Projeto Athena: a revolução da Intel nos notebooks já começou

Projeto Athena Intel 10ª geração de processadores
Com a 10ª geração de processadores, a Intel mostrou que o seu Projeto Athena, em parceria com outras empresas da área de tecnologia, está pronto para revolucionar os notebooks

Na era atual, é praticamente impossível pensar em um mundo onde as pessoas não estejam conectadas. Para isso, é necessário ter tecnologia disponível e as fabricantes da área já mostraram que estão dispostas a entrar nessa corrida. Um dos grandiosos (e ambiciosos) planos para revolucionar os computadores do futuro é o Projeto Athena (ou “Project Athena”, nome original), da Intel.

A convite da própria Intel, o Showmetech foi até o México conferir um pouco mais sobre esse novo projeto e outras soluções da empresa. Durante o press trip, Julián Cardona, diretor de Varejo da Intel México afirmou que 2019 marca o ano em que as pessoas passam a ver os computadores pessoais de um novo ângulo.

Afinal, a forma como estamos trabalhando está mudando: estamos cada vez mais dependentes de dispositivos móveis (tanto dentro como fora do escritório), os quais precisam estar sempre conectados.

Se pararmos para refletir sobre essas mudanças, parece até estranho carregar smartphones rápidos e multifuncionais nos bolsos, mas ainda ter de carregar computadores pesados na mochila se quisermos um desempenho satisfatório com relação a bateria e hardware, por exemplo. Assim, essa revolução que o Projeto Athena promete é mais do que necessária para atender as necessidades atuais dos usuários.

O que é o Projeto Athena?

O Projeto Athena consiste em um programa de inovação da Intel que visa redefinir a experiência dos usuários de notebooks. O objetivo é desenvolver computadores portáteis tão avançados que permitam o acesso tão rápido quanto o que você faz ao usar seu smartphone, por exemplo.

Com esse projeto ousado, a Intel reúne ideias para suprir as principais necessidades de conectividade e mobilidade dos usuários atuais. Ainda, a partir do Projeto Athena, a empresa tenta inserir nos notebooks todas as vantagens de um smartphone, mas mantendo as características de um computador. Ao todo, são mais de 100 parceiros unidos com um objetivo: revolucionar.

Projeto Athena Intel 10ª geração de processadores
Alguns dos parceiros da Intel no Projeto Athena (Imagem: theverge.com)

Não é a primeira vez que a Intel está envolvida na história de uma grande mudança nos notebooks. Há alguns anos, a empresa fez parte do lançamento dos ultrabooks, que reduziram consideravelmente o peso dos computadores portáteis. A grande diferença é que agora a revolução será muito maior e mais completa.

Os computadores almejados pelo Projeto Athena serão mais inteligentes, mais rápidos e mais eficientes. É provável que eles não sejam muito menores que os ultrabooks atuais, mas que tenham muito mais benefícios. A intenção é de que você possa tirar o computador da mochila em qualquer lugar e ele sempre estará pronto para o uso, ou seja, que você não tenha que perder tempo ao usá-lo.

Os focos principais são em características como:

  • Conectividade: a rede 5G permitirá que o acesso seja feito de forma muito mais rápida e mais segura em qualquer lugar com cobertura para essa rede. Será possível fazer streaming de conteúdo 4K com facilidade, por exemplo;
  • Instant-on: esta característica promete o fim daquela longa espera entre o momento que você aperta o botão de ligar e o momento que pode realmente usar o computador. Isso permitirá um uso quase imediato;
  • Bateria com alta duração: notebooks mais potentes demandam mais bateria. Justamente por isso, um dos investimentos do Projeto Athena deve focar em uma bateria que dure muito e forneça energia suficiente para o computador operar em seu modo máximo;
  • Especificação de hardware: envolve alguns requisitos como armazenamento SSD (mais eficiente que o HD) e suporte para Wi-Fi 6, que são fundamentais para que os novos notebooks consigam alcançar seus objetivos.

Para que isso se concretize, a Intel orientará os fabricantes tanto de equipamentos quanto de componentes na hora da produção. Haverá testes e uma espécie de certificação, a qual permite que os consumidores tenham a certeza de que o produto realmente possui a qualidade que afirma.

Intel Core 10ª geração

Em harmonia com os ideais do Projeto Athena está a 10ª geração de processadores Intel Core, que possuem inteligência artificial (IA), conectividade Wi-Fi 6 e Thunderbolt 3 integradas e melhor arquitetura de gráficos. Tais processadores são divididos em duas categorias: Ice Lake e Comet Lake.

Projeto Athena Intel 10ª geração de processadores
10ª geração de processadores da Intel conta com recursos avançados (Imagem: intel.com.br)

Os processadores Ice Lake são focados em inteligência artificial de alta performance e possuem recursos como o Intel Gaussian & Neural Accelerator (para cargas de trabalho em segundo plano, como suprimir ruído para economizar energia) e o Deep Learning Boost (o qual acelera as redes neurais da CPU, permitindo obter capacidade máxima em cenários diferentes). Com o avanço gigantesco do uso de IA, esses processadores dão suporte para diferentes usos e aplicações avançados dessa tecnologia.

A Ice Lake também é a primeira linha com a nova arquitetura 10 nanômetros e oferece um grande diferencial na parte gráfica. Um exemplo é a tecnologia Variable Rate Shading (VRS, ou Sombreamento de Taxa Variável, em português), que permite um aumento na resolução apenas na área que o jogador está olhando, reduzindo a resolução de áreas laterais. O resultado é um aumento de 30% na velocidade em jogos com a Unreal Engine e de 20% na velocidade do jogo Civ 6, por exemplo.

