Conecte-se conosco

Computadores

Afinal, o que é o Intel Optane?

A Intel mostrou seus primeiros modelos Optane na CES 2017. Suas capacidades ainda são bastante limitadas, com modelos de 16 e 32 GB à mostra.

SSDs (Solid State Drives, ou “unidades de estado sólido”, em tradução livre) são os atuais substitutos dos HDs ou discos rígidos tradicionais. Como já explicamos neste post especial, colocar um  SSD na sua máquina pode fazer um bem muito maior do que um upgrade de processador, memória RAM ou placa de vídeo. Os benefícios, aliás, são visíveis para computadores de todos os segmentos, já que o principal gargalo de um PC atual é o armazenamento.

E é aqui que entra o Optane da Intel, que promete um novo degrau de performance de armazenamento. Basicamente, a tecnologia promete ser para os SSDs o que os SSDs são para os HDs, oferecendo um ganho até 10 vezes superior. Confira abaixo como isso funciona:

Inicialmente, pouco armazenamento

O Optane promete ser para o SSD o que o SSD foi para o HD.

A Intel mostrou seus primeiros modelos na CES 2017. Suas capacidades ainda são bastante limitadas, com modelos de 16 e 32 GB à mostra. Isso significa que os primeiros produtos utilizarão o Optane como cache. Um caso bastante semelhante aos primeiros Ultrabooks mais baratos, que utilizaram um disco rígido comum mais um cache SSD, este com 24 ou 32 GB. Só que em vez de um cache SSD com HD, o setup usaria um SSD Optane como cache e um SSD “comum” como armazenamento primário. Isso inicialmente, já que versões com mais espaço aparecerão eventualmente.

Somente com o Kaby Lake

Além da altíssima densidade, o 3D Xpoint pode trocar de estados (os “0s” e “1s”) até 1000 vezes mais rapidamente do que os SSDs “comuns”.

O destaque do Optane é uma tecnologia chamada 3D Xpoint. Desenvolvida pela Intel em uma parceria com a Micron, utiliza células de memória tridimensionais. Trata-se de uma tecnologia totalmente nova, não “herdando” características dos SSDs atuais. Exatamente por isso sua compatibilidade é bastante limitada, funcionando apenas com a sétima geração de processadores Intel (Kaby Lake). Nada de Skylake, Broadwell ou qualquer modelo da AMD. Mas há uma vantagem: graças à sua versatilidade, pode substituir as memórias DIMM, oferecendo mais capacidade sem impactar tanto no custo final.

Os primeiros produtos com o Optane já foram mostrados na CES, inicialmente soldados à placa-mãe. É o caso, por exemplo, do Lenovo ThinkPad T570, com preço inicial de US$ 909 (cerca de R$ 3000), com um módulo PCIe M.2 de 16 GB. Outro exemplo é o Envy Curved, um all-in-one de 34 polegadas com Kaby Lake previsto para o segundo trimestre do ano nos Estados Unidos, ainda sem preço oficial.

Máquinas mais acessíveis

Além disso, promete um ciclo de leitura/escrita maior do que os SSDs atuais, o que significa uma maior durabilidade.

Além de focar em produtos de alto desempenho, o Optane será especialmente importante para máquinas mais básicas. Estas contam com HDs como armazenamento primário, e utilizar o Optane como cache do sistema operacional aumentará significativamente seu desempenho, mesmo em versões com menos armazenamento. Naturalmente, aumentará o custo destes, mas ainda seria uma configuração mais acessível do que usar um SSD de alta capacidade. Ainda não se sebe se ele será compatível com os sistemas Linux e MacOS, mas tudo indica que eventualmente serão.

Já conhecia o Optane? Conte para nós nos comentários!

Fonte: Computer World

Continue lendo
Advertisement

Apaixonado por livros e ávido devorador de conteúdo, passa um bom tempo separando o que é informação e o que é ruído.

Comentários
Subir