Tenet, um espetáculo cinematográfico para ver em casa

Tenet, um espetáculo cinematográfico para ver em casa. Não perca "tempo" e assista tenet, filme magnífico de christopher nolan, disponível já nas plataformas digitais
Não perca "tempo" e assista Tenet, filme magnífico de Christopher Nolan, disponível já nas plataformas digitais

Todos sabemos que em 2020 tivemos pouquíssimas estreias nas maiores redes de cinemas pelo país. Muitas delas aconteceram até a metade de março, quando uma boa parte das salas já se encontravam fechadas, antecedendo o inevitável adiamento de filmes tanto por aqui como em solo norte-americano.

Porém, quem sentiu falta de um blockbuster este ano pode se contentar nestes últimos dias de 2020 com o lançamento tardio de Tenet, filme que mistura ficção científica e espionagem na dose certa. Dirigido por Christopher Nolan (de Interestelar e Batman: O Cavaleiro das Trevas), o filme já é exibido nos cinemas ao redor do Brasil e chegou no dia 22 deste mês às plataformas nacionais de aluguel digital, via compra. A seguir, saiba mais sobre este espetáculo e como assisti-lo.

Sinopse e elenco

Robert pattinson e john david washington em tenet
Robert Pattinson e John David Washington compõem a dupla de agentes que estrelam Tenet. (Divulgação)

John David Washington interpreta o protagonista de Tenet, em uma história que se baseia na fórmula clássica de filmes de espião. Junto a ele, aprendemos como o tempo funciona neste universo e como pode ser manipulado. Por meio da explicação de leis básicas, logo compreendemos a estrutura do filme, que tem mais de uma linha do tempo simultânea. Ao decorrer da duração de Tenet, somos levados a digerir ainda melhor estas leis e temos um “norte” mais transparente a respeito do rumo da história.

Então conhecemos Neil (Robert Pattinson), parceiro do protagonista, que ajuda-o a tentar evitar uma grande guerra a ser instaurada por Andrei Sator (Kenneth Branagh). Dali em diante, a inversão do tempo torna-se o grande foco e, de certa forma, a arma principal destes agentes secretos. No elenco ainda há nomes fortes e rostos conhecidos, como Aaron Taylor-Johnson, Michael Caine e Elizabeth Debicki. Sem exceção, todos atuam com maestria e representam personagens bastante críveis, ainda que a estrela do filme seja outra.

“Selo Nolan” de qualidade

Tenet  christopher nolan e john david washington
Nolan com o protagonista no set de Tenet.(Reprodução; NPR)

Esta proposta audaciosa, Christopher Nolan pega emprestado um pouco da complexidade que o diretor aplicou em outros projetos. Amnésia (Memento) é um deles, onde temos o filme contado na ordem reversa: vemos blocos de alguns minutos, começando pelo final, intercalados em trechos curtos de ordem cronológica para ligarmos todos os pontos. Pegando o conhecimento do protagonista, o espectador precisa estar sempre atento a tudo o que acontece se quiser entender o longa por completo.

Mesmo que mais fácil de tragar que Amnésia, Tenet supera a A Origem (Inception), onde bastava você “aceitar” que tudo estava distribuído entre diversas camadas de um sonho. É propositalmente confuso pela primeira hora, até você começar a entender como funcionam estas viagens temporais da dupla de agentes. Ao mesmo tempo, Tenet deixa um pouco a desejar em termos de ação dentro do gênero de espionagem/sci-fi, no que A Origem, por comparação, atende qualquer expectativa.

Tenet, um espetáculo cinematográfico para ver em casa. Não perca "tempo" e assista tenet, filme magnífico de christopher nolan, disponível já nas plataformas digitais
Para muitos, A Origem é um filme mais fácil de digerir que Tenet. (Divulgação)

A complexidade (e surpresa) dos momentos de ação de Tenet fica na base do conceito. Em certo momento, vemos o protagonista lutar corpo-a-corpo com um antagonista, que por sua vez está na linha temporal contrária. Toda a coreografia da luta, que “vai e vem” simultaneamente, confunde até os mais experientes em artes marciais. Em outros momentos, a ação é mais direta: somos recompensados com explosões, troca de tiros e perseguições de carro.

Pessoalmente, o filme não está entre os melhores do diretor em termos de história. Quem já viu os últimos títulos da franquia Missão Impossível e os 007 modernos, bem como outros filmes do próprio Nolan, pode se desapontar com o quão básico é o enredo. Em contraste, enquanto filme solo independente de franquias e enquanto blockbuster “caseiro” em pleno final de 2020, o longa vale bastante a pena.

