cavill insistiu no desenvolvimento desse personagem, aproximando o retrato do bruxo das obras originais. Geralt é ferozmente protetor de Ciri, e seu relacionamento crescente entre pai e filha adiciona uma camada de calor e humanidade à história.

A garotinha assustada e de olhos arregalados, fugindo de seus prisioneiros que conhecemos na primeira temporada, se foi; em vez disso, Ciri está treinando no mesmo nível dos bruxos, pronta para se defender e enfrentar o medo cara a cara. Ela é teimosa, sarcástica e astuta. Conforme ela descobre sua origem e poderes, ela se aproxima do desbloqueio de seu destino.

Yennefer enfrenta as consequências de suas ações na 2.ª temporada e embarca em uma jornada de autodescoberta que inevitavelmente a leva e a liga a Ciri. Ela ainda é impetuosa, apaixonada e muitas vezes grosseira demais, mas está pronta para se adaptar e aprender o quão longe está disposta a ir em busca de poder.

Lutas e monstros

Segunda temporada de the witcher - monstros
Monstros na série são um deleite visual e também uma homenagem aos jogos – Créditos: Netflix

Aqueles que amaram as cenas emocionantes de luta de monstros na 1.ª temporada não ficarão desapontados. As criaturas que Geralt enfrenta são mais malvadas, mais assustadoras e representam uma ameaça maior. As lutas são mais refinadas, o CGI é mais impressionante, um verdadeiro deleite visual, e as apostas são maiores. 

Além disso, alguns dos monstros são mais que missões paralelas que permitem ao bruxo ganhar algum dinheiro, mas pontos cruciais na história de Geralt, que certamente causarão um impacto duradouro. Ansiosa para ver mais de como isso vai se desenvolver nas próximas temporadas.

Mundo e política expandidos

Devo dizer que desde Game Of Thrones, nenhuma outra série que eu tenha acompanhado nessa linha de alta-fantasia tenha me prendido tanto nos aspectos políticos desenvolvidos. Mas aqui em The Witcher foi incrível como eles conseguiram desenhar a trama, que não apenas conta sobre quem está no poder, ou na luta para consegui-lo, mas também o impacto que isso tem no povo e naqueles que não tem nada a ver com essa luta.

Crítica: segunda temporada de the witcher aprofunda o mundo da franquia. A segunda temporada de the witcher aprofunda na história dos personagens, aumenta as apostas, a tensão e a ação e segue à altura de um show excelente
Anya Chalotra como Yennefer em The Witcher – Créditos: Netflix

A primeira temporada se concentrou principalmente na guerra com Nilfgaard e na queda de Cintra, enquanto a segunda temporada de The Witcher é mais profunda e muito mais pessoal. Em vez de se concentrar apenas nos governantes, ela se concentra nas consequências da guerra para as pessoas comuns e oferece ao público uma visão instigante das motivações dos principais jogadores. A segunda temporada adiciona mais profundidade e sombras ao conflito, permanecendo fiel aos livros e mostrando que o mundo raramente pode ser dividido em heróis e vilões.

Personagens secundários

A primeira temporada de The Witcher introduziu vários personagens secundários memoráveis ​​que enriqueceram a história e ajudaram a mostrar as verdadeiras motivações e desenvolvimento dos protagonistas. O próximo capítulo traz de volta vários rostos familiares — os fãs dos jogos ficarão particularmente entusiasmados em ver Triss Merigold, uma feiticeira poderosa e o potencial interesse romântico de Geralt nos jogos, desempenhar um papel maior nos eventos — e apresentar alguns outros personagens queridos e familiares aos leitores.

The witcher - personagens secundários
Joey Batey como Dandelion em The Witcher – Créditos: Netflix

Claro, The Witcher não seria o mesmo sem o atrevido e problemático bardo Jaskier, embora os fãs tenham que ser pacientes, pois ele só aparecerá mais tarde na história. Embora ele ainda forneça o alívio cômico muito necessário, sua história toma um rumo mais sombrio e ele se torna mais do que apenas um amigo intrometido de Geralt, mas uma parte integrante do conto.

