Cobertura Oscar 2020: Confira os indicados nas categorias de Documentário

Oscar 2020 Honeyland
No post de hoje, vamos falar sobre os indicados às categorias “Melhor Documentário - Curta” e “Melhor Documentário”

O que estão achando da Cobertura Oscar 2020? São tantas categorias, e tantas curiosidades e fatos, que esperamos que vocês estejam se sentindo um pouco mais especialistas no assunto!

As categorias de Documentário e Documentário Curta foram ambas criadas para a cerimônia do Oscar de 1942. Interessante notar que, devido ao período da 2º Guerra Mundial, os vencedores na categoria Documentário de 1942 até 1946 foram todos filmes de propaganda de guerra.

Veja abaixo o poster de “Churchill’s Island” (“A Ilha de Churchill” em tradução livre), vencedor do 1º Oscar nesta categoria.

Churchill Island

OSCAR 2020: MELHOR DOCUMENTÁRIO CURTA

Para qualificar como curta, o tempo máximo do filme é de 40 minutos de duração e não importa qual a técnica empregada (animação, stop motion, etc..), o que importa é que tenha ênfase em fatos e não em ficção.

Esta categoria de Documentário Curta é interessante pois permite que o cineasta explore um tema de forma rápida, porém não menos eficiente. O vencedor do ano passado, “Absorvendo o Tabu” é um exemplo muito preciso de como explorar um tema – no caso o tabu do uso de absorventes em comunidades mais pobres na Índia – de uma forma sucinta e direta. O filme está disponível na Netflix, não deixe de conferir.

Os indicados ao Oscar 2020 a Melhor Documentário – Curta são:

“In the Absence”

Documentário sobre o naufrágio de uma balsa sul-coreana. Como resultado da falta de resposta à situação emergencial, centenas de pessoas, principalmente crianças, perderam suas vidas. É uma história comovente e mostra como um governo deve ser responsabilizado por sua falta de empatia e resposta.

Assista na íntegra aqui (coreano com legendas em inglês)

Learning to Skateboard in a Warzone (If you’re a girl)

Este documentário conta a história de garotas afegãs que estão aprendendo a ler, escrever e como andar de skate. Infelizmente até o momento dessa publicação, este doc curta não foi disponibilizado em nenhuma plataforma online, mesmo sendo um dos favoritos.

Confira o trailer deste curta (áudio em árabe, legendas em inglês):

“St. Louis Superman”

Bruce Franks Jr. é rapper, ativista e representante do estado de St. Louis, Missouri. Conhecido como Superman pelos seus eleitores, ele é uma figura política cheia de contradições e que superou perdas indescritíveis para se tornar um dos jovens líderes mais expressivos da nova política americana. Até o momento dessa publicação, não há data de chegada nas plataformas digitais.

Assista ao trailer (somente em inglês).

“A Vida em Mim”

Em meio a traumas, centenas de crianças refugiadas na Suécia se retiram das incertezas da vida para uma doença semelhante ao coma chamada Síndrome da Resignação. Este é com certeza um documentário esclarecedor. Eu nunca havia ouvido falar dessa Síndrome antes e em menos de 40 minutos consegui entender completamente o que está acontecendo, de forma clara e eficiente.

O foco do doc é em 3 casos na Suécia. Vale a pena assistir, mesmo que o tema seja tão difícil.

Assista abaixo ao trailer do filme, ou se você assina Netflix, basta clicar aqui para assistir na íntegra.

“Walk Run Cha Cha”

Paul e Millie Cao perderam sua juventude após a Guerra do Vietnã. Quarenta anos depois, eles se tornaram profissionais de sucesso no sul da Califórnia – e estão se redescobrindo na pista de dança. Este é um documentário muito sensível e cativante. Consegue dar um panorama daqueles que tiveram que fugir devido à guerra do Vietnã e os sacrifícios que fizeram para encontrar um caminho para a felicidade.

Entre os documentários é o que tem a abordagem mais leve.

Assista na íntegra (somente em inglês).

QUEM MERECE GANHAR:
Entre os que eu vi “A Vida em Mim“, pois fiquei realmente chocado com o fatos ali narrados.

QUEM VAI GANHAR: 
Learning to Skateboard in a Warzone (If you’re a girl)
O filme acabou de sair vitorioso no BAFTA – British Academy of Film and Television Arts (que é o equivalente do Oscar na Inglaterra) – que é um bom termômetro.

OSCAR 2020: MELHOR DOCUMENTÁRIO

Como falamos acima, as categorias documentais existem desde 1942, e no caso de Documentário longa, só não houve premiação em 1946. A única diferença da categoria curta, é realmente o fato da sua duração, que deve ser no mínimo 40 minutos.