Então, assim que você compreende as regras e leis do universo de Tenet, talvez reste pouco a se pensar sobre a jornada em si. Fato é que esta foi sempre a intenção, pois os personagens raramente são tratados pelo nome e funcionam mais como peças do quebra-cabeça do que como foco da narrativa não-linear que nos é apresentada. Por sinal, o bom de ter o longa em aluguel/compra digital é poder assistir mais uma vez assim que você terminar, sem pagar um adicional por isso – algo impossível no cinema.

Visual e trilha sonora

John david washington em tenet
Toda tensão e o ritmo rápido do filme são guiados por John David Washington em uma espetacular atuação. (Reprodução; YouTube)

Lutas e perseguições em sincronia ao tempo reverso resultam em uma técnica incomparável ao assistirmos o filme. Em termos de montagem, Tenet supera até mesmo o propositalmente “intercalado” Dunkirk, outro do Nolan. Ao invés da guerra dividida em três tempos distintos, aqui temos o conflito cronológico como obstáculo principal para compor os acontecimentos.

Em equilíbrio de efeitos práticos e visuais (explosões reais e outras no computador), a composição reversa demonstra o grande trabalho por parte da equipe de edição. O ritmo acelerado e a constante mudança de cenários conseguem entreter, afinal, este ainda é um filme de ficção científica. Para um gostinho do que esperar para ver em Tenet, o trailer:

Abandonando pela primeira vez a parceria com Hans Zimmer, que foi compor as músicas de Duna, Christopher Nolan confiou a Ludwig Göransson para guiar Tenet. O compositor sueco é responsável pela abertura icônica de Mandalorian (série de Star Wars na Disney Plus) e venceu o Oscar por seu trabalho em Pantera Negra, carregando consigo todo o crédito por sua imersiva trilha sonora aqui.

Tendo visto os últimos filmes do diretor, criador de uma identidade visual e sonora marcantes, você talvez nem perceba que trata-se de outro criador de músicas. Isso só reforça o quão harmoniosa foi a nova parceria.

Uma crítica comum que Tenet tem recebido em terras norte-americanas é a mixagem de som, pois junto da estreia nas telonas ele supostamente teve a trilha sonora alta demais em certas cenas, o que impediu muita gente de compreender simples diálogos entre personagens. Isso persiste na versão digital mas, por sorte, em terras brasileiras podemos conferi-lo com legendas no nosso idioma nativo, sem perder nenhum detalhe.

Afinal, o que significa Tenet?

John david washington no pôster de tenet
Tenet tem significados que vão além do significado da palavra (Divulgação)

O poético título do filme tem como tradução: “um princípio ou crença, especialmente um dos principais princípios de uma religião ou filosofia” ao traduzirmos do inglês. Porém, a palavra TENET também é um palíndromo – ou seja, pode ser soletrada da mesma forma ao contrário. Com isso, podemos entender um pouco do que se trata a estrutura narrativa a partir de uma única palavra. Há um ponto central e, a partir dali, podemos “ler” o filme nos dois sentidos, tanto na ordem cronológica exibida a nós como na ordem reversa, pelo que acontece dentro daquele universo.

Um fato curioso, de sutil referência, é tratando-se do idioma original do filme. Sem a necessidade de spoilers relacionados ao contexto da cena, mas temos um momento específico de Tenet onde contam-se dez minutos tanto para quem está “indo” como “voltando” no tempo. O jogo de palavras acontece ao sabermos/lembrarmos que 10 em inglês é “TEN”. Logo, temos o título escondido TEN (lido para frente) e NET (lido ao contrário).

Placa de sator na frança. Com inscrição de palíndromos
Placa misteriosa de Sator, na França (Wikimedia Commons)

TENET” ainda é a palavra central do quadrado Sator, também chamado de “quadrado mágico”, um palíndromo com quatro simetrias encontrado em diversos países europeus há mais de um século. Não importa a direção lida, as palavras serão sempre as mesmas cinco. Não por coincidência, todas estão em Tenet de alguma forma: SATOR é o sobrenome do vilão da história; AREPO é o personagem forjador de uma obra de arte; há a National OPERA House como cenário no início do longa e a companhia de segurança ROTAS em uma das cenas mais intensas do filme.

Dentre várias intepretações e potenciais teorias da conspiração envolvendo o filme, basta ver para compreender o que Tenet significará para você. Na capital paulista, os cinemas já exibem o filme desde as primeiras semanas da abertura de algumas redes, onde a estreia foi em 29 de outubro. Desde 22 de dezembro (última terça-feira) ele entrou nas plataformas YouTube, SKY Play, VIVO Play, Google Play, Apple TV e Uol Play, em resolução 4K a partir de R$19,90 por aluguel.

E aí, assistiu Tenet nos cinemas ou verá no conforto de casa? Conte para a gente nos comentários abaixo!

Receba notícias como essa no seu email. Inscreva-se aqui:

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar um comentário