Privacidade Hackeada: novo filme da Netflix fará você repensar o que compartilha no Facebook

Privacidade Hackeada é o próximo lançamento da Netflix
O filme Privacidade Hackeada chega à Netflix nesta quarta e promete debater questões sobre manipulação de dados mas redes sociais

Nesta quarta-feira, 24 de junho, chega à Netflix o filme documentário Privacidade Hackeada (The Great Hack, em inglês), inspirado no escândalo de roubo de dados em que o Facebook foi acusado, após a empresa Cambridge Analytica coletar dados de 87 milhões de usuários sem consentimento. O escândalo levou ao primeiro depoimento do CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, perante o Congresso Americano, e provocou investigações no Reino Unido, na Índia e no Brasil.

O documentário estreou no Festival de Cinema de Sundance no início deste ano e foi divulgado no início da campanha presidencial de 2020. O timing de estreia do filme não poderia ser mais perfeito: esta semana, a Comissão Federal de Comércio dos Estados Unidos deve multar em US$ 5 bilhões o Facebook por seus supostos incidentes de privacidade. E, como se isso não bastasse, Robert Mueller, o ex-conselheiro especial que investigou a interferência russa nas eleições de 2016, algumas das quais ocorreram no Facebook, vai testemunhar nesta quarta-feira.

Privacidade Hackeada irá abordar o escandalo que levou Zuckerberg ao senado americano.
Mark Zuckerberg depondo no senado americano sobre o escândalo de dados.

A Cambridge Analytica é uma empresa de análise de dados baseada no Reino Unido, cuja controladora é a Strategic Communication Laboratories. A Cambridge Analytica ajuda campanhas políticas a alcançarem potenciais eleitores online. A empresa combina dados de várias fontes, incluindo informações online e pesquisas, para criar “perfis” de eleitores.

Privacidade Hackeada

O filme documentário de duas horas é mais do que sobre a queda de uma empresa de análise de dados ou seu papel em uma eleição histórica. Privacidade Hackeada (The Great Hack) apresenta uma pergunta simples: “Estamos sendo manipulados pelas mídias sociais, mesmo quando fornecemos às empresas de tecnologia nossas informações pessoais?”

Privacidade Hackeada (The Great Hack) segue o escândalo através dos olhos de vários participantes, incluindo Brittany Kaiser , ex-diretora de desenvolvimento de negócios da Cambridge Analytica que virou delatora. Kaiser foi questionado pelos legisladores do Reino Unido e por Mueller. Antes de ingressar na Cambridge Analytica, ela trabalhou na campanha presidencial de Barack Obama.

Diretores do filme documentário Privacidade Hackeada.
Jehane Noujaim e Karim Amer, os diretores do filme documentário, Privacidade Hackeada

Os diretores de Privacidade Hackeada, Jehane Noujam e Karin Amer também acompanham David Carroll, professor associado da Parsons School of Design, de Nova York, que se empenha em descobrir quais dados Cambridge Analytica reuniu sobre ele. O filme apresenta aparições de Carole Cadwalladr, um jornalista investigativo do The Guardian, que conta como descobriu o escândalo, e Julian Wheatland, ex-diretor de operações da Cambridge Analytica.

A diretora Jehane Noujam argumenta que podemos encontrar um equilíbrio limitando a quantidade de informações pessoais que compartilhamos em troca dessas conexões pessoais. Ela diz que as empresas de mídia social devem se ver como “empresas de serviços públicos” com responsabilidades éticas.

O escândalo da Cambridge Analytica

O Facebook afirmou em um comunicado em 16 de março de 2018, que o Cambridge Analytica recebeu dados de usuários a partir de Aleksandr Kogan, um professor da Universidade de Cambridge. Kogan teria criado um aplicativo chamado “thisisyourdigitallife”, que ostensivamente oferecia previsões de personalidade aos usuários, enquanto se autodenominava uma ferramenta de pesquisa para psicólogos.

O aplicativo pediu aos usuários que fizessem login usando suas contas do Facebook. Como parte do processo de login, ele solicitou acesso aos perfis do Facebook dos usuários, locais, suas curtidas e, mais importante, os dados de seus amigos também.

Segundo o Facebook, o problema é que a Kogan enviou esses dados dos usuários para a Cambridge Analytica sem a permissão dos usuários, algo que é contra as regras da rede social. Um ex-executivo da empresa, Brittany Kaiser, disse que é possível que mais perfis de pessoas tenham sido apanhados no escândalo do que os 87 milhões que o Facebook já contou até agora.

O atual presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, contratou a Cambridge Analytica para executar operações de dados durante a eleição de 2016. A empresa ajudou a campanha a identificar os eleitores para segmentar com anúncios e deu conselhos sobre a melhor maneira de focar sua abordagem, como onde fazer paradas na campanha. Também ajudou na comunicação estratégica, como o que dizer em discursos.

Privacidade Hackeada (The Great Hack) estará disponível na Netflix a partir desta quarta-feira, 27 de julho. O filme documentário também será exibido em cinemas selecionados dos Estados Unidos.

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar um comentário

Deixe uma resposta

Receba notícias por e-mail