Conecte-se conosco
Antes fosse apenas Netflix e Spotify; novo imposto vai afetar como você gasta na internet

Aplicativos

Antes fosse apenas Netflix e Spotify; novo imposto vai afetar como você gasta na internet

iCloud, Amazon Prime, Google Drive e aplicativos pagos são alguns dos produtos que serão taxados por esse novo imposto

Antes fosse apenas Netflix e Spotify; novo imposto vai afetar como você gasta na internet

Diga adeus ao Frank

O Senado aprovou na noite desta quarta-feira um projeto que amplia a lista de serviços que são tributados pelo Imposto Sobre Serviço (ISS) com alíquota de 2%. De maneira rápida e superficial, isso deve encarecer um pouco as assinaturas de serviços como Netflix e Spotify nos próximos meses.

A questão é que o problema está mais embaixo. Esse projeto prevê que sem tempo para acabar “conteúdos de áudio, vídeo, imagem e texto por meio da internet” terão incidência de ISS.

O Projeto de Lei do Senado, de número 386, de 2012, que quer alterar a Lei Complementar de número 116, de 31 de julho de 2003, que dispõe sobre o Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza, é de autoria do senador Romero Jucá.

Este trecho (do projeto aprovado pela Câmara em 2013), por exemplo, mostra como esse imposto vai abranger muito mais do que apenas Netflix e Spotify.

Art. 3o A lista de serviços anexa à Lei Complementar no 116, de 2003, passa a vigorar com as seguintes alterações:

1.03 – Processamento, armazenamento ou hospedagem de dados, textos, imagens, vídeos, páginas eletrônicas, aplicativos, sistemas de informação, entre outros formatos, ou congêneres.

1.04 – Elaboração de programas de computadores, inclusive de jogos eletrônicos, independentemente da arquitetura construtiva da máquina em que o programa será executado, incluindo tablets, smartphones e congêneres.

Com essa mudança, praticamente todo serviço prestado na internet mudará. Seja o aplicativo que você compra na App Store ou na Play Store, a música do Apple Music, Tidal ou Spotify, a sua assinatura da Netflix, Amazon Prime ou HBO Go e até dos serviços que você guarda os seus dados, como o Google Drive, iCloud, Dropbox e por aí vai.

Apenas livros, jornais e periódicos disponibilizados pela internet não terão essa nova tributação.

Tudo pela arrecadação de impostos

Antes fosse apenas Netflix e Spotify; novo imposto vai afetar como você gasta na internet

A briga agora é outra

A questão é que a “isenção” que mais ou menos existia – até porque quando a compra é em dólar tem um IOF nada amigável – agora está com os dias contados. Após a sanção do presidente Michel Temer, a alteração entrará em vigor a partir de 90 dias da sua publicação no Diário Oficial da União.

Por 63 votos a 3 no Senado, a decisão é comemorada porque agora são os municípios que arrecadarão esses valores. Ou seja, o dinheiro não vai para a União e depois será dividido, pelo contrário, o imposto será recebido do local de onde o usuário assina o serviço da web. Então se você mora em Campinas, é a Prefeitura de Campinas que recebe esse valor.

Os municípios terão até um ano para revogar a isenção para esses tipos de serviços prestados.

O problema não está para quem assina apenas o Spotify ou a Netflix, mas sim para as pessoas que assinam diversos desses serviços – ou que costumam comprar aplicativos nas lojas online – pois de pouquinho em pouquinho o custo se torna muito maior.

Um desserviço para que as pessoas façam a transição para o online e um desincentivo para que os brasileiros comprem ou utilizem os próprios serviços online de outros brasileiros.

E você? O que achou do projeto aprovado? Deixe o seu comentário aqui embaixo.

Jornalista formado pela Cásper Líbero. Trabalhou na TV Gazeta, BandNews TV e Rede Globo. Atualmente, é Editor-chefe do Showmetech, escrevendo sobre o que há de mais importante no mundo da tecnologia.

Comentários

Mais de Aplicativos

Dica

Advertisement


Mais Lidas

Advertisement

Reviews

Cultura Geek

Tutoriais

Recomendado para você



Subir