Devido à popularização das plataformas de streaming, o gênero encontrou uma melhor distribuição, mas infelizmente é ainda incomum ver salas de cinema no Brasil exibindo documentários fora do circuito dos festivais de cinema.

Os indicados ao Oscar 2020 à Melhor Documentário são:

“Democracia em Vertigem”

Documentário político e memórias pessoais se misturam nesta análise sobre a ascensão e queda de Lula e Dilma Rousseff e a polarização da nação.

Que documentário devastador. Para um brasileiro, assistí-lo é logicamente reviver uma sequência horrenda de eventos contra a democracia brasileira. E mesmo assim, tudo permanece um grande enigma. Ou melhor, um grande circo.

Realizar um documentário imparcial sobre a política brasileira seria impossível, e com certeza não é o caso deste filme, mas admiro o esforço e o acesso da diretora. Independentemente da sua inclinação política, dê uma chance a este documentário, a diretora Petra Costa costura suas memórias pessoais com a realidade (dela) de forma surpreendente. 

Petra é a 3ª cineasta brasileira a concorrer na categoria de Melhor Documentário, juntando-se a Lucy Walker (Indicada ao Oscar por “Lixo Extraordinário” em 2011) e a Juliano Ribeiro Salgado (Indicado por “O Sal da Terra” em 2015).

“For Sama”

Uma jornada íntima e épica da experiência feminina da guerra. Um documentário comovente e devastador.

Uma carta de amor de uma jovem mãe para sua filha, o filme conta a história da vida de Waad al-Kateab durante cinco anos da guerra em Aleppo na Síria. Vemos Waad se apaixonar, se casar, e dar luz a Sama, enquanto o inferno se espalha ao seu redor.

Fui levado às lágrimas muitas vezes, e o cinema ficou em silêncio quando terminou, chocado pela experiência. Um filme importante e histórico, que em circunstâncias tão cruéis, dá chance à voz feminina de falar mais alto.

“Honeyland”

Uma criadora de abelhas deve salvá-las e devolver o equilíbrio natural em sua pequena e remota vila, enquanto uma família interrompe e ameaça o que ela construiu.

Este é um documentário íntimo e profundo. Mesmo que os personagens estejam em uma vila remota na Macedônia, há muitos elementos relacionáveis: o relacionamento do homem com a natureza, a solidão, a relação entre pais e filhos, laços familiares, a ganância e o carma. É realmente uma conquista o que os cineastas foram capazes de retratar nesses microcosmo.

A construção narrativa mostra tensões e conflitos entre a protagonista e a família, e alguns podem até pensar que foi roteirizado, mas a cadeia de eventos é real e aconteceu ao longo de três anos.

“Indústria Americana”

Em 2008, a GM fechou uma fábrica em Ohio, EUA. Um bilionário chinês, dono da Fuyao Glass, comprou e a transformou em parte de suas operações. A partir disso, o que era apenas uma transação comercial tornou-se um choque entre culturas e perspectivas de trabalho.

Para ser sincero, esse documentário demora para engatar, mas há grandes lições a serem aprendidas em termos de negócios, choque de culturas e, acima de tudo, noções pré-concebidas que temos de um povo ou uma nação. É claro que a ganância desempenha um papel importante neste documentário, mas mesmo que seja falho, ainda é um conteúdo muito relevante no mundo globalizado de hoje.

“The Cave”

Em meio a ataques aéreos e bombardeios na Síria, um grupo de médicos administra um hospital subterrâneo.

Feras Fayyad, que em 2017 dirigiu “Últimos Homens em Aleppo”, arrisca a própria vida e de muitos outros, mais uma vez, para contar as histórias inacreditáveis do povo sírio em uma cidade sitiada. Desta vez, o filme foca nos desafios de um grupo de médicos, não apenas salvando pacientes, mas sabendo quando se esconder dos bombardeios e escapar da milícia síria.

Fiquei quase sem fôlego devido à tensão e às condições que eles enfrentavam. Como no documentário similar “For Sama”, não é tão polido e montado, mas é certamente eficaz.

QUEM MERECE GANHAR:
Honeyland” ou “For Sama
Ambos são documentários excepcionais e merecem todo o reconhecimento.

QUEM VAI GANHAR: 
Indústria Americana
Não é o meu favorito, porém a produtora do filme pertece à Barack Obama, e acredito que um lobby forte está sendo feito pela vitória.

E com isso concluímos mais uma parte da nossa grande Cobertura Oscar 2020! Perdeu alguma informação? Clique abaixo nos artigos que já falamos até agora!

Parte 1: Curtas

Parte 2: Categorias Sonoras

Parte 3: Categorias Técnicas

Parte 4: Categorias Artísticas

Parte 5: Animação e Filme Internacional

E fique ligado para a próxima parte, onde falaremos sobre as categorias de atuação!

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar um comentário

Assine nossa Newsletter