CES 2020: Óculos da Nreal coloca apps do Android no meio da sua sala

Nreal Demo CES 2020
Novo óculos virtual da Nreal usará realidade aumentada para espelhar o aplicativo que você quiser, aonde você estiver

Já imaginou navegar por um feed do Instagram do tamanho da parede da sua casa? A Nreal, companhia chinesa fundada em 2017, fará justamente isso em um óculos de realidade virtual que, de quebra, é mais leve do que as gigantes da concorrência tentam há anos produzir.

O produto em questão é o Nreal Light, que é mais leve justamente por ter seu processamento realizado em um dispositivo externo, como um portátil comercializado por eles ou o celular do consumidor. A interface Nebula ajuda a tornar a experiência imersiva mais confortável com suporte para, de acordo com eles, “seus aplicativos preferidos”. Descubra, a seguir, outras características do óculos que irá reinventar o a tela do seu smartphone.

Como funciona

O óculos é conectado via um USB-C na haste esquerda e, junto do app grátis, o Android vira um trackpad que pode abrir aplicativos como Netflix, YouTube e Spotify. Você pode abrir e reorganizar os aplicativos no ambiente virtual, mesmo que eles estejam fora do seu campo de visão, com a possibilidade de abrir múltiplos simultaneamente. Assim, caso você tire o aparelho para dormir, ao colocá-lo de volta o sistema se lembrará de como você arrumou a Nebula.

Nreal Demo CES 2020
(Divulgação)

Para reconhecer o ambiente, há duas câmeras SLAM (sigla traduzida como “Localização e Mapeamento Simultâneos”) nas quinas de cada lente. Há ainda uma câmera RGB para tirar fotos em tempo real – sim, é como se seus olhos tirassem um screenshot. Pros donos de iPhone ou aos que escolherem a unidade de computação portátil da Nreal, ainda é uma incógnita como o aparelho irá funcionar, já que os demos da CES só aconteceram no Android.

Mesmo se você andar com o seu Android de 6 polegadas colado à cara, o Nreal impressiona: são 1080p de resolução para cada olho, e você sente que está vendo uma TV de até 200 polegadas. E há sistema de som integrado, pois os speakers oferecem “som 360”, o que é comum em aparelhos de realidade aumentada desse tipo.

Nreal para gamers?

Nreal Demo CES 2020
Demo de Zombie Bomber AR, no Nreal (Divulgação)

Na demonstração da CES, foram revelados três títulos, incluindo o Zombie Bomber AR (bombardeador de zumbis), Kingdom of Blades (slasher baseado em ondas de inimigos) e o Arcade Fight (sidescroller de luta, no maior estilo arcade). O ângulo de visão diagonal de 52º auxilia na tarefa de imersão gamer, mesmo que o grande destaque do aparelho não seja este.

Outro benefício é ele aceitar os controles híbridos “tipo Switch”, como o Black Shark, de mais ou menos R$ 360, para confortar os gamers que precisam de joystick e botões físicos. Os dispositivos da Finch também são compatíveis, então caso você já esteja acostumado a games e controles de em realidade virtual, o passo para R.A. não será tão grande.

Pensando na robustez do aparelho minimalista, temos prós e contras muito claros: ele é bastante leve (pesa 88g) e não cansará o usuário, porém, é um obstáculo enorme para quem tem problemas de visão – e já usa óculos. Não há especificação para cada tipo de óculos de grau, mas na própria CES houve um estojo repleto de lentes que se acoplará à frente do dispositivo via ímãs.

Nreal Lentes CES 2020
Estojo de lentes para acoplar ao Nreal (Reprodução: YouTube/uploadvr)

A mistura de ambientes 3D com blocos exibindo imagens em 2D, que seria a tela plana dos aplicativos, cria este ecossistema virtual que lembra bastante o HoloLens 2, por exemplo. Um destaque que aproxima o Nreal ainda maisdos óculos da Microsoft é a tecnologia de eye tracking (rastreamento dos olhos) da 7invensun, que dispensa uso de controles físicos e se baseará completamente na visão. Este último destaque chegará, de acordo com eles, “futuramente”.

Mais uma utilidade é o aplicativo de compras, que exibe modelos em escala real para visualização em 360º, com direito ao preço. A tecnologia ainda é similar ao que vemos hoje, com modelos que parecem mais artes em 3D do que os “itens de verdade”, então para este ponto ainda é melhor você confiar em compras cara a cara.

AR Compras
Compras em realidade aumentada devem funcionar de forma similar ao que já temos no mercado (Reprodução: Augment)

Uma observação importante ao falarmos sobre realidade aumentada é o fato de que a tecnologia em si ainda está engatinhando, seja no Nreal ou na dupla do HoloLens. O campo de visão do Nreal, por exemplo, ainda é metade do que os imersivos de realidade aumentada proporcionam, sendo apenas uma fração pequena da sua visão. Os Oculus Rift e HTC Vive possuem resolução similar (1080×1200 por olho), mas um ângulo de 110 graus de visão. Isso é ainda mais impressionante se levarmos em consideração que nossa vista abrange o dobro disso.

Por fim, a Nreal afirma que o produto funcionará com qualquer Android com processador Snapdragon 855. Ou seja, aparelhos como o Galaxy S10, Google Pixel 4 ou o OnePlus 7. A pré-venda do óculos já atua desde novembro, com o kit de desenvolvedores no site da empresa, por US$1.199 (ou cerca de R$4.800 em conversão direta). Somente os óculos estarão em torno de 500 dólares (2 mil reais), sendo vendidos em algum momento entre março e junho deste ano.

E você, acha que o investimento valerá a pena ou prefere esperar pelo futuro dos óculos de R.A.?


Receba notícias como essa no seu email. Inscreva-se aqui:

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar um comentário

Assine nossa Newsletter