Confira na íntegra o pronunciamento de Mark Zuckerberg (em português)

Destacadaz - Confira na íntegra o pronunciamento de Mark Zuckerberg (em português)
Mark Zuckerberg, fundador do Facebook, finalmente deu uma declaração oficial sobre todo o caso com a Cambridge Analytica e os próximos passos para a plataforma

Mark Zuckerberg, fundador e presidente-executivo do Facebook, vem enfrentando uma grande dor de cabeça desde que sua plataforma foi envolvida em um caso grave de compartilhamento indevido de dados particulares de seus usuários. Todo o escândalo envolvendo a agência de análise de dados Cambridge Analytica é relacionado ao vazamento dessas informações para uso impróprio e possivelmente influenciador das eleições de 2016 nos Estados Unidos. Entenda toda a história aqui.

Após quatro dias em silêncio, Mark finalmente fez uma declaração acerca da situação em um postagem na sua rede social. Confira a tradução na íntegra:

Promessa de segurança

“Eu quero compartilhar uma atualização sobre a situação da Cambridge Analytica – incluindo os passos que já demos e os próximos passos que daremos para lidar com essa questão importante.

Nós temos a responsabilidade de proteger seus dados, e se não conseguimos fazer isso não merecemos te servir. Eu tenho estudado para entender exatamente o que aconteceu e como me certificar de que não acontecerá novamente. A boa notícia é que as medidas mais importantes para prevenir que aconteça novamente já começaram a ser tomadas anos atrás. Mas nós também erramos, há mais para se fazer, e precisamos começar a fazer.

Aqui está uma linha do tempo dos eventos:

Em 2007, lançamos a Plataforma Facebook com a visão de que mais aplicativos deveriam ser sociais. Seu calendário deveria ser capaz de mostrar os aniversários dos seus amigos, seus mapas deveriam mostrar onde seus amigos moram e seu catálogo de endereços deveriam mostrar as fotos deles. Para fazer isso, permitimos que as pessoas acessassem aplicativos e compartilhassem quem eram seus amigos e algumas informações sobre eles.

Em 2013, um pesquisador da Universidade de Cambridge chamado Aleksandr Kogan criou um aplicativo de teste de personalidade. Ele foi instalado por cerca de 300.000 pessoas que compartilharam seus dados, bem como alguns dados de seus amigos. Dada a maneira como nossa plataforma funcionava na época, isso significava que Kogan conseguia acessar dezenas de milhões de dados de seus amigos.

Em 2014, para evitar aplicativos abusivos, anunciamos que estávamos mudando toda a plataforma para limitar drasticamente a quantidade de dados que os aplicativos poderiam ter acesso. Mais importante, aplicativos como o de Kogan não podiam mais pedir dados sobre os amigos de uma pessoa, a menos que esses amigos também dessem autorização ao aplicativo. Também exigimos que os desenvolvedores recebessem nossa aprovação antes de poder solicitar dados confidenciais das pessoas. Essas ações impediriam que qualquer aplicativo como o Kogan pudesse acessar tantos dados hoje em dia.

Em 2015, soubemos através de jornalistas do The Guardian que Kogan compartilhou dados de seu aplicativo com a Cambridge Analytica. É contra nossas políticas para desenvolvedores que eles compartilhem dados sem o consentimento das pessoas, então banimos imediatamente o aplicativo de Kogan da nossa plataforma, e exigimos que Kogan e a Cambridge Analytica certifiquem formalmente que eles deletaram todos os dados adquiridos indevidamente. Eles apresentaram esses certificados.

Na semana passada, soubemos através do The Guardian, do The New York Times e do Canal 4 que a Cambridge Analytica pode não ter excluído os dados como eles haviam certificado. Nós imediatamente a banimos de usar qualquer um dos nossos serviços. A Cambridge Analytica afirma que já apagou os dados e concordou com uma auditoria forense de uma empresa que contratamos para confirmar isso. Também estamos trabalhando com reguladores enquanto eles investigam o que aconteceu.

Esta foi uma quebra de confiança entre Kogan, Cambridge Analytica e Facebook. Mas também foi uma quebra de confiança entre o Facebook e as pessoas que compartilham seus dados conosco e esperam que o protejamos. Precisamos consertar isso.

Nesse caso, já tomamos as medidas mais importantes há alguns anos, em 2014, para evitar que os indivíduos mal intencionados acessem as informações das pessoas dessa maneira. Mas há mais a se fazer e vou descrever esses passos aqui:

Primeiro, investigaremos todos os aplicativos que tiveram acesso a grandes quantidades de informações antes de alterarmos nossa plataforma para reduzir drasticamente o acesso a dados em 2014, e realizaremos uma auditoria completa de qualquer aplicativo com atividade suspeita. Expulsaremos qualquer desenvolvedor da nossa plataforma que não aceite ser auditado. E se descobrirmos desenvolvedores que tenham feito uso indevido de informações pessoais identificáveis, os baniremos e avisaremos todas as pessoas afetadas por aqueles aplicativos. Isso inclui as pessoas cujos dados foram usados indevidamente por Kogan.

Segundo, restringiremos ainda mais o acesso dos desenvolvedores a dados para evitar outros tipos de abuso. Por exemplo, removeremos o acesso dos desenvolvedores aos seus dados se você não tiver usado o aplicativo durante três meses. Reduziremos os dados que você fornece a um aplicativo ao fazer login para apenas seu nome, foto do perfil e endereço de e-mail. Exigiremos que os desenvolvedores não só obtenham aprovação, mas também assinem um contrato para solicitar acesso a suas postagens ou a outros dados particulares. E teremos mais mudanças para compartilhar nos próximos dias.

Em terceiro lugar, queremos ter certeza de que você entenda quais aplicativos permitiu acessar seus dados. No próximo mês, mostraremos a todos uma ferramenta na parte superior do seu feed de notícias com os aplicativos que você usou e uma maneira fácil de revogar as permissões desses aplicativos para ter acesso seus dados. Já oferecemos essa ferramenta em suas configurações de privacidade e, agora, a colocaremos na parte superior do seu feed de notícias para garantir que todos a vejam.

Além das medidas que já tínhamos tomado em 2014, acredito que essas são as próximas que devemos tomar para continuar a garantir a segurança da nossa plataforma.

Eu comecei o Facebook, e no final do dia sou responsável pelo que acontece na nossa plataforma. Estou falando sério sobre fazer o que é preciso para proteger nossa comunidade. Embora essa questão específica envolvendo a Cambridge Analytica não deva mais acontecer com novos aplicativos hoje, isso não muda o que aconteceu no passado. Aprenderemos com essa experiência para proteger ainda mais nossa plataforma e tornar nossa comunidade mais segura para todos daqui para frente.

Quero agradecer a todos vocês que continuam acreditando em nossa missão e trabalhando para construir essa comunidade juntos. Eu sei que leva mais tempo para consertar todos esses problemas do que gostaríamos, mas eu prometo a você que vamos trabalhar para isso e construir um serviço melhor a longo prazo.”

As consequências

Como podemos ver, Mark parece disposto a impedir que os dados de seus usuários sejam compartilhados da forma como estavam sendo até então, mesmo que já de forma limitada. Um dos assuntos que o fundador da plataforma não citou em sua postagem foi se o Facebook realmente teria tido influência nas eleições presidenciais de 2016 dos Estados Unidos.

1 uiitqNlwd3LfcswgnJCtOw 720x479 - Confira na íntegra o pronunciamento de Mark Zuckerberg (em português)
Vazamento de dados sobre usuários da plataforma podem ter sido utilizados para direcionar postagens sobre o (na época) candidato

Os dados obtidos dos usuários teriam sido utilizados para influenciá-los positivamente a respeito de Donald Trump principalmente através de Fake News, algo que está sendo temido atualmente. As notícias falsas estão se tornando um problema na rede social, conseguindo realmente sugestionar muitas pessoas, principalmente no meio político.

Lembrando que como aqui no Brasil as eleições acontecerão esse ano, as autoridades responsáveis estão tentando ao máximo impedir que elas tenham o efeito que tiveram no país norte americano em 2016. Confira nossa matéria sobre as Fake News e entenda como identifica-las. Lembrando também que o Google está nessa briga e já começou a tomar providências para fortalecer o jornalismo de qualidade, confira aqui.

Destacadaz - Confira na íntegra o pronunciamento de Mark Zuckerberg (em português)

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar um comentário

Deixe seu comentário:

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Receba Notícias por E-mail:

Share via