Para mostrar o poder dos processadores em inteligência artificial, é possível usar o AI Inference Demo. Pense em uma imagem de um gato borrada, por exemplo. A IA é capaz de reconhecer que aquele é um gato e usar um banco de dados para conseguir fazer correções na imagem.

Ainda, a tecnologia Intel Adaptix maximiza a performance de fator de forma, o que representa ganhos de 8% a 12% na performance das atividades realizadas no computador. Com ela, também é possível sair do modo de standby de forma muito mais rápida.

Projeto Athena Intel 10ª geração de processadores
Inteligência Artificial está presente na nova geração de processadores da Intel (Imagem: newsroom.intel.com)

Os Comet Lake, por outro lado, são voltados para maior produtividade e desempenho para os computadores, sem demandar muito da bateria. Usando aprendizado de máquinas (machine learning), ele consegue adaptar as configurações de energia de acordo com a demanda do usuário. Além disso, a conectividade com Wi-Fi 6 e Thunderbolt 3 permitem downloads mais rápidos.

Intel Optane Memory

Para completar, há o recurso Intel Optane Memory, uma tecnologia inteligente que é capaz de acelerar a resposta dos computadores. Isso permite que você execute suas atividades com menor tempo de espera, visto que ela acessa os arquivos e aplicativos usados com frequência e os memoriza quando o computador é desligado.

É possível combinar o Intel Optane Memory com o armazenamento Intel QLC 3D NAND em um fator de forma M2 ou emparelhá-lo com o HD. Enquanto o primeiro consiste em adicionar um armazenamento acelerado, o segundo consiste em acelerar o armazenamento já existente. Funciona não só para notebooks, como também para desktops, e fica óbvio como essa tecnologia contribui para o Projeto Athena, especialmente para a característica Instant-on.

Games

É claro que o foco para os gamers não fica de fora. Para isso, é usada a série H de processadores (H é proveniente de high performance). O HoneyComb Glacier, por exemplo, é um conceito de notebook com duas telas da Intel. A ideia é que haja um “eye tracking”, uma espécie de rastreamento que identifica para qual tela você está olhando e o cursor do mouse aparece lá.

honeycomb glacier intel projeto athena
Protótipo do Honeycomb Glacier, da Intel (Imagem: theverge.com)

Plataformas Intel para testar IA

A Intel disponibiliza várias plataformas que podem ser usadas pelos usuários para edições de imagens usando recursos avançados, como inteligência artificial. Uma delas é Intel Open Image Denoise, uma biblioteca aberta de imagens que auxilia na remoção de ruído da renderização usando ray tracing. A partir dessa ferramenta, a imagem pode ser melhorada de forma rápida.

O filtro de ruído da Open Image Denoise usa deep learning treinado para lidar com uma ampla variedade de amostras por pixel. Com licença Apache 2.0, o software pode ser baixado gratuitamente na plataforma GitHub ou diretamente no seu site. Nos dois sites você encontra instruções de instalação (Windows, Mac ou Linux), de uso e exemplos interessantes.

Projeto Athena Intel 10ª geração de processadores
Imagem renderizada no Open Image Denoise (Imagem: adrenaline.uol.com.br)

Outra plataforma da Intel é a OpenVINO Toolkit, baseada em redes neurais convolucionais, que permite criar soluções por meio de visão computacional e explorar o reconhecimento e o processamento com CPU, GPU, VPU e FPGA. O desempenho do processamento é diretamente relacionado à otimização para processadores Intel.

A plataforma suporta frameworks do TensorFlow, Caffe, MXNet, Kaldi e ONNX. Há uma página no GitHub com todas as instruções para quem quer usar o OpenVINO Toolkit e também há instruções na própria página da plataforma. A quantidade de recursos que podem ser explorados nessas duas plataformas é grande e são um prato cheio para quem trabalha ou gosta de inteligência artificial.

O que esperar da 10ª geração dos processadores e do Projeto Athena?

Com todas essas características, fica óbvio que a 10ª geração de processadores é um grande avanço para o Projeto Athena. O potencial oferecido por esses processadores permite realizar tarefas de forma muito mais rápida, permita a conexão constante e estejam cada vez menores. O que vale destacar é que essa revolução não está em um futuro distante, ela já está acontecendo.

Projeto Athena Intel 10ª geração de processadores
Foco do Projeto Athena é em mobilidade e conectividade (Imagem: pcper.com)

Vários notebooks já receberam o selo do Projeto Athena. Dois deles, da Samsung, devem chegar no mercado em dezembro, o Galaxy Book Flex e o Galaxy Book Ion, ambos com processadores Intel Core de 10ª geração.

Computadores de outras marcas incluem a HP (HP Elite Dragonfly, HP EliteBook X360 1030 G4, HP EliteBook X360 1040, HP EliteBook X360 830 e HP Spectre x360), Lenovo (Lenovo ThinkPad X1 Carbon, Lenovo Yoga C940, Lenovo Yoga S940 e Lenovo S740) e a Dell (Dell Inspiron 14 7000, Dell Latitude 7400 2-in-1 e Dell XPS 13 2-in-1). Por falar em Dell, a empresa trouxe recentemente ao Brasil o dois notebooks com a nova solução.

Assim, a conectividade e a mobilidade estão praticamente batendo em nossas portas. Em breve, usar o notebook em qualquer lugar será tão simples, rápido e produtivo quanto usamos os celulares atualmente, sem enrolação ou perda de tempo. É por isso que o Projeto Athena, apesar de desafiador, é considerado uma grande revolução nos computadores portáteis que, até então, provou sua viabilidade.

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar um comentário

Deixe um comentário: