É SÉRIO! Epidemia da clonagem no WhatsApp afetou 8,5 milhões de brasileiros; saiba como se prevenir

É SÉRIO! Epidemia da clonagem no WhatsApp afetou 8,5 milhões de brasileiros; saiba como se prevenir 6
Descubra como os criminosos conseguem clonar um WhatsApp e como se prevenir contra esse golpe que está se tornando mais comum no Brasil

O WhatsApp já faz parte da vida de muitos brasileiros e hoje em dia é utilizado não apenas para o lazer, mas até mesmo como uma ferramenta de comunicação no trabalho e entre familiares. Com essa importância, o perigo de ter o WhatsApp clonado se torna ainda mais preocupante e no Brasil isso tem acontecido com muita frequência. O método mais frequente envolve o acesso ao código de autenticação do usuário, então é preciso estar atento e aprender a se proteger contra o golpe.

Clonagem no WhatsApp

O método mais comum é pedindo o código de autenticação para a vítima
O método mais comum é pedindo o código de autenticação para a vítima

Ter o WhatsApp clonado pode trazer uma série de complicações à vida da vítima. Além de ter o acesso ao aplicativo interrompido, o criminoso ainda pode usar as informações para conseguir dinheiro com amigos, familiares e, até mesmo, chantagear a vítima. Infelizmente, esse tipo de golpe vem se tornando cada vez mais frequente no Brasil e de, acordo com a empresa de segurança PSafe cerca de 8,5 milhões de brasileiros já passaram por essa situação desagradável. Eles tiveram acesso a esses dados a partir de uma pesquisa realizada com 12 mil pessoas.

Além dos golpes realmente concluídos, a empresa também afirmou que o Dfndr Lab, que é uma divisão especializada em segurança digital responsável pelo aplicativo de mesmo nome, já conseguiu identificar mais de 134 mil tentativas de golpe da clonagem de contas de WhatsApp só no ano de 2019.

Método de ataque mais comum

Emilio Simoni, diretor do Dfndr Lab, também divulgou algumas informações sobre os métodos mais utilizados pelos cibercriminosos. O mais comum é conseguir acesso ao código de autenticação que é pedido quando se insere um chip em um novo celular e instala o aplicativo. Como esse código é enviado para o dono da linha, o cibercriminoso não tem acesso a ele. Porém, ele consegue entrar em contato com a vítima e procura uma forma de enganar a pessoa a compartilhar esse código.

Na maioria das vezes, são mensagens fingindo ser da equipe de segurança ou até mesmo do próprio WhatsApp, convencendo a pessoa a digitar o código para medidas de prevenção. Quando isso acontece e a vítima fornece o dado, o WhatsApp é bloqueado no celular dela e passa a estar ativo no do golpista.

Outro método conhecido por eles é o chamado “SIM Swap”(ou “troca de SIM”). Nele, o criminoso consegue obter um chip de celular com o mesmo número do da vítima. Para isso, ele pode enganar algum atendente de operadora ou até mesmo subornar, e dessa forma ele terá acesso ao que for enviado para aquele número, como o código de autenticação.

Como saber se o WhatsApp foi clonado

A partir do momento que alguém clona o número de um celular, ou seja, consegue um chip com o mesmo número e cadastra o WhatsApp, é possível descobrir. Isso porque o mensageiro não funciona em dois aparelhos ao mesmo tempo.

O próprio aplicativo irá enviar uma notificação avisando que o número está sendo utilizado em outro smartphone.

O próprio WhatsApp envia a mensagem de que o aplicativo foi clonado
O próprio WhatsApp envia a mensagem de que o aplicativo foi clonado

Outra forma de descobrir se alguém o seu Whatsapp foi clocado é olhar as últimas conversas e o que foi enviado, uma vez que alguém pode estar também utilizando o aplicativo em um computador pelo WhatsApp Web.

Como se proteger

A primeira coisa a se ter em mente para se proteger dessas estatísticas é nunca compartilhar código de autenticação. Não importa se a mensagem diz ser do WhatsApp ou de qualquer outra empresa. Independente do motivo, nunca se deve compartilhar essa informação.

Uma outra forma de se manter mais seguro no WhatsApp é ativar a opção de autenticação em duas etapas. Dessa forma, mesmo que alguém tenha acesso ao seu código de autenticação por ter um chip de celular com o mesmo número, ainda não vai ter acesso ao WhatsApp porque precisaria também ter acesso a essa senha extra. Para ativar a autenticação de duas etapas, siga os passos:

  1. Vá em “Ajustes” (o símbolo com 3 pontinhos na lateral superior direita);
  2. Selecione “Configurações”;
  3. Agora vá em “Conta”;
  4. Selecione a “Verificação de duas etapas”;
  5. Vá no botão “Ativar”;
  6. Escolha uma senha numérica de 6 dígitos segura e que você possa se lembrar sempre.
Como ativar a verificação de duas etapas
Como ativar a verificação de duas etapas

Para evitar que alguém tenha acesso ao aplicativo pelo WhatsApp Web, vá em “Configurações”, na opção WhatsApp Web, e clique em “Sair de todos os computadores”. Outra dica é ativar o PIN de proteção no SIM, dessa forma, impede que alguém consiga roubar esse chip e ativar em outro aparelho sem essa senha.

Uma medida que pode ajudar a impedir que pessoas com acesso ao WhatsApp tenham também acesso à informações pessoais da vítima é sempre apagar esses tipos de conversas. Se enviou foto de um cartão de crédito, dados, ou até mesmo conversas de cunho pessoal e que envolve privacidade, é importante apagar o histórico ao final, dessa forma é uma proteção para que ninguém possa ter acesso a elas.

Para isso, basta ir na conversa, clicar nos três pontinhos no canto superior direito, escolher a opção “Mais” e em seguida clicar em “Limpar conversa“.

Você já ativou a Verificação e Duas Etapas do seu WhatsApp? Deixe nos comentários qual o método que você usa para se proteger.

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar um comentário

Deixe uma resposta