Livros e jogo x série The Witcher

A 2.ª temporada de The Witcher pega as bases sólidas do seu primeiro ano e constrói uma narrativa emocionante, complexa e emocional cheia de personagens mais profundos, histórias mais pessoais e riscos muito mais altos.

The Witcher começou como uma série de romances e contos de fantasia do autor polonês Andrzej Sapkowski. Lançados entre 1993 e 2013, os livros são frequentemente descritos como clássicos do gênero. Os livros foram adaptados para um RPG de ação, intitulado The Witcher, em 2007 pela CD Projekt Red, lembrada, hoje, pelo polêmico Cyberpunk 2077.

O jogo, assim como os livros, segue o caçador de feras Geralt e se passa no mesmo mundo de fantasia medieval. O videogame foi extremamente bem-sucedido e foi seguido por The Witcher 2: Assassins of Kings em 2011 e The Witcher 3: Wild Hunt em 2015.

Crítica: segunda temporada de the witcher aprofunda o mundo da franquia. A segunda temporada de the witcher aprofunda na história dos personagens, aumenta as apostas, a tensão e a ação e segue à altura de um show excelente
Capa do jogo The Witcher 3 – Créditos: CD Projekt RED

A temporada provavelmente vai apaziguar os fãs de livros e jogos. O primeiro ficará animado para ver os personagens e histórias familiares — incluindo o conto do amaldiçoado Nivellen de The Last Wish ou a caça de Rience por Cirilla e seu encontro com Jaskier de Blood of Elves — e a adesão geral à narrativa da fonte. O amplo conhecimento de Cavill sobre os livros também ajudou a garantir que Geralt fosse o mais fiel possível ao original, incluindo algumas de suas linhas vindas diretamente das páginas de Sapkowski. No entanto, algumas das curvas do show provavelmente pegarão os leitores desprevenidos, garantindo que eles fiquem na ponta dos seus assentos.

Relacionado: The Witcher 3: mais de duzentas horas de diversão

Os fãs dos jogos provavelmente apreciarão ver os rostos familiares do mestre espião redaniano, Dijkstra, e Philippa Eilhart, uma maga que muda de forma, bem como a presença prolongada de Triss, cuja cor de cabelo está suspeitamente se aproximando dos jogos: vermelho em vez do castanho dos livros. Os monstros apresentados também evocam algumas memórias afetuosas (ou frustrantes) das lutas contra chefes.

Conexão entre série e anime

Outro ponto importante para acompanhar o universo de The Witcher é como a segunda temporada apresenta elementos explicados no filme-anime lançado pela Netflix em agosto. The Witcher: A Lenda do Lobo conta um pouco da história do mentor de Geralt, Vesemir, e explora alguns pontos importantes sobre o passado, mencionado nessa segunda temporada.

Não é preciso ver o anime para ver a série, mas vale a pena, pois detalhes que podem parecer pequenos fazem diferença na hora de compreender alguns diálogos, e também motivos de porque certas coisas estarem do jeito que estão.

Veredito

A segunda temporada oferece uma visão mais complexa e profunda da história, o que também significa que é mais lenta, proporcionando uma construção gradual em vez de um mergulho direto na ação, o que pode dissuadir alguns espectadores. No entanto, as reviravoltas e eventuais revelações compensam o ritmo um pouco mais lento.

A única maneira de a temporada ser melhor é apresentando mais do charmoso Jaskier e suas piadas, mas com sorte, o bardo terá mais tempo na tela e chances de brilhar na terceira temporada. Apesar de não ter outra melodia digna de verme de ouvido e suficiente cenas de banho, a 2.ª temporada é minha favorita até agora.

Leia também: Assassin’s Creed Odyssey: confira o guia de dicas e truques do game

Inscreva-se para receber nossas notícias:

Total
1
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Posts Relacionados